Notas policiais

11
  • Moradora do Sta. Emília tem casa furtada durante viagem

Uma operadora de caixa de 23 anos teve a residência dela, localizada no Jardim Santa Emília, invadida e furtada na madrugada de sábado da semana anterior, 4. O crime aconteceu enquanto a vítima estava viajando durante o feriado prolongado e o foi comunicado ao plantão policial na sexta-feira, 10.

Conforme relatado, a moradora deixou o imóvel, na quinta-feira, 3, para viajar ao Paraná, deixando as chaves para uma vizinha tomar conta e alimentar o cachorro. Por volta das 8h do dia seguinte, a vizinha ligou avisando que acabara de verificar que o portão da casa estava entreaberto, sem a corrente e o cadeado.

Ao entrar na residência, segundo relatado, a vizinha notou que a porta da sala havia sido retirada e o cachorro, dopado. A mulher teria escutado alguns barulhos durante a madrugada, por volta das 4h, porém, não imaginou que a casa da operadora estava sendo furtada.

A vítima disse à PC que foram subtraídos: uma mochila; um rádio; três pares de botas e cinco de tênis; três chapéus, duas blusas; 30 bijuterias; dois capacetes, um de R$ 1.300 e outro de R$ 600; uma parafusadeira, avaliada em R$ 300; uma lixadeira, de R$ 300; uma TV de 50 polegadas, de R$ 2.000; uma chave reserva de carro; e uma coleção com 15 moedas de R$ 1.


  • Vítima perde mais de R$ 300 em cartão com ‘aproximação’

Uma empregada doméstica de 34 anos, moradora da vila São Lázaro, teve prejuízo após perder um cartão bancário, na tarde de sexta-feira, 10. A pessoa que encontrou o cartão teria gastado mais de R$ 300 em menos de uma hora.

Segundo relatado, por volta das 13h, a empregada perdeu o cartão, o qual possui autorização para efetuar pagamentos por aproximação. Cerca de 45 minutos depois, a vítima acessou o aplicativo do banco e observou que estavam faltando R$ 311, “utilizados de forma indevida por outra pessoa”, segundo o boletim de ocorrência.


  • Falsa funcionária troca cartão de aposentado em agência

Um aposentado de 66 anos, residente no Jardim Santa Rita de Cássia, teve o cartão furtado dentro de uma agência bancária situada na área central, na segunda feira da semana passada, 6. Uma falsa atendente trocou o cartão da vítima e sacou mais de R$ 4.000.

De acordo com o boletim de ocorrência, às 10h, o aposentado estava na agência, utilizando um caixa eletrônico, quando uma mulher se aproximou, mostrando um crachá de identificação do banco, e ajudou-o a efetuar um saque de R$ 1.500.

Na manhã de segunda-feira, 13, segundo o boletim, ele retornou ao banco para realizar outro saque, entretanto, o cartão não foi aceito. Somente nesse momento o aposentado percebeu que estava com um cartão impresso com o nome de uma mulher.

Ainda de acordo com o documento, a vítima chamou uma funcionária da agência, a qual retirou um extrato bancário da conta. Por ele, o aposentado verificou que, na segunda-feira, 6, foram realizados outros dois saques, um no valor de R$ 500 e outro de R$ 3.530.


  • Ladrões rendem dois idosos e roubam mais de R$ 30 mil

Um casal de aposentados sofreu roubo, no final da tarde de sexta-feira, 10, na vila Doutor Laurindo. As vítimas foram rendidas por dois indivíduos, que levaram mais de R$ 30 mil. O crime foi informado na Delegacia Central somente na segunda-feira, 13.

Segundo relatado, às 18h15, o morador estava na residência quando escutou alguém chamá-lo pelo nome. Ao sair para atender, o aposentado se deparou com dois indivíduos desconhecidos, os quais empurram-no, derrubando-o no chão, assim que abriu o portão.

Um dos ladrões teria segurado o aposentado no chão, enquanto o outro invadiu a casa e rendeu a esposa dele, utilizando uma faca. Os criminosos teriam deixado o imóvel, cerca de 15 minutos depois, levando um cartão bancário, dois celulares e R$ 33,5 mil.


  • Falso delegado pede dinheiro para reduzir suposta sentença

Um jardineiro de 55 anos caiu em golpe ao tentar diminuir uma suposta sentença. Um estelionatário, fingindo ser delegado, pediu dinheiro para não o prender por trocar fotos íntimas com uma mulher que seria menor de idade. O caso ocorreu na semana anterior, mas só foi informado ao plantão policial na segunda-feira, 13.

Conforme o boletim de ocorrência, entre quarta-feira e quinta-feira, 8 e 9, o jardineiro começou a conversar com uma moça pelo Facebook. Eles trocaram fotos íntimas e chegaram a realizar uma chamada de vídeo, na qual a mulher exibiu somente o corpo, sem mostrar o rosto.

No dia seguinte, segundo o boletim, o jardineiro recebeu ligação de um sujeito afirmando ser delegado, alegando que a moça seria menor de idade e exigindo depósito de R$ 3.000 para não o prender. Posteriormente, o falso delegado pediu mais R$ 4.500 para diminuir a suposta “sentença”.

Ainda de acordo com o BO, o jardineiro ficou nervoso e preocupado, depois de o “delegado” afirmar que ele não poderia procurar nenhum advogado ou delegacia, pois acabaria preso. A vítima acabou não depositando o valor, após perceber que caíra em golpe.