O Uso da Meditação!

270
RAUL VALLERINE

Assim como uma pequena planta deve enfrentar muitos obstáculos antes de se transformar numa árvore, nós precisamos experimentar muitas dificuldades no caminho da nossa felicidade!

(Nitiren Daishonin)

Muitos brasileiros têm pesquisado sobre como diminuir o estresse durante a pandemia. O novo coronavírus ocasionou diversos impactos para a população.

O temor com a Covid-19, a situação econômica, o isolamento social e a nova rotina familiar tem aumentado a ansiedade e o estresse nas pessoas.

Por isso, falar sobre o tema é um dos meios de colaborar com a forma como lidamos com o vírus e criar estratégias para melhorar a saúde mental na quarentena.

A maioria das pessoas foi pega de surpresa e não tiveram tempo para se preparar para o isolamento social.

Com as mudanças ocasionadas pela quarentena, é normal que a rotina esteja um pouco bagunçada ou até mesmo ela nem exista mais.

Entretanto, é importante separar um tempo para criar uma rotina que funcione para você e para a família.

Estabeleça horários para as suas atividades, crie metas para o mês e para a semana e envolva a família nas atividades da casa.

Separe um local da casa para o seu trabalho e separe um tempo para relaxar antes de iniciar as suas tarefas.

Alguns sintomas como ansiedade, frustração, preocupação, medo e irritabilidade costumam aparecer com frequência.

A meditação atualmente é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma atividade saudável, sobretudo em um cenário como o da pandemia do coronavírus.

Com altos graus de ansiedade e estresse neste momento, a prática da meditação, entre suas variadas modalidades, pode beneficiar a saúde mental e mesmo a física. Neste momento de pandemia, a meditação é uma ferramenta muito importante.

Pode prevenir quadros mais graves de transtornos mentais que podem acontecer ao longo dos meses e dos anos, e também amenizar efeitos de curto, médio e longo prazo destes transtornos.

Podemos dividir o atual momento em três partes: A primeira fase é mais aguda, tem a ver com o medo do contágio e até da morte; A segunda é relacionada às mudanças no estilo de vida e rotina, e acontece mesmo para quem está trabalhando; O terceiro, relacionado a perdas estruturais, de familiares e pessoas queridas, ou quem teve eventos traumáticos com a doença.

Quando falamos de saúde mental, falamos de ter ferramentas e recursos internos, e mais autonomia para lidar com o estresse e fatores que nos levam a doenças. A meditação ajuda a não ficarmos desatentos.

Quanto mais ficamos desatentos, mais percebemos o estresse. A explicação é que nossa relação com os fatores de estresse é mediada pelas emoções e não pelo lado racional.

Brincamos que é o treinamento do ‘músculo, da atenção, e esse treinamento tem a ver com o gerenciamento do estresse. Quanto mais desatentos, mais impulsivos e reativos somos.

Pelo caminho contrário, quanto mais atento estivermos a fenômenos internos e externos, mais conseguimos ter consciência dos momentos de estresse e do que provocam em nós, tendo assim uma resposta adequada e eficaz frente ao estresse.

E como a meditação deixa o corpo mais saudável? A meditação é uma técnica milenar que possui uma alta eficácia na diminuição do estresse, aumento da concentração e até mesmo da criatividade. Há além dos benefícios à saúde mental, uma relação direta da meditação com a saúde do corpo.

Você pode usar os aplicativos de meditação que ajudam a relaxar em casa ou pesquisar no Youtube canais focados em ensinar a prática para as pessoas.

Se você possui práticas espirituais e religiosas é importante mantê-las ativas durante a quarentena. Elas podem lhe proporcionar bem-estar e auxiliar no enfrentamento da pandemia.

Mesmo que os encontros presenciais estejam temporariamente interrompidos, é importante manter as suas crenças no período da quarentena.