Notas policiais

400
  • Indivíduo quita fatura falsa e tem nome incluído no Serasa

Um rapaz de 24 anos, residente no bairro CDHU Orlando Lisboa de Almeida, caiu em golpe ao acreditar estar pagando a fatura do cartão de crédito dele. A vítima pagou um boleto falso e continuou com o débito em aberto. O caso foi informado na Delegacia Central na semana passada.

Conforme relatado, o rapaz possuía uma fatura do cartão de crédito atrasada, no valor de R$ 726. Na manhã do dia 30 de setembro, por volta das 11h, ele entrou no site do “Banco Pan” para efetuar o pagamento e acabou direcionado a uma conversa por WhatsApp.

Uma pessoa atendeu-o, como se fosse uma secretária eletrônica, e informou que o valor para quitação da fatura atrasada seria de R$ 748,46. Na sequência, a suposta atendente do banco enviou-lhe um boleto com o valor que informara.

Três dias após ter realizado o pagamento, o rapaz teria recebido uma notificação da instituição bancária alertando que, devido ao não pagamento da fatura do cartão, o nome dele estaria sendo incluído no Serasa.

De imediato, a vítima contatou o Banco Pan e, após explicar o ocorrido, foi informado de que havia efetuado o pagamento de um boleto falso e orientado a registrar a ocorrência.


  • Casa de cozinheiro é invadida e furtada 2 vezes em 30 dias

Um cozinheiro teve a residência dele, localizada na vila Juca Menezes, invadida e furtada na terça-feira da semana passada, 6. Essa foi a segunda vez que itens do imóvel foram levados em cerca de 30 dias.

Há cerca de um mês, o imóvel dele já havia sido invadido e objetos dele haviam sido furtados, no entanto, ele não registrou boletim de ocorrência.

Na semana passada, novamente a residência foi invadida, pelo muro dos fundos, e objetos que estavam no quintal foram levados. Somando as duas invasões, foram furtados: um extintor de incêndio grande, um cilindro para fazer pasteis, um compressor artesanal grande, um botijão de gás cheio e dois celulares Motorola.


  • Advogado é avisado de saque indevido em conta por SMS

Um advogado de 74 anos teve a conta bancária dele invadida para realização de um saque. Ele foi avisado da transação bancária indevida por uma mensagem de texto no celular. O caso aconteceu no início da tarde de quinta-feira, 7.

O advogado disse à PC que, por volta das 12h30, estava em uma agência do Banco do Brasil, pagando algumas contas. Às 12h35, ele teria recebido um SMS, do número “27300”, notificando que acabara de ser efetuado um saque, no valor de R$ 3.000, da conta dele.

Assim que recebeu a mensagem, a vítima teria ido à agência do Banco Santander e, ao retirar um extrato bancário, confirmou que realmente o valor havia sido sacado da conta. Ele apresentou o extrato e um comprovante de que estava em outra agência no registro do boletim de ocorrência para investigação do caso.


  • Autônomo paga R$ 10.500 por veículo a falso intermediário

Um autônomo de 23 anos acabou enganado ao tentar adquirir um veículo por meio de um “intermediário”. O estelionatário intermediou a negociação e ficou como dinheiro que seria pago ao proprietário do carro. Um boletim de ocorrência do crime foi registrado no plantão policial na semana passada.

De acordo com o documento, na tarde de terça-feira da semana passada, 5, o autônomo se interessou por um carro anunciado para venda no grupo “Classificados Tatuiano”, no Facebook.

Via WhatsApp, o suposto vendedor “Luís” informou que o carro estava em nome do “compadre” dele e, caso realmente tivesse interesse, lhe passaria o endereço.

O carro, segundo o boletim, estava anunciado por R$ 12 mil, mas, após negociações com Luís, ficou acordado que o autônomo pagaria R$ 10.500. Na sequência, o suposto vendedor sugeriu que o compadre levasse o veículo para o autônomo ver, ao invés de informar o endereço do dono do carro.

Conforme o BO, o carro foi levado até o autônomo que, após realizar levantamento e constatar que realmente estaria tudo em ordem, voltou a contatar Luís, confirmando que formalizaria a compra.

O autônomo disse à PC que, por estar com o “dinheiro na mão”, teve de realizar cinco depósitos, totalizando o valor acordado de R$ 10.500. Ele enviou fotos dos comprovantes de depósito ao WhatsApp de Luís, contudo, não foi mais respondido.

A vítima ainda falou à PC que, posteriormente, contatou o proprietário, mas foi informado de que Luís não havia realizado nenhum depósito na conta dele, para que pudesse liberar o veículo. Pouco depois, o autônomo percebeu que o estelionatário o bloqueara no WhatsApp e percebeu que havia caído em um golpe.