Notas policiais

11
  • “Ladrão” invade moradia para furtar e deixa copo com uísque

Uma auxiliar de produção de 21 anos teve a casa invadida e furtada na madrugada de quinta-feira, 26, no bairro Vida Nova Pacaembu. A vítima esteve na Delegacia Central na tarde do crime para registrar boletim de ocorrência.

Conforme relatado, a mulher estava trabalhando e, quando voltou para casa, encontrou uma janela quebrada, objetos bagunçados e um copo, de origem desconhecida da vítima, com um resto de uísque.

A vítima informou ter sentido a falta de dois cartões bancários, um secador de cabelo, um aspirador de pó, um par de patins, uma televisão, um videogame, um grampeador de papel, um telefone celular, dez bonés e duas camisas.

À PC, a mulher informou não ter monitoramento no imóvel. Também não apontou suspeito ou testemunha do crime.


  • Jovem furta alcatra de R$ 183 e paga R$ 500 por fiança na PC

Um jovem de 23 anos, morador do Jardim Rosa Garcia, foi detido na manhã de quinta-feira, 26, acusado de furtar uma peça com mais de quatro quilos de carne bovina em um supermercado do bairro.

Segundo a PM, um funcionário do estabelecimento acionou a equipe militar informando sobre uma tentativa de furto na qual os seguranças do local haviam contido o furtador.

À PM, os seguranças informaram ter flagrado o jovem tentando sair do supermercado com uma peça de miolo de alcatra, dentro de uma mochila. A carne estaria etiquetada com o valor de R$ 183.

O acusado foi encaminhado à Central de Flagrantes da Delegacia Central, onde prestou depoimento e teria confessado o crime, alegando que levaria a carne para uma ex-companheira dele.

Segundo o boletim de ocorrência, “considerando o baixo valor do objeto”, a baixa renda do acusado e a ausência de antecedentes por crimes patrimoniais, a Polícia Civil estipulou, ao acusado, uma fiança de R$ 500 – valor pago, em seguida, pela mãe do jovem, que acabou liberado.


  • Jovem cai em golpe ao comprar moto em suposto leilão virtual

Uma moça de 22 anos caiu em golpe ao tentar comprar uma motocicleta por meio de um “leilão” na internet e teve prejuízo estimado em R$ 3.100. A vítima informou o crime à PC na tarde de terça-feira, 24.

Em boletim de ocorrência, a vítima informou ter tentado comprar a motocicleta por R$ 5.500, anunciada como produto de “leilão”, em uma rede social, no dia 15.

A declarante mencionou ter entrado em contato por um suposto telefone da empresa “Sodré Santoro Leilões” e conversado com um vendedor chamado Felipe Barbosa. Por mensagens, ela aceitou comprar a moto, com R$ 2.500 de entrada e o restante parcelado em boleto bancário.

Conforme o suposto vendedor, o veículo seria entregue na casa da compradora, após o depósito da entrada. A vítima disse que o pagamento foi realizado em conta bancária e, no dia 18, o homem ainda teria enviado uma mensagem de “parabéns” pela compra.

Em seguida, contudo, teria alegado que, para a liberação da moto, a vítima teria de entrar em contato com o representante de vendas “Luis Augusto”, que acabou exigindo o pagamento de uma “multa” de R$ 600 que estariam pendentes da moto, para que ela pudesse receber o veículo.

A vítima disse ter tentado contestar o pagamento no início, mas acabou cedendo e realizando o depósito. Segundo o boletim, após concluí-lo, a declarante entrou em contato com o representante e, mais uma vez, ele apresentou empecilho para a entrega, pedindo outro depósito, de R$ 400, para o pagamento de um guincho.

Após “exaustiva conversa”, a vítima resolveu buscar o veículo pessoalmente e conversar com o representante da empresa. Nesse momento, o “funcionário” teria sido muito educado e passou um endereço em Guarulhos.

No local, seguranças da empresa informaram à vítima que não “havia funcionários com os nomes que ela procurava” e a alertaram sobre a ocorrência de golpe. Os funcionários ainda afirmaram que operações comerciais do local são realizadas mediante cadastro e lances, diferentemente do caso da vítima.


  • Família é amarrada e ameaçada em roubo a residência na “CV”

Quatro pessoas, sendo três da mesma família e uma empregada doméstica, foram amarradas, ameaçadas e trancadas em um quarto durante roubo em uma residência na Colina Verde, na noite de segunda-feira, 23.

De acordo com a Guarda Civil Municipal, o proprietário da casa informou ter sido abordado, no portão da residência, por dois criminosos armados, no momento que chegava com a família.

A dupla teria rendido as vítimas e levado os quatro para um quarto da casa. Em seguida, reviraram o imóvel e pegaram roupas e eletrônicos. Os criminosos ainda teriam feito as vítimas colocarem tudo no carro da família.

Segundo o boletim de ocorrência, antes de fugirem, os criminosos obrigaram os membros da família a fazerem transferências de mais de R$ 6.600 por meio de “PIX”.

Depois de carregar o carro com os objetos roubados, os quatro foram amarrados às cadeiras do quarto, e os criminosos fugiram com o veículo da família. Ainda conforme o boletim, a família conseguiu se soltar e saiu na rua, pedindo ajuda a um vigia, que acionou a GCM.