Sallum critica eventual redução de vagas no Conservatório de Tatuí

193
O verador Eduardo Dade Sallum (PT)
Publicidade
Da reportagem

No início da sessão ordinária, ocorrida na noite de quarta-feira, 9, na Casa de Leis, o parlamentar Eduardo Dade Sallum (PT) solicitou a inclusão de três requerimentos relacionados ao Conservatório Dramático e Musical “Doutor Carlos de Campos” na pauta.

Em dois dos documentos, Sallum pede que a Secretaria de Cultura e Economia Criativa, do estado de São Paulo,informe o posicionamento sobre propostas para gestão do Conservatório de Tatuí (reportagem nesta edição) realizadas pela Sustenidos Organização Social de Cultura.

Conforme uma das matérias, a organização social afirma que, se a reformulação do curso de artes cênicas do conservatório não for viável financeiramente ou considerada prioritária pela secretaria, deve extinguir esse curso.

Pelo requerimento, Sallum pergunta se a secretaria estadual considera a reformulação do curso de artes cênicas prioritária ou reconhece a importância da permanência desse curso nos moldes atuais.

Ele também pede que a pasta informe o posicionamento do estado, caso a Sustenidos seja aprovada para gerir o CDMCC, sobre a proposta de se reduzir 496 vagas para alunos na instituição, a partir de julho de 2021.

Publicidade

Já no terceiro requerimento, Sallum solicita ao líder da bancada do PT na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), deputado estadual Teonilio Barba, que interceda junto ao governo estadual para que a proposta de gestão da Sustenidos não seja aprovada.

Após os requerimentos serem incluídos na pauta, Sallum subiu à tribuna, explicando aos vereadores que o governo estadual havia feito uma convocação pública, na edição do Diário Oficial do Estado, dia 5 de novembro, para organizações sociais interessadas em administrar o CDMCC a partir de 1º de janeiro de 2021.

O chamamento, contudo, é apresentado como medida “preventiva”. O contrato da organização social vencedora teria vigência até 31 de dezembro de 2025, e o início está condicionado à rescisão do trabalho com a atual gestão, a Abaçaí Cultura e Arte, a qual possui contrato até 31 de dezembro 2022.

Sallum disse ter sido informado sobre o plano técnico orçamentário da Sustenidos dois dias antes da sessão ordinária. “Li o plano, de 173 páginas, hoje à tarde (quarta-feira, 9). Tem muita coisa bonita no plano que a OS diz que fará ao Conservatório”, reconheceu.

Contudo, segundo ele, no título “readequação de números de vagas”, a organização socialaponta que“não há outra forma de equilibrar receitas e despesas, a não ser realizar um ajuste. A redução de 496 vagas ocorrerá a partir do 1º processo seletivo para novos alunos, previsto para julho de 2021”.

“Essa é a carta de entrada da Sustenidos – que gere o Projeto Guri – para gerir o Conservatório de Tatuí: redução de 496 vagas. A Sustenidos quer tornar o Conservatório um ‘Projeto Gurizão’”, declarou Sallum.

Conforme o vereador, além da redução de vagas, a Sustenidos pretende fechar o polo do CDMCC em São José do Rio Pardo e encerrar as habilitações de flauta transversal de choro, percussão de choro, violão de choro, acordeom MPB e o curso de cenografia, a partir de 2022.

Sallum declarou ter estudado no Conservatório de Tatuí e sentir“muito orgulho” disso, principalmente por conta do curso de choro. “O Conservatório de Tatuí é uma referência na América Latina, mas o curso de choro é referência mundial, como melhor curso de choro do mundo. Vem gente da Europa para estudar choro no Conservatório de Tatuí”, ressaltou.

O curso de choro é oferecido desde 1999. Segundo a instituição, ela foi a primeira escola de música brasileira mantida por um governo estadual a incluir no currículo o ‘choro’ como curso regular.

Na coordenação de choro, são oferecidos cursos de flauta transversal, violão, bandolim, cavaquinho, percussão e prática de conjunto popular. O Conservatório de Tatuí ainda possui o Grupo de Choro, fundado pelo violinista Alexandre Bauab Júnior, em 1993, o qual segue em atividade.

Publicidade