Projeto ‘ARborizAR’ começa nova etapa com chegada da primavera

219
Mais de 60 prédios públicos receberão árvores de diversas espécies (foto: divulgação)
Publicidade
Da reportagem

O projeto “ARborizAR” inicia mais uma etapa, neste mês de setembro, com a chegada do período da primavera. A iniciativa visa incentivar o plantio de árvores e dobrar a área de arborização do município.

De acordo com a supervisora do setor de Educação Ambiental, Karina Camargo de Souza, a ação foi criada visando aos benefícios proporcionados pelas árvores, como a melhoria da qualidade do ar, importante para pessoas com problemas respiratórios, “especialmente neste momento de pandemia”.

“As árvores refrescam o ambiente, são abrigos para animais, protegem o asfalto, eliminam as ondas de calor, deixam o ambiente mais fresco e trazem outros inúmeros benefícios, mas, para este projeto, em específico, pensamos na melhoria da qualidade do ar”, explicou Karina.

Segundo ela, a pandemia de Covid-19 motivou a ação – lançada no Dia Mundial do Meio Ambiente (celebrado em 5 de junho). Ela contou que o projeto surgira durante pesquisas do setor na época de crescimento dos casos confirmados do novo coronavírus.

“As pessoas passaram a apresentar sérios problemas respiratórios. Aí, nós começamos a pesquisar sobre o tanto de benefícios que um lugar arborizado pode trazer para a respiração das pessoas e tivemos a ideia de aumentar a arborização da cidade”, afirmou Karina.

Publicidade

A intenção do projeto é dobrar a cobertura vegetal do município, atingindo 30% da área urbana. Segundo levantamento da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, atualmente, 15,10% desta área estão arborizados.

“Por isso, ele se escreve ‘ARborizAR’, para dar ênfase no ar, tanto no início quanto no final da palavra. A cidade arborizada trará muitos benefícios para quem tem problemas como asma, bronquite, pneumonia e outros respiratórios. A poluição agrava estes problemas e as árvores são as grandes responsáveis pela limpeza do ar”, completou.

Para tanto, serão plantadas mudas em espaços e prédios públicos com calçadas iguais ou maiores que dois metros de largura. Assim, a árvore terá um canteiro com espaçamento ideal e a calçada arborizada desempenhará a responsabilidade com as questões ambientais e de acessibilidade.

“Nós vimos vários prédios com pouca ou nenhuma arborização e, por isso, decidimos iniciar por eles. Contudo, este é só o pontapé inicial. Temos metas audaciosas e, em uma nova etapa, pretendemos estender a cobertura vegetal para outras áreas”, ressaltou a supervisora.

Nos últimos quatro meses, depois do lançamento, o setor de Educação Ambiental realizou levantamento de todos os prédios com capacidade e estrutura dentro dos requisitos para abrigar as árvores.

Conforme Karina, a lista de espaços que atendem às exigências conta com, aproximadamente, 60 prédios e áreas de lazer. Nestes locais, a previsão do setor é plantar, em média, cem mudas de diversas espécies, próprias à arborização urbana.

A estimativa inclui as primeiras árvores plantadas no lançamento do projeto. Para marcar a data, em junho, a prefeita Maria José Vieira de Camargo realizou o plantio de uma árvore de oiti, em frente ao paço municipal, e de um ipê-rosa, em uma área de lazer no Jardim Rosa Garcia II.

Nesta segunda-feira, 14, o setor iniciou a fase de visita em campo para entrar em contato com os responsáveis pelos espaços selecionados e eleger uma espécie de “padrinho” para as mudas a serem plantadas.

“Essa pessoa ficará encarregada pelo cuidado com as mudas. Se caso acontecer algum tipo de vandalismo ou se a planta secar e precisar ser replantada, o padrinho deve entrar em contato com o setor de Educação Ambiental, para tomarmos as providências”, explicou Karina.

A etapa de visita nos locais deve ser finalizada nos próximos dias. Já o plantio vai acompanhar a nova estação. A supervisora apontou ter esperado a primavera – que vai de 22 de setembro a 22 de dezembro – por ser considerado o melhor período para o plantio.

“A primavera ajuda as árvores a se desenvolverem, exige menos cuidados e as regas são mais espaçadas, por conta do período chuvoso. Enfim, é um bom período”, argumentou a supervisora.

O plantio deve ser realizado pelo setor de Educação Ambiental, da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente, em parceria com os “padrinhos” dos prédios públicos selecionados.

Publicidade