Segurança Pública divulga números de ocorrências registradas em 2014

234
Publicidade
Siltec





Jhennifer Sodré


Investigadores da delegacia estão passando por  reestruturação para aumentar segurança

 

A SSP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo) divulgou as estatísticas de ocorrências policiais registradas no primeiro trimestre deste ano. O resultado, comparado ao mesmo período de 2013, demonstra aumento na maioria de ocorrências e diminuição em algumas categorias.

Publicidade
Siltec

Os casos de homicídio doloso, culposo por acidentes de trânsito, tentativa de homicídio, estupro, roubo e furto aumentaram. Em casos de tráfico de entorpecentes, foi possível verificar diminuição de 11 ocorrências. Em 2013, foram 75 e, neste ano, 64.

Houve um homicídio doloso no primeiro trimestre de 2013 e dois no deste ano. O homicídio culposo por acidente de trânsito teve aumento de um caso, subindo de quatro para cinco no mesmo período.

Nos casos de tentativas de homicídio, os números são um pouco maiores: quatro este ano frente a um em 2013. Em porcentagem, o aumento significa 300%.

Os estupros somaram 13 registros este ano, dois a mais que no mesmo período do ano passado.

Até março de 2013, foram 42 roubos (no geral), enquanto que, neste ano, houve aumento de 28,57%, com 54 casos. Os roubos de veículos também aumentaram: em 2013 foram 9 e, neste ano, 12.

Os aumentos mais significativos foram de furtos em geral e de veículos. No primeiro caso, foram 53 ocorrências a mais neste ano, chegando a 234 no total. Em 2013, foram 181, perfazendo aumento de 29,28%.

No ano passado, houve 26 registros de furtos de veículos, 42 a menos que 2014, cujo primeiro trimestre somou 68 casos, ou seja, 161,53% a mais.

De acordo o titular da Delegacia Central, delegado Paulo Tolentino, houve aumento geral no Estado de São Paulo nos três primeiros meses. Ele também argumentou não acreditar que há um motivo específico para isso.

Tolentino afirmou que não houve mudança ou diminuição do policiamento e nem da GCM (Guarda Civil Municipal) nos três primeiros meses de 2014.

O delegado apontou que as ocorrências que podem ter alguma explicação são as de furtos de veículos.

“Acredito que se deve a quadrilhas que estejam se estruturando melhor. Existe informações de que esses veículos (furtados) nem fiquem em nossa cidade. São quadrilhas que estão agindo na nossa região e no Estado inteiro”, comentou.

“Nós estamos fazendo um levantamento dos receptadores que não são da nossa cidade, e, por serem quadrilhas organizadas de outras regiões, dificulta as investigações”, afirmou Tolentino.

O delegado observou que os roubos e furtos são os casos mais preocupantes em termos sociais, pois há repercussão maior, “e cada vez mais pessoas estão entrando nesse meio”, segundo ele, principalmente adolescentes.

“Está havendo um aumento muito grande do número de adolescentes praticando furtos, e esses adolescentes, mesmo identificados, ficam muito pouco tempo detidos e, depois, voltam a cometer crimes. A penalização é muito pequena, portanto, há muita reincidência”, ressaltou.

Quanto à segurança da cidade, o delegado disse que a Polícia Civil está fazendo trabalho preventivo e uma reestruturação no setor de investigações.

“Estamos redistribuindo e dividindo funções entre os investigadores, porque a gente entende que a finalidade da Polícia Civil é esclarecer um maior número de delitos”, afirmou.

De acordo com Tolentino, ele espera continuar contando com apoio da PM e da GCM para tentar aumentar o percentual de esclarecimento de delitos. Ele também sustentou que, em simultâneo ao aumento das ocorrências, o número de pessoas presas também cresceu.

“Aumentaram as atividades policiais em um percentual quase idêntico, o número de pessoas presas, o número de flagrantes, flagrantes lavrados. Aumentou a criminalidade e os índices de boletins de ocorrências, mas também a atividade policial”, ressaltou.

Tolentino disse que, para ele, os casos de homicídio e latrocínio são os mais alarmantes, pois há “vidas em jogo”, embora sejam os crimes que menos ocorrem. Neste ano, ainda não houve registro de latrocínio.

O delegado ressaltou, porém, que os casos que mais geram “sofrimento” à população são os relacionados a roubos e furtos em geral.

Tolentino disse que, apesar dos aumentos, se for feita comparação entre o mês de abril e março deste ano, é possível verificar melhora nas ocorrências.

“Houve uma diminuição de 46% nos furtos de veículos, 33% de roubos de veículos, 26% de roubos em geral, 100% de homicídio e um aumento de 14% de furtos”, afirmou Tolentino.

Para ter acesso aos dados divulgados pela SSP, basta acessar o site http://www.ssp.sp.gov.br/novaestatistica/Pesquisa.aspx.


Publicidade
Siltec