Demissão de Edson Beltrami do CDMCC gera críticas na ‘CM’

31
Maestro Edson Beltrami
Publicidade
Da reportagem

Durante a palavra livre, na ordem do dia da sessão ordinária, ocorrida na Câmara Municipal segunda-feira, 6, a demissão antecipada do maestro Edson Beltrami do cargo de titular da Orquestra Sinfônica do Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”, de Tatuí, dia 1°, motivou críticas do vereador Eduardo Dade Sallum (PT).

No final de setembro, a atual gestora do Conservatório de Tatuí, a Sustenidos Organização Social de Cultura, havia notificado a demissão de Beltrami, indicando que ele permaneceria na instituição até o final do ano letivo de 2021 e que o desligamento ocorreria a partir de 2022.

Beltrami realizaria o último concerto à frente da Orquestra Sinfônica nesta quinta-feira, 9. Contudo, na semana passada, após o maestro se manifestar publicamente sobre as mudanças administrativas e pedagógicas propostas pela atual gestora, a demissão foi antecipada.

De acordo com Sallum, o desligamento imediato, sem cumprimento de aviso-prévio, seria uma forma de “retaliação”. O vereador relatou que a demissão acontecera no dia do ensaio e que Beltrami fora impedido de despedir-se dos músicos da orquestra.

“Um profissional que tem 50 anos no Conservatório de Tatuí. Ele pediu para se despedir da orquestra, mas não deixaram.A Secretaria de Cultura e Economia Criativa, do estado de São Paulo, através do secretário Sérgio Sá Leitão, e a OS Sustenidos, ‘que está fazendo o papel do carrasco’, vão ter de prestar contas com o povo de Tatuí”, declarou o vereador.

Publicidade

Para o parlamentar, “Beltrami simboliza o povo tatuiano no Conservatório de Tatuí e que contribuiu com o ensino de excelência,tornando-o a melhor escola de música da América Latina”.

“Já havia dez demitidos da administração, e agora foi o primeiro músico. Disseram que eu era histérico, que era louco e que estava fazendo fato político, mas estão destruindo o Conservatório”, declarou Sallum.

Dois dias depois, na quarta-feira, 8, a instituição tatuiana foi tema de reunião no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, com o governador João Dória, o secretário Sérgio Sá Leitão (Cultura) e empresários e CEOs de grandes empresas, além do prefeito Miguel Lopes Cardoso Júnior e do presidente da Câmara Municipal, Antonio Marcos de Abreu (PSDB).

Nessa reunião, a Sustenidos apresentou um plano de captação de recursos junto à iniciativa privada para 2022, que prevê R$ 20 milhões em novos investimentos, além do orçamento próprio do Conservatório, previsto em R$ 27,5 milhões (reportagem nesta edição).

Publicidade