Núcleo de ‘captação’ do Flamengo seleciona mais jogadores tatuianos

1625
Da reportagem

Na semana passada, entre segunda-feira e sexta-feira, 5 e 9, mais seis atletas tatuianos estiveram em Curitiba (PR), em busca do sonho de se tornarem atletas profissionais de futebol.

Os jogadores passaram a semana realizando treinamentos no Trieste Futebol Clube, núcleo de captação de atletas para o Clube de Regatas do Flamengo.

Entre eles, o zagueiro Rafael, da categoria sub-12, e o meio-campista Paulinho, da sub-10, foram selecionados para uma nova fase de avaliações na capital paranaense.

Além deles, o lateral-esquerdo Luiz Henrique, da sub-10, será acompanhado pelo Bom de Bola e, dependendo da evolução, pode ser novamente recrutado pelo Trieste. O zagueiro Cassiano, da sub-10, o atacante Kaíque, da sub-12, e o meio-campista Daniel, da sub-14, também foram avaliados em Curitiba.

No dia 18 de fevereiro, o município recebeu “peneira” organizada pelo Trieste. O estádio Toca da Coruja sediou o evento a meninos e meninas das categorias sub-10 (nascidos em 2010 e 2011), sub-12 (2008 e 2009) e sub-14 (2006 e 2007). O Trieste enviou ao município o observador técnico Nelson Kuroki e o diretor Rafael Stival.

Devido ao início do ano letivo de 2020, as avaliações aconteceram no período da manhã e da tarde, reunindo cerca de 200 atletas. Além de tatuianos, participaram garotos de Cesário Lange, Cerquilho, Guareí, Torre de Pedra, Laranjal Paulista e Boituva.

Na ocasião, dez tatuianos foram selecionados, sendo que todos treinam futebol de campo no Bom de Bola: Luiz Henrique, Rafael, Paulinho, Cassiano e Fabiano, da sub-10; Kaíque, da sub-12; e Daniel, Gabriel Baldini, Diego Bigu e Eduardo de Oliveira Gonçalves, da sub-14.

Na mesma semana, o Trieste promoveu avaliações em outras cidades da região, como Itapetininga, Laranjal Paulista, Porto Feliz, Sorocaba e Itu –, onde o volante Vítor Mateus Silva Martins, o Vitinho, foi mais um garoto tatuiano selecionado.

Os jovens pré-aprovados nas peneiras da região ficam, inicialmente, uma semana em Curitiba, nas dependências do Trieste, para novas avaliações. O período na capital paranaense é custeado pelo Trieste e pelo Flamengo.

Caso sejam selecionados, os atletas retornam para uma nova fase de avaliações em Curitiba. Porém, na segunda etapa, os treinamentos são realizados com os que já integram as categorias de base do Trieste.

Em março, o zagueiro Gonçalves, o lateral-direito Bigu e o lateral-esquerdo Baldini foram os três primeiros jogadores do município a irem ao Trieste. Gonçalves foi o único selecionado na etapa de avaliação. No entanto, devido à pandemia, a ida dele a Curitiba em definitivo só aconteceu em 30 de agosto.

Há 15 anos, o Trieste Futebol Clube realiza o processo de captações de jovens jogadores de futebol. De acordo com Stival, neste período, a equipe de base encaminhou mais de 200 atletas a diversos clubes do Brasil.

Ele afirma que o Trieste trabalhou por cinco anos diretamente ligado ao Club Athletico Paranaense. Porém, em 2018, o clube decidiu encerrar a parceria e o Flamengo contratou o Trieste no dia seguinte.

De acordo com Stival, são avaliados, em média, 2.000 atletas por ano, de todo o Brasil, além de jogadores do Uruguai e da Argentina. “Depois, fazemos algumas seleções e os melhores nós trazemos para cá e encaminhamos ao Flamengo”, apontou o diretor.

Em cerca de ano e meio de parceria (o Trieste permanece quase seis meses com as atividades suspensas, devido à pandemia), segundo Stival, cerca de 30 atletas foram encaminhados às categorias de base do Rubro-Negro carioca.

O Trieste é responsável por revelar: Luccas Claro, zagueiro do Fluminense; Zé Rafael, meio-campista do Palmeiras; Marcos Guilherme, atacante do Internacional; Léo Pereira, zagueiro do Flamengo; e Renan Lodi, lateral-esquerdo do Atlético de Madrid, da Espanha, e, atualmente, titular da seleção brasileira.