Peça ‘Era uma Vez um Pangaré’ tem exibições por meio de rede social

Espetáculo foi um dos selecionados pelo Proac Expresso LAB, de São Paulo

226
Cena da peça, que passou a ser transmitida pela internet (foto: Cia. Exodus Art's)
Da redação

Dias 16, 17 e 18, 23, 24 e 25, às 15h,acontece a apresentação virtual da peça “Era uma Vez um Pangaré”, da Cia. Exodus Art’s. O espetáculo foi um dos selecionados pelo Proac Expresso LAB, do estado de São Paulo.

O texto, escrito por Beatriz Prado e Bruno Dugois, é uma nova versão daquela apresentada em 2018.“Uma história totalmente nova”, antecipam. “Vitória é uma menina do interior que ama sua família, sua escola e, principalmente, seu amigo Pangaré”, contam.

Com a falta de chuva, as plantações do pai dela dão muito prejuízo e a família “se afunda em dívidas”, tendo de vender as criações. Sabendo que o amigo Pangaré também poderia ser vendido, Vitória fica sabendo de um show de talentos que acontecerá na região central da cidadezinha onde mora.

Então, decide se apresentar com o cavalo, “mostrando para todos tudo o que aprendeu artisticamente em família”.

O elenco fica por conta dos atores:

Beatriz Prado(Vitória), Bruno Dugois (Pangaré e Seu Fifi), Carol Crepaldi(Maria  e Dançarina), Cláudio Teles(Severo e Apresentador), Patrick Cardoso(Palhaço e Gigante), Thainá Cardoso (Palhaço e Ambulante); a música é de Giovani Boss e Guilherme Crepaldi.

O espetáculo será transmitido pelas redes sociais do grupo: @ciaexodusarts.

A Cia. Exodus Art’s foi fundada no dia 12 de outubro de 2013, por alunos do Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”, de Tatuí, que estudavam no primeiro ano do curso de artes cênicas adulto.

Em janeiro de 2014, a Cia. deu início às atividades. Inscreveu-se para participar do Projeto Ademar Guerra, com o objetivo de buscar apoio artístico que pudesse orientar o grupo no início de vida e de trabalho.

Realizaram, então, o espetáculo “Rasga Coração”, de Oduvaldo Vianna Filho. No ano seguinte, montaram a peça “Bestialógicos Humanos”, baseado no texto “A História É uma Istória”, de Millôr Fernandes.

Montaram também o espetáculo “Anexins”, em 2017, “Era uma Vez um Pangaré”, em 2018, e “Acima de Qualquer Suspeita”, em 2019.

Além dos espetáculos, o grupo conta com a intervenção “Trocamos Abraços porHistórias”, e alguns trabalhos em parceria com o Museu “Paulo Setúbal”, de Tatuí.

Atualmente, o grupo foi contemplado pela Lei Aldir Blanc, pela qual realizou o espetáculo “Joaninha da Silva”, em fevereiro, e agora, em abril, a peça “Era uma Vez um Pangaré”, e está em produção de mais um espetáculo, previsto para junho.