Fatec faz simpósio focado em ‘inovação’ e exibe trabalhos

316
Publicidade





David Bonis

Cerimônia de abertura ocorreu com o coral da cidade ‘José dos Santos’

 

Quem ainda não compareceu ao “IX Simpósio de Ciência e Tecnologia”, da Fatec (Faculdade de Tecnologia) “Professor Wilson Roberto Ribeiro de Camargo”, ainda pode fazê-lo.

Desde a segunda-feira, 29, a unidade realiza a nona edição do evento, com palestras a partir do tema “Educação e Inovação Tecnológica”. Após o evento, a unidade será aberta à comunidade.

Publicidade

Para participar do simpósio, é preciso cadastrar-se por meio do site http://www.simposiofatec.com.br/. A realização do cadastro vai gerar um certificado após a participação no evento.

No dia da abertura, segunda-feira, às 19h30, o convidado palestrante foi o professor doutor João Frederico Meyer, pró-reitor de extensão em assuntos comunitários da Unicamp (Universidade de Campinas).

O foco da palestra foi “a educação e a inovação tecnológica sob a ótica da extensão universitária”. Ele falou após a cerimônia de abertura, na qual se apresentou o coral “José dos Santos”.

Todos os palestrantes são das áreas de educação e inovação tecnológica, ligados ao universo acadêmico e, também, ao mercado de trabalho. Eles apresentam óticas diferentes a respeito de um mesmo tema.

O objetivo do simpósio, que custou aproximadamente R$ 10 mil para ser organizado, é “quebrar conceitos”, como explica o vice-diretor da unidade, professor doutor Anderson Luiz de Souza.

“Dentro da Fatec-Tatuí, o simpósio tem alguns objetivos. O primeiro é quebrar esse paradigma de que o ensino tecnológico só tem a função de colocação no mercado de trabalho. Ele tem essa função, é claro. Mas a gente quer fazer com que o aluno que tem autonomia, que ele desenvolva projetos e consiga transformar de forma mais eficiente o mercado de trabalho. Ele não se acomoda no mercado. Ele transforma”, esclarece.

De acordo com o cronograma do evento, haverá mais quatro palestras nesta quarta-feira, 1o. A primeira começará por volta das 8h30, com o tema: “Parques Tecnológicos – Contexto Histórico e o Parque Tecnológico de Sorocaba”, cujo palestrante será o presidente da Inova Sorocaba (Agencia de Desenvolvimento e Inovação de Sorocaba), Agliberto do Socorro Chagas.

A segunda exposição, em seguida, será com o vice-diretor do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), Erly Domingues de Syllus, que vai discorrer sobre “a importância do tecnólogo no mercado inovador”.

Às 14h30, o professor mestre Luiz Fernando Coelho de Souza, Fundador da Universidade Solidária, palestrará sobre “o estudante e a extensão universitária”.

Mais tarde, a partir das 19h30, ocorrerão mais duas palestras. A primeira sobre o impacto da inovação tecnológica no agronegócio, como o professor doutor Luiz Antonio Daniel, especialista em solos e nutrição de plantas.

Em seguida, a palestra será sobre a tecnologia na agricultura de precisão, com o engenheiro agrônomo Tiago C. Oliveira.

Quem comparecer ao simpósio terá, também, a oportunidade de ver trabalhos realizados pelos alunos da Fatec, que já estão expostos nos corredores da unidade.

“Temos no simpósio, também, uma maneira de promover o trabalho dos alunos. É uma oportunidade de mostrar esses trabalhos para a comunidade”, disse o vice-diretor.

“Na verdade, o simpósio tinha uma característica de um evento interno, mas pensamos: ‘Fazemos trabalhos tão bons, têm coisas boas acontecendo aqui, mas não tem público, principalmente porque, antes, nós começamos a Fatec aqui com 80 alunos. Mas, hoje, temos 2.000”, acrescentou.

Somente em um dos espaços mais amplos do prédio, próximo à lanchonete, estão expostos 31 trabalhos de alunos de diferentes períodos.

Um deles é o da estudante Natália Ortega Tavares Santana, 24, do sexto semestre do curso de gestão empresarial. O tema da pesquisa dela aborda “a influência da comunicação na Bolsa de Valores”.

“Falamos sobre as informações que as empresas divulgam, as notícias de desempenho financeiro, incluindo a mídia e tudo o que acontece dentro dessas organizações que têm capital aberto”, antecipa Natália.

“A mídia vai passar para o público. Então, através da mídia, os investidores que têm um pouco menos de conhecimento técnico vão ficar sabendo o que está acontecendo, influenciando essas pessoas até em como investir na bolsa”, explica Natália, que começou o trabalho no início deste ano.

Os trabalhos expostos têm temas diversos. Há pesquisas mais teóricas, como a de Natália, e há estudos mais práticos, como um projeto para desenvolver um aplicativo para celular que ajude alunos a adequarem trabalhos acadêmicos seguindo as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas e Técnicas).

Outro em exposição é um projeto para construção de um robô que repõe material e, ao mesmo tempo, controla a quantidade de produtos em estoque.

Comparecer ao evento será oportunidade de ver esses trabalhos, as palestras e, também, de acompanhar a exposição “Paisagens Rurais e Urbanas da Terra do Chão Vermelho”, do artista tatuiano Mingo Jacob.

A mostra, realizada pela Amart (Associação dos Artistas Plásticos de Tatuí), está nos corredores da unidade, onde permanece até o dia 24 de outubro.

Após o circuito de palestras, que se encerra nesta quarta-feira, ocorrerá a “Fatec Aberta”, na quinta-feira, 2. Nesse dia, a unidade será aberta à comunidade, que poderá conhecer a estrutura externa da faculdade, ver os projetos e a exposição de Jacob.

A administração da Fatec estima que cerca de 2.000 estudantes das escolas públicas locais comparecerão à unidade. Serão 1.300 alunos na parte da manhã, 250 à tarde e 320 à noite.

Esses alunos serão levados à Fatec por meio de parceria com a Secretaria Municipal da Educação, Cultura e Turismo, responsável por ceder os ônibus para transporte à faculdade de tecnologia.

Quem quiser comparecer à “Fatec Aberta”, a administração da unidade recomenda o horário noturno.

A ideia de aproximar os alunos das escolas públicas por meio de evento no mês de outubro é estratégica. O objetivo é aproximar esses estudantes no período de pré-abertura do vestibular da Fatec, para “mudar uma realidade local”, segundo o vice-diretor.

Para se ter ideia, 7.600 pessoas prestaram vestibular da Fatec desde 2010. Desse total, somente 50% residem em Tatuí. Além disso, apenas 5% têm menos de 19 anos.

“Isso quer dizer que o pessoal está terminando o ensino médio e não está dando sequência aos estudos. Está indo direto para o mercado. São pessoas já inseridas no mercado, mas que precisam voltar a estudar para melhorar seu posicionamento”.

“É importantíssimo fazer isso, mas queremos, também, que as pessoas vejam que não é preciso ficar parado, sem dar continuidade à formação. E como fazemos isso? Trazendo para a escola”, explica Souza.


Publicidade