Tatuí ganha 133 novos postos de trabalho formal no mês de junho

Setor da indústria foi responsável pelo maior número das vagas

Tatuí cria 713 postos de trabalho no primeiro semestre
Da reportagem

O mercado de trabalho formal em Tatuí fechou o mês de junho com saldo positivo, criando 133 vagas de emprego – porém, 94 a menos em comparação ao mesmo período do ano passado, quando 227 novos postos foram criados.

No primeiro semestre de 2022, o saldo positivo atingiu 713 novos postos. O número é menor que o dos seis primeiros meses do 2021, quando chegou a 866 vagas.

Os dados são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados no dia 28 de julho, quinta-feira, resultados de 1.104 admissões frente a 971 desligamentos. Com isso, o estoque de empregos com carteira assinada em Tatuí chegou a 28.034.

No sexto mês de 2022, quatro dos cinco setores analisados pelo órgão continuaram com números positivos. O melhor saldo foi o do setor industrial, com a abertura de 71 vagas, resultado de 300 admissões para 229 demissões. A atividade econômica é a segunda maior empregadora da cidade, somando 8.542 trabalhadores.

Mesmo com mais contratações, o subgrupo da indústria de eletricidade e gás perdeu dois postos de trabalho, totalizando 83 vagas. As indústrias de extrativas tiveram duas contratações; e na indústria de transformação, o aumento foi de 63, totalizando 277 admissões e 214 demissões.

No subgrupo água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação, foram 13 admissões e cinco desligamentos, totalizando oito contratações.

O setor de serviços também teve saldo positivo, com 21 novos postos – resultado de 320 contratações para 299 desligamentos. A atividade é a maior empregadora da cidade, concentrando 9.629 formalizados.

Na análise entre os subsetores, dois aparecem com saldo positivo: os serviços de educação; alojamento e alimentação; atividades administrativas e serviços complementares, financeiras de seguros e serviços relacionados e imobiliárias, com 34 novas vagas. Já o subgrupo saúde humana e serviços sociais teve saldo negativo de duas vagas.

Os serviços de administração pública, defesa e seguridade social, alojamento e alimentação fecharam o mês de junho com uma demissão, com o total de 83 funcionários.

O setor do comércio obteve saldo negativo de nove demissões, contratando 327 trabalhadores e dispensando 336. A atividade comercial é a terceira maior empregadora do município, com o estoque de 7.408 funcionários e variação negativa de 0,17% em comparação a maio.

Dois subsetores do comércio fecharam o mês com saldo positivo. O varejista abriu cinco postos – resultado de 254 contratações para 249 demissões. No comércio por atacado, foram abertas seis vagas.

Já a reparação de veículos automotores e motocicletas terminou o mês de junho no negativo, com 20 demissões, advindas de 24 contratações para 44 demissões.

O setor de construção teve saldo positivo de 29 novos postos formais – resultado de 57 admissões para 28 demissões. A atividade, que concentra 818 trabalhadores, teve variação positiva de 3,68% em comparação a maio.

Na área de construção de obras e infraestrutura, foram abertas seis vagas, advindas de 13 contratações e sete demissões. Já o setor de construção de edifícios não criou postos de trabalho em junho.

Na área de serviços especializados para a construção, o saldo foi de quatro contratações, com 17 admitidos e 13 desligamentos. A atividade econômica fechou o mês com 829 formalizados.

Fecha a lista dos setores, com saldo positivo, a agropecuária. O grupo, que abrange agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, ganhou 40 vagas no em junho, com 103 admissões e 63 desligamentos. A atividade econômica é a quarta maior contratadora do município, com 1.626 funcionários formalizados.

Segundo o diretor de planejamento da prefeitura, Daniel de Camargo Barros, atualmente, vem ocorrendo uma estabilidade nas contratações seguida de aumento significativo e gradativo ligado à produtividade das empresas automotivas, tanto em Tatuí quanto na região.

“A contratação de novos funcionários e a diminuição de demissões fazem com que os números, mesmo abaixo do mês anterior, se estabilizem”, ressaltou Barros.

Para ele, o fator que colabora nessa situação é o aumento da qualificação profissional. Barros também frisou que a alta nas contratações se deve ao aumento de mão de obra na construção civil, que cresce desde o início do ano. “Conforme novas obras começam, diversas empresas deste ramo passam a disponibilizar mais vagas”, complementou o diretor.

“Conforme a produtividade aumenta nessas empresas, setores correlacionados a elas, consequentemente, também crescem, fazendo com que o número de contratações seja maior”, completou Barros.

No Brasil

Ainda conforme o balanço do órgão do Ministério da Economia, o Brasil criou 277.944 vagas de emprego com carteira assinada em junho. O saldo é decorrente de 1.898.876 admissões e 1.620.932 desligamentos. No mesmo período do ano passado, o número de contratações foi de 317.812.

Com isso, o estoque de empregos formais no país chegou a 42.013.146, com alta na comparação tanto com abril (198.993) quanto a maio deste ano (274.582).

O país fecha o primeiro semestre de 2022 com 1.334.791 contratações, em recuo de 9.75% comparado ao mesmo período do ano passado, quando chegou a 1.478.997.

DEIXE UMA RESPOSTA

entre com sua mensagem
entre com seu nome