O que é dengue?

943

A dengue – ou o dengue – é uma doença viral e febril transmitida pelo mosquito fêmea do Aedes aegyptie é considerada um dos principais problemas da saúde pública do mundo. O Aedes aegypti é um arbovírus. Para referir-se ao nome da doença,os dois gêneros estão corretos: “a” ou “o” dengue. A doença é mais comum em locais tropicais e subtropicais.A dengue é considerada um problema global desde a Segunda Guerra Mundial, devido a perturbações ecológicas. No mundo, o primeiro caso de dengue data na dinastia chinesa Jin (265-420), chamada pelos chineses de “veneno da água”. Enquanto no Brasil, os primeiros registros são de epidemias em São Paulo, entre 1851 e 1853. A doença é considerada de grande impacto na saúde pública. Somente em 2015, foram reportados 1.649.008 de casos, 20.329 com sinal de alarme, 1.569 graves e 865 óbitos, o que significa uma taxa de 2,3 óbitos por dia.

 Transmissão

Sua principal forma de transmissão é quando uma fêmea doAedes aegyptipica uma pessoa infectada, daí o vírus da dengue que circula no sangue dessa pessoa é ingerido pelo mosquito, infectandoele, que pode picar outras pessoas e transmitir o vírus.

Mas, existem registros de “transmissão vertical” (da gestante infectada para o bebê) e, também, por transfusão de sangue. O mosquito contaminado é capaz de disseminar a doença durante todo o ciclo de vida (cerca de seis a oito semanas).

Sorotipos

Pesquisas indicam existirquatrotipos de sorotipos do vírus da dengue. Quando um indivíduo se infecta por um deles, consequentemente, fica imune parcial e temporariamente contra este que lhe infectou, podendo contrair algum dos demais sorotipos. São eles: DEN-1, DEN-2, DEN-3, DEN-4.

A infecção pode ser assintomática, leve ou até causar doença grave, com risco de vida. Em média, 550 mil doentes precisam ser hospitalizados e 20 mil deles morrem em consequência da doença. Quando um indivíduo tem a dengue uma primeira vez, se ele tiver uma segunda contaminação,corre mais risco de desenvolver uma dengue hemorrágica.

Sintomas

O período de incubação dura de quatro a dez dias.  A infecção pode ser assintomática ou causar um amplo espectro de quadros clínicos, desde formas pouco sintomáticas até quadros mais graves, com ou sem hemorragia.

Normalmente, o primeiro sintoma é a febre alta de início súbito, durando de dois a sete dias, podendo ser acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e nas articulações, abatimento do estado geral, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção (vermelhidão) na pele e coceira.

Perda de peso, náuseas e vômitos são comuns. Nessa fase inicial, pode ser difícil de diferenciá-la de outras doenças febris. Geralmente, entre o terceiro e o sétimo dia da doença, ocorre uma diminuição ou desaparecimento da febre e alguns casos evoluem para a recuperação e cura; outros, porém, podem apresentar sinais de alarme, evoluindo para as formas graves da doença.

Os principais sintomas são: dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, sangramento de mucosas (nariz, gengivas), hipotensão (queda da pressão arterial), letargia, sonolência ou irritabilidade e tontura.

Na presença destes sinais, o paciente deve imediatamente procurar atendimento médico, que provavelmente o tratará internado.

Não existem medicamentos específicos para combater o vírus. O tratamento visa ao controle dos sintomas, hidratação EV e estabilização do paciente.

Prevenção

Uma das formas de prevenção, como todos já sabem, é combater os focos criadouros do mosquito Aedes aegypti (se reproduz em água limpa e parada em algum local). A outra e a mais moderna e atual forma de prevenção são através da vacina.

Hoje, já existe uma vacina disponível nas clínicas particulares. Ela é composta dos quatro sorotipos do vírus (1, 2, 3 e 4) e reduz muito o risco de contrair a dengue grave (93%). Reduz em 80% o risco de hospitalização e evita dois a cada três casos de dengue.

A vacina está indicada para crianças a partir de nove anos de idade, adolescentes e adultos até 45 anos. O esquema é feito com três doses da vacinaa intervalos de seis meses entre cada uma.

Contraindicações

A vacinação não requer qualquer cuidado prévio, porém se deve adiar a vacinação em caso de doença febril aguda (moderada a grave), e também é contraindicada para pessoas imunodeprimidas, gestantes e mulheres que estejam amamentando.

(Referências: WHO, Sbim, boletim epidemiológico do Ministério da Saúde).

*Médico com título de especialista em pediatria pela AMB e SBP, membro da Sbim.

Comments are closed.