‘O Grivo’ toca trilha sonora ao vivo em sessão de cinema do Cine Bibi

Grupo realiza oficina gratuita e apresenta ‘Nosferatu’ e filmes infantis

Artistas de O Grivo, que estará em Tatuí para shows e oficina (foto: Divulgação / Marco Dalfiol)
Da redação

O Conservatório de Tatuí traz para a Capital da Música o grupo O Grivo, que fará trilha sonora ao vivo em duas sessões especiais de cinema do Cine Bibi no Teatro “Procópio Ferreira”.

Neste sábado, 18, às 20h, o grupo executa a trilha sonora original do filme “Nosferatu” (1922). No domingo, 19, às 16h, interpreta obras de uma seleção especial de filmes infantis.

A entrada é gratuita e os ingressos podem ser retirados pela plataforma virtual INTI ou na bilheteria do teatro, aberta de terça-feira a sexta-feira, das 13h às 16h e das 17h às 20h, ou duas horas antes de cada apresentação.

O filme “Nosferatu” é uma adaptação do famoso romance “Drácula”, de Bram Stoker. Rodado em 1922, é considerado um dos primeiros representantes do gênero do terror no cinema.

O filme narra a história de Hutter, agente imobiliário que, a pedido de seu chefe, viaja ao encontro de um novo cliente, o conde Orlok. Este, na verdade, é um vampiro milenar que espalha o terror na região de Bremen, na Alemanha, e se apaixona por Ellen, a noiva de Hutter.

Durante a exibição do filme, O Grivo executará “Nosferatu, Eine Symphonie des Grauens” (Dir. F.W.Murnau – 1922). A classificação indicativa é para maiores de 14 anos.

E para inaugurar a temporada de programação infantojuvenil do Teatro “Procópio Ferreira”, neste domingo, o Grivo executa ao vivo as trilhas sonoras de uma seleção de filmes com classificação livre: “L’arrivée d’un Train à la Ciotat” (Auguste Lumière, Louis Lumière), “The Immigrant” (Charlie Chaplin), “Le Voyage dans la Lune” (George Méliès), “Photographie Électrique à Distance” (George Méliès) e “Felix Age of the Bone” (Pat Sullivan).

O Grivo

Formado por Nelson Soares e Marcos Moreira, em fins de 1990, O Grivo realizou o primeiro concerto em Belo Horizonte (MG), iniciando pesquisas no campo da “Música Nova”.

Interessado na ampliação do repertório de sons e na descoberta de maneiras “diferentes” de organizar suas improvisações, o grupo desenvolve sua linguagem musical.

Em função da busca de “novos sons, de outras possibilidades de orquestração e de formas diferentes de montagem”, O Grivo trabalha com “mecanismos sonoros e fontes sonoras pouco usuais” (eletrônicas e acústicas), além de instrumentos musicais tradicionais.

“A pesquisa tem como consequência um crescimento da importância das informações visuais em suas montagens, à qual se soma um diálogo, também ininterrupto, com o cinema, vídeo, teatro e dança”, conforme a produção do grupo.

Os artistas têm suas obras em coleções de arte como Itaú Cultural (Brasil), Museu de Arte da Pampulha (Brasil), ICCO (Brasil) SFMoMA (EUA), entre outras.

Oficina

O Grivo também realiza, nos dias 20 e 21, às 9h, no Salão “Villa-Lobos”, do Conservatório de Tatuí, a oficina “O Intérprete e a Criação”. Ela apresenta, primeiramente, os trabalhos do O Grivo nas áreas da música (improvisação), das artes visuais (especialmente no campo da arte sonora) e do cinema.

A oficina percorre, ainda, as referências fundamentais do trabalho do grupo, apresentando intérpretes e compositores “cuja apreciação e análise moldaram-lhe linguagem”.

A oficina proporá a escuta de obras muito diversas, tanto da música de concerto contemporânea, quanto do jazz experimental, além de obras importantes da Ásia e da África. Apresentará, ainda, alguns artistas fundamentais da arte sonora.

“Por meio da apreciação e da discussão a respeito das reverberações destas obras nos participantes da oficina, discutiremos alguns conceitos/ideias que podem ser ponto de partida para o trabalho de improvisação, composição e ampliação da ideia do intérprete criador”, destaca Nelson Soares. A entrada é gratuita.

DEIXE UMA RESPOSTA

entre com sua mensagem
entre com seu nome