Pais celebram nova seleção de filhos em avaliação de núcleo do Flamengo

Após ‘peneira’ no município, atletas foram vistos pelo Trieste, em Curitiba

407
Lateral-esquerdo Luiz Henrique, da sub-10 (Foto: Arquivo pessoal)
Publicidade
Da redação

Após “peneiras” do Trieste Futebol Clube na região e escolha para avaliação em Curitiba (PR), os pais comemoram a seleção dos filhos para uma nova etapa no núcleo de captação de atletas do Clube de Regatas do Flamengo.

No início do mês, entre os dias 5 e 9, seis atletas tatuianos estiveram na capital paranaense em busca do sonho de se tornarem atletas profissionais de futebol. Entre eles, o zagueiro Rafael, da categoria sub-12, e o meio-campista Paulinho, da sub-10, foram selecionados para uma nova fase de avaliações na capital paranaense.

Além deles, o lateral-esquerdo Luiz Henrique, da sub-10, está sendo acompanhado pelo Bom de Bola e, dependendo da evolução, pode ser novamente recrutado pelo Trieste. O zagueiro Cassiano, da sub-10, o atacante Kaíque, da sub-12, e o meio-campista Daniel, da sub-14, também foram avaliados em Curitiba.

Lourdes Rosária de Souza Castro, mãe do zagueiro Rafael, afirmou que a semana no Trieste foi bastante produtiva ao filho. “Ele viveu uma semana bem diferente, onde teve de tomar conta dos pertences e com a responsabilidades de ir aos treinos na hora certa. Nós, pais, ficamos separados. Assistíamos a todos os treinos, mas ele se virou sozinho”, contou.

Segundo Lourdes, os garotos tiveram os comportamentos avaliados a tempo todo, tanto no campo quanto fora dele. Dentro das quatro linhas, os atletas realizaram amistosos com os jogadores que já atuam pelo Trieste.

Publicidade

“Nos primeiros dias, o Rafael ficou um pouco tímido dentro do campo, mas depois se soltou e mostrou seu futebol”, garantiu a mãe.

Para Antônio Marcio da Silva Júnior, pai de Luiz Henrique, a disciplina exigida pelo clube paranaense fez com que o lateral-esquerdo voltasse a Tatuí e passasse a ser mais organizado e voluntário, ajudando com as tarefas domésticas.

Em relação ao futebol, Silva afirma que o filho entendeu que, “para ter um futuro no esporte, não basta ser bom de bola, tem que ter muita dedicação e seriedade”. Segundo ele, o fato de estar sendo monitorado motivou Luiz Henrique a ser ainda mais esforçado.

“Ele está se esforçando muito para que esteja pronto o quanto antes. Estamos muito esperançosos de que o Luiz Henrique será chamado para uma nova avaliação”, torce o pai.

Mãe de Paulinho, Alessandra Aparecida de Souza revelou que o filho fora a Curitiba com fé de que seria escolhido. “Após receber a notícia, ele ficou muito feliz e orgulhoso dele mesmo. O Paulinho é nosso orgulho, pois está sempre focado no que quer. Como ele sempre diz: desistir jamais”, expôs.

“É sempre uma alegria imensa ver um filho passar numa avaliação. Nosso papel é apoiar e ajudar a seguir em frente. Já que o sonho do Rafael é ser jogador profissional, é preciso se preparar para a próxima fase, colocando Deus na frente, sempre”, complementou Lourdes.

Os pais destacam o trabalho e a importância de Diego Barros, idealizador e técnico do Bom de Bola, no crescimento dos filhos no futebol.

“Barros acredita muito nos atletas, e isso faz toda a diferença. Os meninos passam a ter confiança e acreditar nos próprios sonhos, porque, atrás desse sonho de ser jogador de futebol, há um grande treinador”, destacou Lourdes.

Ela afirma que Rafael, por ser zagueiro, tem Barros – ex-zagueiro profissional – e Virgil Van Dijk, defensor holandês do Liverpool, da Inglaterra, como referências no futebol. Já o meia Paulinho se espelha no argentino Lionel Messi, atleta do Barcelona, da Espanha.

Luiz Henrique tem o português Cristiano Ronaldo, da Juventus, da Itália, como ídolo. Na posição em que atua, o jovem lateral-esquerdo tatuiano admira o brasileiro Marcelo, que atua na Espanha, defendendo o Real Madrid.

No entanto, Silva afirma que o ídolo do filho dele e de outros tatuianos é o zagueiro Eduardo Gonçalves, da sub-14 do Bom de Bola. Ele foi o único atleta do município selecionado na avaliação do Trieste, em março. Devido à pandemia, Gonçalves pôde se alojar em Curitiba, em agosto.

As mães aguardam o chamado para que Rafael e Paulinho retornem ao Trieste no próximo ano. Enquanto isso, Luiz Henrique segue sendo avaliado pelo Bom de Bola, desejando receber um novo convite para ir a Curitiba.

Publicidade