Projeto bate novo recorde e fixa a ‘universalização’ para agosto

289
Publicidade





Cristiano Mota

Cestas são distribuídas com base em recomendação nutricional

 

Um mês após anunciar uma marca inédita – 47.269 quilos de frutas, verduras e legumes –, o Banco de Alimentos “Zacharias Nunes Rolim” divulgou novo recorde. O projeto, que ganhou prédio próprio em Tatuí em 2011, fechou o mês de maio com 59 mil quilos de alimentos coletados e distribuídos.

Com esses números, o banco atende 28 entidades do município e 330 famílias carentes. Outras 70 aguardam em “fila de espera” para receber cestas básicas semanalmente.

Publicidade

No entanto, os planos do projeto são de atender às famílias que ainda faltam até o final de agosto, a partir da vinda de uma nova Kombi e de mais quatro funcionários.

Segundo o coordenador, os alimentos são recebidos pelo projeto de “duas maneiras”. Uma parte é obtida por meio de doação do comércio varejista (supermercados, casas de hortifrutigranjeiros, feirantes, entre outros); a outra, de pequenos produtores, pelo PAA (Programa de Aquisição de Alimentos).

Neto explicou que o comércio entrega, para o banco, os alimentos que são bons para consumo, mas impróprios para venda. “Um mamão que tem uma mancha, uma maçã com um amassadinho. Nós recebemos frutas e verduras e, depois de uma triagem e higienização, eles são doados para os assistidos”, disse.

A via do PAA é composta por cooperativas formadas por pequenos produtores. Essas entidades fazem convênio com o Banco de Alimentos, recebendo do governo federal. Tatuí mantém convênio com quatro cooperativas: de Tatuí, Itapetininga, Capela do Alto e Campina do Monte Alegre.

“Isso gera renda para os pequenos produtores, que têm compra garantida”, disse Neto. Conforme ele, o governo federal repassa, por meio do Fome Zero, valor de até R$ 8.200 por ano, por agricultor, para garantir a produção dos bancos de alimentos. “E nós revertemos isso em ajuda”, afirmou.

Em Tatuí, o projeto tem como “carro-chefe” os hortifrutigranjeiros (alfaces, rúculas, couve e frutas). No entanto, o banco recebe outros alimentos, como arroz, feijão, sal e açúcar. As frutas e alguns legumes são processados e transformando-se em compotas, distribuídas tanto para as entidades como para famílias.

As primeiras são selecionadas com base em documentações. As instituições assistidas precisam ter CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) e cadastro na Prefeitura. As exigências ajudam a coordenação do Banco de Alimentos a verificar quais os tipos de alimentos que as entidades precisam.

Já as famílias são definidas por meio de visitas de assistentes sociais. Os profissionais realizam cadastro e analisam a situação de vulnerabilidade. Depois, definem quem precisa e quem não precisa receber alimentos.

As entregas são feitas semanalmente, com as entidades retirando no prédio do projeto. “Já as famílias recebem dos dois jeitos. Algumas vêm retirar aqui e outras recebem em casa, por uma parceria que temos com o Cras (Centro de Referência de Assistência Social), do Santa Rita de Cássia”, relatou Neto.

Para os próximos meses, o coordenador projeta aumento na capacidade de recebimento dos alimentos. Para que isso aconteça, formou uma “rede de contatos” com outros coordenadores de bancos de cidades da região e solicitou “reforço” na equipe de funcionários.

O Banco de Alimentos ga-nhará, também, uma nova Kombi, para auxiliar na retirada e entrega dos alimentos. A meta é poder atender às 70 famílias que estão na fila de espera, de modo a “universalizar” o atendimento local.

Além dos 18 funcionários, o projeto conta com um voluntário e prestadores de serviços. São pessoas enviadas pela Justiça, por conta da CPMA (Central de Penas e Medidas Alternativas), para cumprimento de serviços comunitários.

São 12 prestadores de serviços que se revezam nas tarefas. “Nós os colocamos nos setores que estão mais apurados. Isso, de acordo com o dia”, disse Neto.

A equipe conta com dois veículos, sendo uma Kombi e um caminhão. Em breve, receberá mais um. Eles são usados durante toda a semana, uma vez que os alimentos chegam ao banco de segunda a quinta.

O prédio revitalizado possui sala de administração, setor de triagem, de higienização, cozinha industrial para processamento de doces e molhos, setor de recebimento, estoque seco e câmara fria – para estocagem de perecíveis.

Também há espaço para montagem das cestas básicas distribuídas pelo projeto. Os itens são, praticamente, os mesmos para as famílias, variando em quantidade e tipo, de acordo com recomendações feitas por nutricionistas.

O coordenador do Banco de Alimentos destacou que cada cesta atende especificamente à necessidade de uma família.

“Dependendo da quantidade de pessoas, as porções são maiores. A montagem também leva em consideração se há pessoas com diabetes. Nesses casos, elas não recebem doces”, contou.

Por conta desses cuidados, Neto afirmou que o Banco de Alimentos tem duas principais características: gera renda para os pequenos produtores e possibilita equilíbrio nutricional às pessoas de baixa renda. “Os itens são dosados conforme as necessidades, se há desnutrição ou sobrepeso”, argumentou.

Grande família

A auxiliar de serviços gerais Sara de Campos Medeiros inte-gra o Banco de Alimentos há três anos. Responsável pela recepção e pesagem dos alimentos enviados pelos pequenos produtores, ela diz que o projeto representa uma “grande família”.

Sara anota e dá “baixa” nas mercadorias, realizando uma “medição do que entra e do que sai”. “Tudo tem de ser na mesma quantidade”, disse ela, que considera como maior pagamento o agradecimento dos assistidos.

“É muito gratificante. A ajuda para as famílias representa muito. Os funcionários se envolvem em tudo, e somos, praticamente, uma família”, concluiu.


Publicidade