Notas policiais

1764
  • “Procurado” vai à delegacia e se entrega para guardas civis

Na madrugada de domingo, 17, um “procurado” da Justiça compareceu ao plantão policial da Delegacia Central para se entregar. Agentes da GCM (Guarda Civil Municipal) estavam registrando uma ocorrência quando foram abordados pelo rapaz, relatando que, contra ele, existia um mandado de prisão.

Conforme o boletim da Polícia Civil, o indivíduo, um funileiro de 30 anos, disse que queria se entregar. Em pesquisa pelo sistema Prodesp (Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo), os agentes não teriam encontrado nenhum mandado.

Porém, pelo Banco Nacional de Mandados, constava um pedido de prisão por desacato, referente a um processo na Vara de Juízo Especial de Tatuí, datado de 23 de maio deste ano, cuja pena é de seis meses e 20 dias de detenção em regime semiaberto.


  • Bandidos invadem comércio e furtam latas de refrigerantes

Uma mochila, um celular, uma cafeteria, 20 latas de refrigerante e R$ 100 em dinheiro foram furtadas de um comércio, na praça Martinho Guedes, na madrugada de segunda-feira da semana passada, 11.

A proprietária do estabelecimento procurou a PC na manhã de sábado, 16, para relatar o crime. Conforme informado, um desconhecido teria arrombado duas janelas para entrar no local e levar os objetos. A vítima estima prejuízo de aproximadamente R$ 1.000.

Segundo o boletim, a comerciante possui câmeras de segurança e deve ceder as imagens da ação. A mulher não teria apontado testemunhas.


  • Homem tem a moto levada de frente da casa na Bandeirantes

Um metalúrgico de 26 anos teve a moto furtada, na madrugada de sábado, 16, na rua Antônio Carlos Santos Bueno, na vila Bandeirantes. O pai do motociclista registrou o furto na manhã do mesmo dia.

Segundo o boletim, a moto CG Titan 150 ESD, ano 2008, com placa de Tatuí, foi furtada em frente à casa da vítima. O rapaz teria deixado o veículo estacionado e, quando voltou para buscá-lo, não o encontrou.

Conforme o BO, a vítima estima que teve prejuízo de R$ 4.000, referente ao valor da motocicleta. O rapaz não apontou suspeito e nem testemunhas do crime.


  • TV e receptor são levados de chácara no distrito Americana

Uma televisão de LSD de 32 polegadas, da marca Panasonic, e um receptor de sinais da SKY foram furtados de uma chácara na estrada municipal Moisés Martins, no distrito de Americana.

O crime aconteceu na sexta-feira, 15, em hora incerta. A proprietária do imóvel, uma mulher de 25 anos, informou o crime à PC por volta das 18h.

Conforme relatado, uma pessoa desconhecida invadiu o imóvel e levou os objetos. O local possui três casas, mas, no momento da invasão, todas estavam vazias, não havendo nenhuma testemunha ou suspeito. A vítima relatou, ainda, que não houve nenhum tipo de arrombamento na casa.


  • Homem é vítima de golpe e cobra providências do banco

Um homem de 33 anos foi vítima de estelionato na tarde de terça-feira, 12. Mediante fraude, ele teria transferido R$ 1.399,98 a uma conta de pessoa física. A vítima informou o crime à PC na tarde de quarta-feira, 13, após pedir providências da agencia bancária e não obter resposta.

Conforme o boletim, o homem recebeu ligação de um número de telefone com o prefixo 085, na qual uma pessoa se passando por funcionário da Vivo lhe falou sobre uma promoção de nome “Universo Vivo”, e que a vítima teria sido contemplada com prêmio no valor de R$ 10 mil.

O suposto funcionário da empresa de telefonia teria dito que não havia necessidade de fornecer dados pessoais, apenas ir até o caixa eletrônico e liberar um código para que pudessem depositar o dinheiro do prêmio. Contudo, tratava-se de uma transação de R$ 1.399,98 para uma conta-corrente.

Ainda segundo o BO, quando a vítima percebeu que se tratava de golpe, de imediato, teria procurado a gerencia e o caixa do banco e, após constatar que o valor transferido ainda estava bloqueado, entrou em contato com a central para tentar reverter a situação.

Na central, ele teria sido informado de que esse tipo de ação não configurava golpe, por ser transferência de titular para titular. Na sequência, a vítima, “inconformada”, teria tentado ligar para o atendimento, pelo canal do cliente, no qual também obteve a mesma resposta. Na agência da vítima, a gerente teria informado que o valor já havia sido sacado.