Notas policiais

1411
  • Dupla entra em casa à venda, após pedir a dono para vê-la

Dois homens roubaram um aposentado de 77 anos no início da tarde do dia 11. Os suspeitos – um negro e outro branco – entraram na propriedade da vítima depois de pedir para vê-la. O imóvel fica na rua Capitão João Cidade, no bairro Santa Cruz, e tinha uma placa de “vende-se” no portão.

Os suspeitos chamaram pelo proprietário por volta das 12h. De acordo com a vítima, eles levaram duas escrituras do imóvel, um rádio do veículo (com os alto-falantes), uma motosserra e uma caixa de ferramentas. Eles acionaram a campainha da casa e disseram para o aposentado que estavam interessados nela.

Em seguida, os criminosos pediram para a vítima mostrar a residência por dentro. Acreditando na “boa índole” da dupla, o aposentado abriu o portão. Imediatamente após a entrada, os suspeitos anunciaram o assalto. Um deles portava uma arma de fogo, enquanto o outro fazia uso de uma faca.

Conforme o aposentado, durante todo o tempo em que permaneceram na residência, os dois faziam ameaças de morte. Na sequência, os criminosos fugiram em um veículo de cor preta. A vítima acredita que o carro seja um Fiat Uno.


  • Pedreiro tem celular furtado de construção no Marajoara

Por volta das 9h do dia 11, um pedreiro de 51 anos teve o celular furtado durante o expediente de trabalho. A vítima informa, em boletim de ocorrência, que estava em uma obra, na rua João Leite de Paula, no Parque Marajoara, quando foi furtada.

Em depoimento, o pedreiro relatou ter visto um homem negro, de aproximadamente 1,80 metro de altura, vestindo camiseta laranja, bermuda cinza e boné preto no interior da obra.

Na ocasião, perguntou à pessoa o que ela fazia no local. Entretanto, o suspeito fugiu. A vítima chegou a seguir o homem, mas não conseguiu alcançá-lo.

Na delegacia, o pedreiro disse ter deixado o celular, um Samsung J2 Prime, em cima de uma mureta. Em seguida, foi rebocar o banheiro da propriedade. Ao retornar, deparou-se com o suspeito – que tem entre 18 e 20 anos –, mas não encontrou o aparelho.


  • Honda de segurança de boate situada no Europark é levada

O segurança de uma boate situada no Europark procurou o plantão da Polícia Civil para informar que tivera a motocicleta furtada. O crime ocorreu na madrugada do dia 12 para 13. A vítima informa que deixou o veículo estacionado perto da casa noturna, por volta das 22h30, para trabalhar.

Ao deixar a ocupação, perto das 7h, o segurança não encontrou a motocicleta. Em depoimento, contou que o local onde deixara o veículo – uma Honda CG 125, Titan, vermelha, ano 1999 e placa de Tatuí – não possui câmera de vigilância.


  • Bandido invade residência no Jd. América e leva TV de 42″

Um bandido – até o momento não identificado – invadiu uma residência localizada na rua Benedito Moreira, no Jardim América, e furtou uma televisão. A proprietária do imóvel registrou a ocorrência às 19h30 do dia 11. Ela informa que o crime aconteceu após ela deixar o imóvel.

Segundo a dona, vizinhos relataram ter ouvido o alarme da propriedade disparar. Ela citou que eles não souberam informar, com exatidão, em qual horário ouviram o barulho e “não viram mais nada de suspeito”.

A vítima deixou a casa por volta das 9h, para trabalhar. Ela voltou perto das 16h30, e, na ocasião, contou que percebera que a fechadura da porta dos fundos estava danificada. Ainda notou que um dos vidros estava quebrado.

Segundo a proprietária, o bandido ainda danificou uma parte da cerca elétrica que protege o imóvel. Conforme ela, o suspeito havia desparafusado fios da caixa central, que faz acionar o alarme, para removê-la. O criminoso deixou a propriedade com um televisor de 42 polegadas.


  • Estudante vai a supermercado para fazer compras e é furtado

Um estudante de 14 anos teve a bicicleta furtada na tarde do dia 9 enquanto fazia compras em um supermercado. A vítima procurou a Polícia Civil, para registrar a ocorrência, na manhã do dia 11, acompanhada da mãe, uma mulher de 42 anos.

Em depoimento, o menor contou que deixara a bicicleta, uma “barra forte”, vermelha, com banco na cor preta, no estacionamento do estabelecimento.

O estudante disse que permaneceu no mercado por, aproximadamente, cinco minutos. Ao sair, não encontrou mais o veículo. Em seguida, procurou o segurança do local, sendo orientado a ir até o plantão da Polícia Civil.