Trânsito mata três vezes mais em agosto

Acidentes não fatais e mortes no acumulado do ano têm queda em relação a 2019

369
Publicidade
Da reportagem

O trânsito tatuiano fez três vezes mais vítimas fatais em agosto deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado. Em contrapartida, o número de fatalidades no acumulado do ano continua em queda, assim como o número de acidentes não fatais.

De acordo com relatório do Infosiga (Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito), divulgado na sexta-feira, 18 – início da Semana Nacional de Trânsito -, a cidade registrou três mortes no oitavo mês deste ano.

Os três acidentes ocorrem no perímetro urbano e vitimaram homens, sendo um pedestre de 40 anos, morto em atropelamento; um motorista de automóvel de 63 anos, vítima de choque com outro veículo; e um motociclista de 27 anos.

O número é 200% maior que o somado em 2019, quando o município fechou o mês com apenas um óbito por acidente de trânsito. No ano passado, a vítima foi um motociclista de 66 anos.

Já os acidentes com vítimas que incluem ocorrências não fatais caíram 19,17% no mesmo mês. Em 2019 foram 73 ocorrências em agosto (79,45% em vias municipais e 20,55% em rodovias), contra 59 no mesmo período deste ano (88,14% em vias municipais, 10,17% em rodovias e 1,67% em locais não especificados).

Publicidade

No comparativo dos oito primeiros meses deste ano em relação ao ano passado, houve queda de 7,69% no número de mortes no trânsito. De janeiro a agosto, foram 12 óbitos; em 2019, o trânsito vitimou 13 pessoas.

Nos oito meses, as mortes contabilizam vítimas que se envolveram em ocorrências tanto no perímetro urbano (dentro do município) como nas rodovias dentro do limite territorial da cidade.

Não houve morte de ciclistas ou por acidentes de ônibus nos oito meses dos dois anos. Acidentes fatais envolvendo veículos não especificados tiveram queda de dois para zero e as ocorrências envolvendo ocupantes de caminhão caíram de um para zero.

Os indicadores apresentaram aumento nas ocorrências entre motociclistas e ocupantes de automóveis. As mortes em acidentes com moto cresceram 20%, com seis vítimas neste ano contra cinco em 2019. No segundo caso o salto foi de 50% passando de dois para três registros.

No caso dos acidentes envolvendo pedestres, os indicadores permaneceram equivalentes nos oitos meses deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado, com três em cada.

As colisões aparecerem entre os tipos de acidentes mais comuns, com quatro ocorrências em 2019 e sete neste ano. Em seguida, entram os atropelamentos, com quatro registros em 2019 e três em 2020.

Já as causas menos comuns são choques (ocasião na qual um dos veículos ou objeto atingido não está em movimento), com três acidentes deste tipo no ano passado e um em 2020, e, por último, as causas “não especificadas” (em que não há o registro do tipo de ocorrência), com duas em 2019 e uma neste ano.

Conforme as estatísticas do sistema de informações, nos dois anos, morreram mais homens que mulheres vítimas de trânsito. Dos 13 óbitos em 2019, 12 eram homens (92,31%) e apenas um caso vitimou uma mulher (7,69%). Em 2020, 11 homens (91,67%) e uma mulher morreram em decorrência de acidentes (8,33%).

As vítimas deste ano pertenciam a sete faixas etárias, com predominância de óbitos nas pessoas com idades entre 18 e 24 anos (duas mortes), 25 a 29 (duas), 40 a 44 (duas) e 60 a 64 anos (duas). Os demais acidentes de 2020 vitimaram pessoas entre 35 e 39 anos (uma morte), 70 e 74 (uma) e não identificada (uma).

Nos oito meses de 2019, os acidentes vitimaram três pessoas com idades entre 18 e 24 anos. Os demais englobaram vítimas na faixa etária entre 25 e 29 anos (duas mortes), 30 e 34 (uma), 35 e 39 (duas), 40 e 44 (uma), 50 e 54 (uma), 65 a 69 (uma), 70 e 74 (uma) e não identificada (uma).

Na soma dos dois anos, as ocorrências estão concentradas no período noturno (42,85%) e nos finais de semana (33,33%). Em todos os casos, as vítimas foram socorridas e faleceram em hospital.

O relatório ainda mostra que os acidentes com vítimas que incluem ocorrências não fatais também recuaram nos oito meses. Em 2019, foram 491 acidentes de janeiro a agosto. Já neste ano, ocorreram 383 casos no mesmo período, o que representa redução de 22%.

Os dados do Infosiga são atualizados mensalmente pela Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal e Corpo de Bombeiros. As corporações se utilizam de dados do SioPM (Sistema de Informações Operacionais da PM), que reúne registros de acionamento de viaturas para atendimento.

O secretário municipal da Mobilidade Urbana, José Roberto Xavier da Silva, reiterou que o trânsito sentiu os reflexos da pandemia do novo coronavírus. Para ele, o número de acidentes foi proporcional ao de pessoas transitando por ruas e estradas nos últimos meses – durante o período de quarentena.

“O isolamento social acabou ajudando nos números, com certeza. Embora algumas pessoas já tenham voltado à rotina, ainda temos menos veículos nas ruas. E, mesmo com aumento no mês de agosto, o número de acidentes fatais não é considerado alto”, argumentou.

Ele ainda classificou a redução dos acidentes e de vítimas fatais como um reflexo das campanhas de educação no trânsito, engenharia de tráfego e fiscalização.

“Mesmo com a pandemia, continuamos com ações de fiscalizações e manutenção da sinalização viária. Só a campanha de trânsito, neste ano, ficou prejudicada”, completou Silva.

Semana Nacional

Neste ano, Tatuí não realizará nenhuma ação da Semana Nacional de Trânsito – prevista pelo CTB (Código de Trânsito Brasileiro) e comemorada entre os dias 18 e 25 de setembro.

“Nós sempre fazíamos ações com as escolas que marcavam a data, contudo, neste ano, devido à pandemia, preferimos apenas seguir as programações online, definidas pelo governo de São Paulo, além de continuar com as orientações durante a fiscalização de rotina”, disse o secretário.

Conforme Xavier, ações em todo o país são realizadas pelos órgãos do Sistema Nacional de Trânsito, com o objetivo de conscientizar todos os envolvidos, sejam eles motoristas, passageiros, motociclistas, ciclistas ou pedestres.

O tema definido oficialmente pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito) para a Campanha Educativa de Trânsito de 2020 é “Perceba o Risco, Proteja a Vida”, o qual busca chamar a atenção sobre os perigos no trânsito, bem como outros riscos à saúde do cidadão.

No estado de São Paulo, o tema é: “Sem Respeito Não Dirija”. A campanha traz mensagens sobre prevenção de acidentes e a importância de um “comportamento cidadão” no trânsito.

Como parte da programação, o Detran.SP iniciou, na sexta-feira, 18, uma série de debates em formato virtual. Ao todo, até sexta-feira, 25, serão 22 painéis entre especialistas do setor, que abordarão diversos temas, como educação, inovação, serviços para o cidadão e legislação.

Para assistir, basta acessar os perfis do Detran.SP no Facebook e no YouTube: http://www.facebook.com/detransp/  e http://www.youtube.com/user/DetranSP .

Silva salientou que, ao final deste ano, se encerra a “Década de Ações pelo Trânsito Seguro”, proposta pela ONU (2011-2020), na qual os governos de todo o mundo comprometeram-se a tomar medidas para prevenir acidentes.

“Todas as cidades se comprometeram, e nós, aqui em Tatuí, com os números positivos que conquistamos nos últimos anos, conseguiremos atingir a meta, com certeza”, afirmou o secretário.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

entre com sua mensagem
entre com seu nome