Procura por programas assistenciais tem aumento recorde na pandemia

278
Parte da arrecadação do projeto das cestas básicas por meio do Fusstat (foto: arquivo O Progresso)
Publicidade
Da reportagem

A procura pelos programas de assistência social explodiu em Tatuí durante a pandemia do novo coronavírus. Entre abril e setembro – época de isolamento social e outras medidas de combate à Covid-19 -, a distribuição de cestas básicas foi quase 20 vezes maior que nos 12 meses do ano passado.

Levantamento informal, realizado pela Secretaria Municipal de Trabalho e Desenvolvimento Social a pedido de O Progresso, mostra salto de 396, em 2019, para 6.948 cestas básicas distribuídas neste ano (aumento de 6.552).

Os números são de atendimentos feitos por toda a rede socioassistencial, incluindo os quatro Cras (Centros de Referência de Assistência Social): Norte, no Jardim Gonzaga; Sul, no Jardim Santa Rita de Cássia; Leste, na vila Dr. Laurindo; e central, na vila Santa Helena.

Conforme Alessandro Bosso, secretário do Trabalho e Desenvolvimento Social, a maior procura por cestas básicas foi de famílias enfrentando dificuldades financeiras. Só em abril, as unidades do Cras receberam 1.530 solicitações de cestas.

O secretário apontou que, durante a pandemia, houve mudança no perfil de público atendido. Segundo ele, surgiram novos cadastros de famílias antes nunca incluídas nos sistemas de auxílio social.

Publicidade

“É um público que a gente não atendia e passamos a atender. Mesmo com o auxílio emergencial, instituído pelo governo, muitas famílias precisaram da cesta. O valor repassado pelo governo federal, em alguns casos, não foi suficiente para os gastos com água, luz e aluguel”, argumentou o secretário.

Como exemplo de público novo, o secretário apontou os motoristas de vans e ônibus utilizados para o transporte escolar. Com as aulas suspensas, muitos precisaram recorrer ao auxílio social para se sustentar durante a pandemia.

“Como as escolas estão fechadas desde março, eles estão todos parados e procurando bicos para sobreviver. Ninguém quer pagar o transporte sem estar utilizando, então também passamos a atender este público”, justificou o secretário.

A demanda foi tão grande que levou o Fusstat (Fundo Social de Solidariedade), em parceria com a prefeitura e a STDS, a lançar a campanha “Unidos pela Solidariedade – #EuEscolhoAjudar”.

Conforme a prefeitura, a iniciativa foi criada por solicitação da prefeita Maria José Vieira de Camargo. A ação é inspirada no modelo dos projetos “Abrace a Santa Casa” e “Abrace Tatuí” e visa a apoiar as famílias tatuianas afetadas economicamente pela pandemia do novo coronavírus.

O secretário Bosso apontou que a ação surgiu pela necessidade de enfrentamento à pandemia. Segundo ele, a pasta já acompanha as famílias em vulnerabilidade e risco pessoal, no entanto, nos últimos meses, passou a receber pedidos de outro público.

“Com a necessidade do isolamento social, muitas pessoas e, principalmente, os chefes de famílias ficaram sem condições de sustentabilidade e a procura por alimentos aumentou. Todas as solicitações estão sendo registradas para análise técnica e aqueles que realmente precisarem vão receber as cestas”, explicou o secretário.

Somente por meio da iniciativa, entre abril e junho, foram entregues 2.377 cestas básicas. Outras 4.571 foram liberadas nos meses de julho (2.371) e setembro (2.200), pelo programa estadual “Alimento Solidário”.

As cestas recebidas por meio do governo foram distribuídas às famílias cadastradas, até o mês de março, no CadÚnico (cadastro federal oficial para inclusão em programas de assistência social e transferências de renda), com renda de até R$ 89 per capita mensal.

Até novembro deste ano, a secretaria deve atingir quase 8.000 cestas básicas distribuídas. Bosso apontou ter adquirido outras 900 cestas, por meio da portaria 369/2020, editada pelo Ministério da Cidadania.

A medida dispõe de recursos financeiros emergenciais para a execução de ações socioassistenciais e estruturação da rede do Suas (Sistema Único de Assistência Social), no âmbito dos estados, Distrito Federal e municípios, devido à situação da emergência em saúde pública.

“O governo federal fez uma avaliação no CadÚnico do município e identificou alguns pontos, como o número de moradores de rua, entidades de acolhimento, e liberou um recurso ao município para a compra de cestas básicas”, explicou o secretário.

A secretaria estima ter atingido mais de 5.000 famílias com a entrega de cestas básicas durante os meses de janeiro a setembro. Das cestas, 300 foram distribuídas em setembro e outras 600 serão entregues em outubro e novembro, sendo 300 por mês.

“Nos últimos meses, percebemos que a situação financeira das famílias está melhorando, então reduzimos a distribuição. Muitos foram recontratados, conseguiram se reestabelecer e não estão mais recebendo a cesta básica”, declarou Bosso.

Para solicitar a inclusão nos programas sociais, o morador deve entrar em contato com o Cras da região em que mora. A cidade conta com quatro unidades, localizadas na região leste, norte, sul e central.

O Cras Leste fica na rua Prefeito Alberto dos Santos, 285, vila Dr. Laurindo, o qual atende pelo 3305-1841. A unidade é referência para os bairros: Água Branca, Americana, Astória, Boa Vista, Bosque do Junqueira, CDHU, Cecap, Chácara Junqueira, Colina das Estrelas, Congonhal, Dr. Laurindo e Guaxingu.

O centro também atende aos Jardins: América, Bela Vista, das Garças, Perdizes, Europa, Lírio, Manoel de Abreu, Palmira, Paulista, Planalto, São Paulo, Tatuí, Ternura, Tóquio e Wanderley. E os loteamentos: Atlanta, Nelson Fiuza, Mirandas, Morro Grande e Nova Tatuí.

Além dos Parques: Industrial, Lincoln, Marajoara, Santa Maria e Três Marias. E, ainda, Quadrinha, Alvorada, Europark, Santa Luzia, Santuário, São Conrado, Sena Ville e Souza, além das vilas Bandeirantes, Bela Vista, Brasil, Esperança, Jurema, Minghini, Monte Verde, Nova Esperança, Santa Adélia, Santa Rosa, São Cristóvão, São Manoel, São Paulo e Village.

A unidade da região norte fica na rua João Saulo dos Reis, 90, no Jardim Gonzaga, e atende pelo telefone 3259-2731. Os referenciados são: bairro dos Fragas, Caguaçú, centro empresarial, Guarapó, Guardinha, Jardim Aeroporto, Jardim Gonzaga, Jardim Helena, Jardim Juliana, Jardins de Tatuí, Lagoa Vermelha, Nova Esperança, Portal de Tatuí, Residencial Ecopark, Rio das Pedras e vila Angélica.

No sul da cidade, o Cras fica na rua Osmil Martins, 305, Jardim Santa Rita de Cássia. O telefone é o 3251-2442, e os bairros referenciados: Jardim Gramado, Jardim Santa Rita de Cássia, Novo Horizonte, Pacaembu, Palanque, Queimador, Tanquinho e Vida Nova.

Já o Cras central fica na rua Ana Rosa Monteiro, 47, vila Santa Helena, no CEU das Artes, e atende pelo 3251-4773.

Publicidade