S.O.S crianças em casa: dicas para não descuidar da alimentação dos filhos 

263
Da assessoria da Obra Hortifruti

Ajudar com as aulas online, dar suporte nos exercícios escolares, propor atividades físicas, descobrir brincadeiras lúdicas diferentes, incentivar a leitura, ensinar coisas novas, manter as crianças entretidas…

Com o isolamento social e os pequenos passando 100% do tempo dentro de casa, muitos são os desafios para os pais, que precisam administrar a rotina familiar, as atividades domésticas e o trabalho home office.
Em meio a tantas responsabilidades, os cuidados com a alimentação dos filhos, para que seja saudável e nutritiva, também devem estar presentes. Mas, essa tarefa pode ser simplificada com algumas dicas que a nutricionista do Oba Hortifruti, Renata Guirau separou. Confira!

1. Estabeleça horários

Primeiramente, deve-se estabelecer uma rotina alimentar em casa, com horários certos para as refeições. A especialista ressalta que criar esse hábito é essencial para evitar que a criança coma o tempo todo e queira beliscar fora de hora.

2. Qualidade das refeições

Não substitua uma refeição completa por lanches ou produtos industrializados.
De acordo com a profissional, o café da manhã e lanches intermediários devem conter frutas, pães, cereais, leite e derivados, ovos e bolos caseiros. Já o almoço e o jantar precisam oferecer opções de carne, vegetais, arroz ou outro carboidrato (macarrão, batata, mandioca) e feijão ou outra leguminosa.
“A refeição deve conter todos os grupos de alimentos e ser variada em cores, que estão relacionadas aos diferentes nutrientes”, comenta Renata.

  1. AlimentosFrescos

Frutas, verduras e legumes devem ser a base da alimentação.
Segundo as orientações da nutricionista: “Nessa época do ano, em que as temperaturas caem, é muito importante potencializar o consumo de frutas e vegetais, que ajudam a manter a imunidade em alta.

Para ajudar na aceitação, os legumes podem ser misturados no arroz, por exemplo. Já as frutas, as mais doces tendem a agradar mais o paladar, então, na hora da compra, devemos observar o ponto de maturação, para que ela esteja mais saborosa. Opções como o kiwi Sungold podem ter boa aceitação por ser mais doce e macio”.

4. Criança mais Participativa

Convidar os filhos para participarem do preparo das refeições promove um momento próximo entre toda a família e ainda contribui para a aceitação dos alimentos.
“Se não for possível que a criança participe do preparo – mesmo de etapas mais simples, como a seleção dos alimentos – uma outra alternativa é deixar a criança escolher o cardápio, dentre duas opções selecionadas pelos pais para serem oferecidas”, sugere a especialista.

5. Alimentos Processados

Apesar de prático e bem aceito pelas crianças, eles não oferecem os nutrientes necessários ao crescimento adequado.
O conselho de Renata é sempre oferecer o mínimo possível de alimentos ultraprocessados. “Ainda assim, na hora da compra, também é possível ler os rótulos dos produtos para buscar opções que contenham bons ingredientes, uma vez que muitas marcas vêm adequando seus produtos para deixá-los mais saudáveis”, indica.