Paróquia Santa Rita distribui sopa e cestas básicas durante a pandemia

565
Paróquia Santa Rita de Cássia promove projetos sociais (foto: Divulgação)
Publicidade
Da reportagem

Ações voluntárias mantidas por membros da paróquia Santa Rita de Cássia têm oferecido alimento, vestuário e até moradias às famílias em situação de vulnerabilidade social no município.

De acordo com o pároco, padre Francisco Roberto da Silva, a igreja sempre ofereceu ajuda às pessoas necessitadas, contudo, após o advento da Covid-19, a procura pela paróquia em busca de ajuda cresceu cerca de 30% e as ações foram reforçadas com o objetivo de amenizar os impactos da pandemia.

Um dos projetos que oferece alimento aos moradores da região do Santa Rita é o “Sopão Solidário”. Desde o ano passado, a iniciativa distribui 356 litros de sopa por semana, atingindo mais de 60 famílias em situação de vulnerabilidade – são 89 litros por dia, quatro vezes por semana.

“Nós já fazíamos a sopa, mas, quando começou a quarentena, muitas pessoas começaram a procurar a paróquia em busca de ajuda e relatando necessidades. Então, criamos um movimento para reforçar as ações solidárias”, informou o padre.

Segundo ele, são feitas quatro receitas diferentes de sopa, uma para cada dia de distribuição. A alimentação é preparada por uma voluntária, na cozinha piloto do salão paroquial e entregue na própria igreja, nas noites de segunda-feira, quarta-feira, sexta-feira e sábado.

Publicidade

“Cada um traz a sua vasilha e leva a sopa. Também distribuímos doces, verduras e outros alimentos, que recebemos de doações de supermercados e dos fiéis. Tudo que chega até nós é distribuído e compartilhado com os mais carentes”, ressaltou o sacerdote.

Nos primeiros meses da quarentena, com as medidas mais restritivas de isolamento social, a paróquia contou com parceria do Sesi Tatuí para a distribuição de 180 marmitas por dia às famílias carentes.

Depois, com o abrandamento do isolamento, o Sesi encerrou a parceria e a paróquia voltou a promover a distribuição das sopas às pessoas que“realmente estavam passando por necessidade”, conforme frisou o padre.

“Ajudamos naquilo que é possível, contudo, como aumento na procura, fomos ponderando e analisando. Soubemos que as escolas também estavam distribuindo marmitas. Eu peguei a lista das famílias, nos organizamos e passamos a atender somente as famílias que não recebiam nenhum tipo de auxílio”, comentou.

A paróquia atende à Matriz e às comunidades Santo Antonio de Santana Galvão (Jardim Santa Rita de Cássia), São José (Jardim Gramado), São Jorge (Jardim Santa Rita de Cássia) e São Miguel Arcanjo (Pacaembu).

Conforme o pároco, todos os mantimentos usados para preparar a sopa são oriundos de doação, vindas dos próprios fiéis, de voluntários e, às vezes, de empresários e supermercados parceiros.

O projeto aceita doação de todos os tipos de alimento. Contudo, segundo o padre, a carne moída e o frango, usados na sopa, são os itens que a paróquia tem mais dificuldade em arrecadar.

Moradias sociais

Outro projeto social desenvolvimento pela comunidade do Jardim Santa Rita de Cássia garante moradia às famílias desempregadas, em situação de vulnerabilidade social e sem lugar para morar.

Por meio da iniciativa, a paróquia aluga uma casa para a família e dá assistência com cestas básicas por três meses. “Durante este tempo, a pessoa deve se estabilizar e conseguir um emprego, pois não podemos pagar mais do que isso”, contou o padre.

Conforme o pároco, o auxílio para moradia é dado a apenas uma família por vez, devido às condições financeiras da paróquia. O aluguel é pago com o recurso do dízimo ofertado pelos fiéis.

Para conseguir o auxílio, a família precisa comprovar a situação de vulnerabilidade, o pedido passa pela análise do CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) e do departamento de assistência social da igreja.

“Temos um piso de gasto. Não podemos ajudar a todos, porque a paróquia é carente, mas o coração é grande, nós nos viramos. No período de pandemia, alugamos três casas, sempre de cada três meses, demos a cesta básica e,aos que não têm móveis nem nada, ainda arrumamos doações. As pessoas ajudam muito, graças a Deus”, completou o sacerdote.

A paróquia ainda mantém assistência a cerca de 80 famílias por meio dos movimentos da igreja, como a Sociedade de São Vivente de Paulo (Vicentinos) e a Pastoral da Criança.

A partir destes projetos e movimentos, a igreja promove diversas campanhas visando angariar fundos e a arrecadação de donativos às famílias carentes. Em dezembro do ano passado, por exemplo,a paróquia inovou,com o “Chá de Bebê para Jesus”.

O evento já conhecido e realizado para presentear futuras mamães foi realizado na paróquia como um “gesto concreto” de solidariedade no período de Natal.A iniciativa, idealizada por fiéis, arrecadou fraudas e outros diversos itens infantis, que estão sendo distribuídos às famílias conforme a necessidade.

“O projeto foi um sucesso: recebemos muitos itens de bebês e a Pastoral da Criança, que acompanha as gestantes e o desenvolvimento das crianças, faz a distribuição dos itens, de acordo com a necessidade”, disse o padre.

Todos os projetos são mantidos com doações. Quem quiser ajudar pode se dirigir até a paróquia, à rua João Abrame, 406, ou entrar em contato pelo telefone da secretaria paroquial: (15) 3259 0773, (15) 99609-9468 ou pelo email paroquisantaritatatui@gmail.com.

Doações em dinheiro podem ser feitas também pela conta da paróquia no banco Bradesco, agência 7614-7, conta-corrente 22614-9, para o CNPJ 02.724.569/0040-31.

“A nossa meta é atender a todos que nos procuram em busca de auxílio. A pessoa bate à porta e nós damos assistência, pode ser com cestas básicas ou até com o aluguel. O nosso maior objetivo é a prática do amor e da caridade”, concluiu Silva.

Bazar

Para arrecadar fundos e ajudar no desenvolvimento dos projetos e movimentos sociais, a paróquia ainda promove o “Bazar Solidário” em todos os sábados, das 9h às 18h, no salão de festas, à rua João Abrame, 406.

O espaço oferece móveis, eletrodomésticos, eletroeletrônicos, roupas, sapatos, brinquedos, acessórios, bijuterias, entre outras peças e objetos novos e usados. Neste caso, quem quiser ajudar pode adquirir as peças, ou ainda doar itens para serem vendidos.

“Quem tiver algo em casa que queira doar para o bazar, pode ligar na paróquia, que nós vamos até o doador para retirar os donativos. A paróquia é casa de todos, tudo o que entra na paróquia é partilha”, completou.

Publicidade