Operação policial ataca o comércio irregular de peças de automóveis

1110
Corolla apreendido em oficina no Valinho retornou para o dono (foto: Francis Jonas Limberger)

Uma grande operação policial envolvendo Guarda Civil Municipal, Polícias Civil e Militar e Detran atacou na quarta-feira, 1º, o comércio irregular de peças automotivas.

Também participaram bombeiros, agentes ambientais e fiscais municipais, que verificaram a situação legal e as licenças dos estabelecimentos visitados. O trabalho resultou em uma prisão por receptação, dois carros apreendidos e um estabelecimento lacrado.

O auxiliar administrativo Diego Aristides Almeida de Andrade, 24, recebeu voz de prisão depois que dois carros em situação irregular foram localizados na oficina dele, no bairro Valinho.

Um dos carros é um Toyota Corolla, cinza, ano 2001, com placas de Tatuí. De acordo com o boletim de ocorrência, o veículo estava envolvido em crime de estelionato. O carro estava sobre um cavalete, com o interior desmontado e várias peças no porta-malas, “sendo nítido que estava sendo desmontado”.

Diego disse que o Corolla era de propriedade de um sócio e que havia sido deixado na oficina havia alguns dias. O indiciado negou ter conhecimento sobre a situação ilegal do carro.

O verdadeiro dono do veículo esteve na Delegacia Central na tarde de quarta-feira e confirmou a existência do crime. Ele recebeu o Corolla de volta, mas com restrição para circular.

Na mesma oficina, a equipe policial encontrou um automóvel Volkswagen Saveiro, preto, ano 2001 e placas de Tatuí. Segundo os policiais, o chassi apresentava indícios de adulteração, estando “visivelmente desalinhado”.

Conforme o BO, Andrade alegou que esse carro havia sido comprado em um leilão, mas estaria em situação regular. A Saveiro também acabou guinchada e encaminhada para perícia.

Andrade recebeu voz de prisão em flagrante por receptação qualificada e não teve estipulado valor para pagamento de fiança.

De acordo o diretor municipal da Segurança Pública, Francisco Carlos Severino, a operação passou por quatro estabelecimentos da cidade. Um deles, no Jardim Gonzaga, acabou lacrado. O motivo da interdição não foi informado.

Operação
A operação policial de quarta-feira teve planejamento iniciado no Gabinete de Gestão Integrada, que reúne as forças policiais, órgãos municipais e o Poder Judiciário. “Estamos nos reunindo a cada dois meses para discutir estatísticas e planejar meios de atuação”, contou Severino.

Em uma das reuniões, o grupo constatou pequena elevação nos furtos e roubos de veículos. De acordo com o diretor, a Polícia Civil já vinha investigando esses crimes. “Como prática preventiva, todos acharam pertinente executar essa ação junto aos estabelecimentos que trabalham com peças automotivas”.