Tatuí tem 242 seções eleitorais distribuídas em 30 instituições

1443
Publicidade
Da redação

Neste domingo, 15, data na qual há votação para os Poderes Legislativo e Executivo, a cidade terá 30 unidades escolares abertas para receber os 90.608 eleitores aptos a votar em 242 seções eleitorais.

Levantamento feito com base nos dados da Justiça Eleitoral mostra aumento de 9,5% no número de seções e de 8,42% no eleitorado em relação às eleições municipais de 2016, quando foram usadas 221 urnas para 83.564 votantes em 29 locais.

Neste ano, a Etim (Escola de Tempo Integral) “Barão de Suruí” é o colégio com maior número de seções: são 20 salas de aula para votação. Em seguida, vem a Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) “Eugênio Santos”, no centro, com 15 espaços.

As escolas estaduais “Professora Lienette Avalone Ribeiro”, da vila Dr. Laurindo; “Professor Fernando Guedes de Moraes”, Jardim Lucila; “Chico Pereira”, centro; e a Emef “Professora Magaly Azambuja de Toledo”, no Jardim Santa Rita de Cássia, possuem 13 seções eleitorais cada.

Na sequência, vêm a Etec “Salles Gomes”, no centro, com 12 seções, e as escolas: Emef “Professora Maria Conceição Oliveira Marcondes”, no Valinho, e EE “Professor Ary de Almeida Sinisgalli”, na vila Esperança, com 11 urnas em cada.

Publicidade

Com dez seções de votação em cada, entram na lista as unidades: Emef “João Florêncio”, centro; Nebam (Núcleo de Educação Básica Municipal) “Ayrton Senna da Silva”, vila Primavera; “Professora Altina Maynardes Araújo”, Boqueirão; Emef “Professor José Tomas Borges”, Jardim Santa Cruz; e EE “Professor José Celso de Mello”, CDHU.

Em seguida, aparecem as unidades escolares: EE “Professora Ligia Vieira de Camargo Del Fiol”, vila Angélica; EE “Professor Deócles Vieira de Camargo”, centro; e Emef “Professora Maria Eli da Silva Camargo”, Jardim Rosa Garcia, com nove cabines de votação.

Outras duas escolas entram na listagem da Justiça Eleitoral com oito seções em cada unidade: EE “Professora Semíramis Turelli Azevedo”, no Jardim Tókio; e Emef “Professora Teresinha Vieira de Camargo Barros”, no Jardim Manoel de Abreu.

Na sequência, vêm a Emef “Professor Accácio Vieira de Camargo”, na vila São Cristóvão, e a Emef “José Galvão Sobrinho”, no Jardim Tókio, com cinco seções eleitorais em cada.

Os Cepens (Centro de Educação Pré-Escolar Municipal) “Professora Benedicta Pereira Fiuza Orsi”, no centro; e “Professora Lala Del Fiol”, no Santa Cruz, contam com três urnas eleitorais em cada.

Os estabelecimentos públicos com menor número de urnas são: Emef “Bairro da Americana” (2); “Professora Cacilda Sá de Oliveira”, no bairro dos Mirandas (2); “Professora Elide Vanni”, no Congonhal (2); Emei “Professora Maria Cristina Ferrão Vieira Martins”, no Jardim Gonzaga (2); Complexo Educacional “Professora Maria Aparecida Camargo Voss”, no Jardim Lírio (2); Emef “Bairro dos Oliveiras” (1);  e a Emef “Professor Paulinho Ribeiro”, no Tanquinho (1).

Conforme o TRE (Tribunal Regional Eleitoral), o eleitor que teve o título cancelado não pode votar este ano. O prazo para o cidadão regularizar o título de eleitor terminou no dia 6 de maio. Como se trata de ano de eleições, após essa data, o cadastro eleitoral é fechado para a preparação do pleito.

A exceção é para os eleitores que tiveram o título cancelado por não terem feito o cadastramento da biometria em 2019 nos 479 municípios onde ele foi obrigatório. Neste caso, o eleitor pode votar normalmente neste ano.

Porém, depois das eleições, deve regularizar a situação. A reabertura do cadastro está prevista para o dia 9 de dezembro. A partir dessa data, o eleitor com título cancelado pode buscar os serviços da Justiça Eleitoral para regularizar o cadastro.

O cidadão pode consultar a situação eleitoral acessando o site do TRE ou baixando o aplicativo e-Título, que é a versão digital do título de eleitor. A ferramenta permite que o eleitor tenha acesso a dados como a zona eleitoral em que está inscrito e a seção onde vota, além de consultar se o título está regular ou cancelado.

Publicidade