Curva de contaminação da Covid-19 tem queda pela 6ª semana seguida

Índice de mortes pela doença apresenta redução de 50% em sete dias

11
Publicidade
Da redação

O balanço semanal da Covid-19 em Tatuí apresentou nova queda, desta vez entre o sábado passado, 10, e esta sexta-feira, 16. O índice de infecções caiu mais de 30%, enquanto as mortes caíram pela metade na comparação com o período anterior, de 3 a 9 de julho.

De acordo com levantamento feito com base nos boletins diários da Vigilância Epidemiológica, nos sete dias mais recentes, a doença vitimou seis moradores, enquanto, na semana anterior, 12 pessoas faleceram em decorrência da doença – o que representa queda de 50%.

O índice atual de seis óbitos é 82,35% menor se comparado ao número de mortes registrado na semana de pico (de 3 a 9 de abril), quando Tatuí notificou 34 falecimentos em decorrência da doença.

Até sexta-feira da semana passada, 9, a cidade contabilizava 424 mortes causadas pelo novo coronavírus, acometendo 182 mulheres (126 na faixa acima dos 60 anos e 56 entre 29 e 59 anos) e 242 homens (com 161 vítimas acima dos 60 anos e 81 entre 29 e 59 anos).

Em boletim publicado no domingo, a VE informou dois novos óbitos, referentes a uma mulher de 57 anos e um homem de 53. Os pacientes estavam internados na unidade de terapia intensiva da Santa Casa.

Publicidade

Não houve notificações de morte por Covid-19 na segunda-feira, 12, e na terça-feira, 13. Já na quarta-feira, 14, a VE notificou a morte de três homens, sendo dois falecidos na terça-feira, 13: um de 48, na UTI do hospital particular, e um de 56, na UTI da Santa Casa; e outro de 53, no Hospital das Clínicas de Botucatu, dia 7 de julho.

O óbito mais recente foi divulgado na manhã de quinta-feira, 15, referente à mulher de 63 anos. A vítima estava internada na unidade de terapia intensiva da Santa Casa, onde falecera na quarta-feira, 14.

Com isso, até sexta-feira, 16, Tatuí havia alcançado a marca de 430 mortes em decorrência da doença, sendo 184 mulheres (127 na faixa acima dos 60 anos e 57 entre 29 e 59 anos) e 246 homens (com 161 vítimas acima dos 60 anos e 127 entre 29 e 59 anos).

Os números representam taxa de 2,47% de letalidade – índice calculado pelo número de óbitos em comparação à quantidade total de casos confirmados de infecção.

Paralelamente, o balanço semanal de contaminações, entre os dias 10 e 16 deste mês, apresentou queda pela sexta semana consecutiva, com 246 exames positivos da doença nos sete dias recentes.

Entre 3 e 9 de julho, o órgão municipal notificara 380 moradores contaminados pela doença – o que representa redução de 35,26% no período. Em comparativo ao pico de infecções (29 de maio a 4 de junho), quando a VE registrou 979 casos, a queda é de 74,87%.

A média de diagnósticos da doença, entre sábado e esta sexta-feira, foi de 35,1 moradores infectados por dia, o equivalente a 1,4 exame positivo por hora. Durante o período, a cidade registrou 1.456 novas notificações da doença, confirmou 246 e descartou 1.206.

Somente nos últimos três dias (entre quarta-feira e sexta-feira), o município recebeu 1.788 novas notificações de Covid-19, das quais 180 foram confirmadas (com nove falecimentos) e 1.411, descartadas.

No balanço anterior de O Progresso, com dados até terça-feira, 13, Tatuí havia acumulado 65.768 notificações, sendo 11 casos suspeitos ainda aguardando resultado de exames, 48.444 descartados e 17.313 positivos.

Conforme o boletim epidemiológico mais recente, atualizado na manhã desta sexta-feira, a cidade contabilizava 66.520 notificações da doença, sendo 19 casos suspeitos aguardando resultado dos testes, 49.067 descartados e 17.434 positivos.

Dos confirmados, 16.847 pacientes já estavam recuperados (96,6%), 430 morreram e 157 ainda estavam em tratamento: 38 em hospitais e 119 em tratamento domiciliar. Dos casos suspeitos, 19 seguiam em tratamento: cinco em hospitais e 14 em casa.

No final de semana anterior, devido ao fechamento da edição ter ocorrido no dia 8 de julho (em virtude do feriado estadual pela Revolução Constitucionalista de 1932, celebrado na sexta-feira, 9), o levantamento de O Progresso considerou um período de seis dias, entre sábado, 3, e quinta-feira, 8.

No período, o município contabilizou 323 exames positivos e nove óbitos. Contudo, o atual levantamento é feito com base nos boletins diários disponibilizados entre os dias 10 e 16, voltando a considerar as notificações ocorridas entre sábado e sexta-feira.

Ocupação de leitos e UTI

Nesta sexta-feira, 16, conforme o boletim epidemiológico, a ocupação dos leitos clínicos e de UTIs reservados para o tratamento de pacientes com suspeita ou positivos para a Covid-19 mantinha-se abaixo do limite máximo.

O órgão municipal indica que a Santa Casa tem capacidade para 15 leitos de UTI, no entanto, devido à ampliação, estavam internados 12 pacientes, com taxa de ocupação de 80%.

A VE ainda informou que os leitos clínicos para tratamento de Covid-19 no hospital público comportam 22 pacientes. Porém, em virtude da ampliação de leitos, estavam internados 21 pacientes, culminando em taxa de ocupação de 95%.

Pelo painel de monitoramento de leitos da Secretaria da Saúde, a ocupação da UTI na Santa Casa operou acima do limite por cinco meses seguidos e voltou a ficar abaixo dos 100% na manhã de sexta-feira da semana passada, 9. Nesse dia, eram dez pacientes internados, correspondendo a 66% da capacidade do local.

No sábado, 10, a taxa subiu para 73%, com 11 internações. Já de domingo, 11, até a manhã desta sexta-feira, 16, a taxa de ocupação do espaço permanecia em 80%, com 12 pacientes na UTI.

De acordo com a Secretaria de Saúde, o índice foi alcançado tanto pela ampliação do número de leitos disponíveis quanto pela gradual redução do número de internados. A primeira vez que a UTI da Santa Casa atingiu o limite foi no dia 3 de março.

Na ocasião, o hospital público tinha 16 leitos de UTI ocupados. O máximo de ocupação aconteceu no dia 31 de março, quando 270% dos leitos estavam ocupados – eram 27 pacientes para 15 vagas.

Na ala de leitos clínicos da Santa Casa, a ocupação voltou a ficar abaixo dos 100% na quarta-feira da semana passada, 7, e na quinta-feira, 8, com 21 pacientes internados. Desde o dia 6 de maio, até então, o serviço mantinha-se em superlotação, passando de 200% em alguns períodos.

Conforme a Vigilância Epidemiológica, no dia 9, a ala voltou a registrar superlotação, com 23 leitos ocupados (105%). Contudo, no dia seguinte, a taxa baixou novamente, chegando a 90%, com 20 internados.

Nos dias 11 e 12, a ocupação dos leitos clínicos manteve-se em 81%; na terça-feira, 13, subiu para 90; na quarta-feira, 14, ficou com 68%; na quinta-feira, 15, com 86%; e estava em 95% nesta sexta, conforme o relatório mais recente publicado pela VE.

No hospital particular, seguiam internados dez pacientes, sendo três na unidade de terapia intensiva, com quadros que necessitavam de cuidados, e sete na área de leitos clínicos, com quadros estáveis de saúde.

Publicidade