Zagueiro é integrado ao sub-15 do Flamengo

185
Após duas semanas no Rio de Janeiro, Eduardo recebeu a notícia da seleção ao Flamengo (Foto: Divulgação)
Da reportagem

Após mais de seis meses em Curitiba (PR), o jovem zagueiro Eduardo de Oliveira Gonçalves foi obrigado a deixar a capital paranaense. A nova “casa” do tatuiano de 14 anos tornou-se o Rio de Janeiro para defender a equipe da categoria sub-15 do Clube de Regatas do Flamengo.

Em 1o de março, Gonçalves foi convidado para ser avaliado pelo Rubro-Negro carioca. A viagem para o Rio de Janeiro aconteceu no sábado, 6, e, no dia seguinte, ele esteve no “Ninho do Urubu” – centro de treinamento do clube carioca – para realizar o teste para detecção da Covid-19.

Com o resultado do exame negativo, o período de avaliação de Gonçalves teve início na terça-feira, 9, estendendo-se até a sexta-feira, 19. O resultado da avaliação foi divulgado no dia seguinte, quando o tatuiano recebeu a notícia de que havia sido escolhido para tornar-se jogador da base do Flamengo.

Renise de Oliveira, mãe de Gonçalves, relatou estar muito orgulhosa do adolescente responsável que o filho está se tornando. Segundo ela, as experiências que ele tem vivido “só estão fazendo-o crescer e tornar-se uma pessoa de bem”.

“É fruto da disciplina, foco e determinação, que ele sempre teve”, garante. “A saudade é grande, mas o orgulho e a satisfação são ainda maiores”, completa a mãe.

Ela reconhece que a torcida pelo filho é muito grande e entende que a seleção ao Flamengo é uma importante oportunidade para que ele continue aprendendo. “Ver meu menino, de apenas 14 anos, realizando esse feito é muito gratificante”, afirma.

“Há uma porta imensa à frente dele. Já é resultado de toda dedicação. Espero que nesse momento ele tenha sabedoria, pois é só o primeiro passo. Sempre estaremos na torcida”, complementa Renise.

Gonçalves iniciou a relação com o futebol no Bom de Bola e defendeu equipes de base da Ponte Preta, de Campinas (SP). Em 18 de fevereiro do ano passado, ele participou de uma avaliação do Trieste Futebol Clube – clube de base de Curitiba –, que possui parceria com o Flamengo na captação de jovens talentos, promovida em Tatuí, para meninos e meninas da região.

Na oportunidade, Gonçalves foi um dos dez atletas selecionados para a etapa seguinte. Em novembro do ano passado, o Trieste fez uma nova “peneira” no município e selecionou mais sete tatuianos para a etapa seguinte.

Em março de 2020, pouco antes do início das restrições impostas no país, por conta da pandemia, Gonçalves, o lateral-direito Bigu e o lateral-esquerdo Baldini foram os três primeiros jogadores do município a irem ao Trieste. O zagueiro foi o único tatuiano selecionado naquela etapa de avaliação.

Posteriormente, outros jovens tatuianos também viajaram para Curitiba e alguns deles ainda seguem sendo monitorados pelo Trieste. Contudo, Gonçalves foi o único atleta da cidade que permaneceu alojado nas dependências do clube paranaense, desde agosto do ano passado.

Durante o período em que esteve alojado em Curitiba, Gonçalves teve contato com diversos atletas tatuianos mais novos que ele, que atuam entre a sub-8 e a sub-12, também avaliados pelo núcleo de captação do Rubro-Negro carioca.

A O Progresso, em outubro, Antônio Marcio da Silva Júnior, pai de Luiz Henrique, da sub-10 – outro dos tatuianos avaliados na capital paranaense -, revelou os nomes de três ídolos do filho: o atacante português Cristiano Ronaldo, da Juventus, da Itália; o lateral-esquerdo brasileiro Marcelo, do Real Madrid, da Espanha; e Gonçalves.

Idealizador do projeto social esportivo Bom de Bola, o ex-zagueiro tatuiano, Diego Barros, garante estar torcendo muito pelo sucesso de Gonçalves. “É motivo de orgulho. Ele é um menino querido por todos e muito admirado pelos mais novos. Muitos garotos estão no início deste processo. Então, esse momento de Gonçalves estimula os demais a acreditarem”, sinaliza.

A O Progresso, o diretor do Trieste, Rafael Stival, afirmou que Gonçalves entendeu bem o processo realizado pelo clube e destacou a coragem do atleta, ao deixar Tatuí para ir à Curitiba. “Ele saiu de um projeto muito bom e já veio com conceitos importantes. Aqui, ele entendeu que tinha de evoluir e trabalhou para isso”, apontou.

Stival declarou que o tatuiano é bastante sério, possui disciplina, muito foco e determinação, boas características em evolução, além de ser apoiado pelos familiares. O diretor diz que Gonçalves ainda tem um caminho a trilhar, porém, reconhece ser “um passo muito importante já estar com a camisa do Flamengo e poder chegar ao profissional”.

Segundo Stival, são avaliados, em média, 2.000 atletas por ano, de todo o Brasil, além de jogadores do Uruguai e da Argentina. “Depois, fazemos algumas seleções e os melhores nós trazemos para cá e encaminhamos ao Flamengo”, apontou o diretor.

Em dois anos de parceria, cerca de 30 atletas já foram encaminhados pelo clube às categorias de base do Rubro-Negro carioca. Ele revelou que a preferência é sempre enviar atletas ao Flamengo, mas, caso eles não sejam selecionados, o Trieste tem autorização para destiná-los ao Internacional, Athletico Paranaense ou ao Coritiba. “Gonçalves tem mercado, seja no Flamengo ou em outro clube”, garante Stival.

O Trieste é responsável por revelar diversos nomes do futebol, como: Luccas Claro, zagueiro do Fluminense; Zé Rafael, meio-campista do Palmeiras; Marcos Guilherme, atacante do Internacional; Léo Pereira, zagueiro do Flamengo; e Renan Lodi, lateral-esquerdo do Atlético de Madrid, da Espanha, e constantemente convocado pelo técnico Tite à seleção brasileira.