Hospital deve divulgar dados desde o início de intervenção

Equipe de central pretende distribuir folder com todas as doações

559
Doações começaram a ser concentradas em prédio a partir de segunda-feira (foto: Cristiano Mota)
Publicidade
Siltec

A equipe da Central do Voluntariado nem bem iniciou as atividades e já tem novos planos de trabalho. O grupo programa divulgar, em formato de folder, todos os dados relativos às doações registradas pelo hospital desde o início da intervenção da Prefeitura. O Executivo começou a gerir a Santa Casa em 31 de maio.

Conforme o supervisor de tecnologia da informação, Rafael Bruno Passarinho de Oliveira, as voluntárias começaram a inserção dos dados repassados pela equipe de intervenção no dia 13. A diretoria preparou um relatório detalhado com todas as informações referentes aos donativos recebidos.

Ao todo, seis meses de doações deverão ser inseridas no sistema informatizado. “O que vamos fazer é cadastrar todos os dados e, depois, elaborarmos um folder explicando para a população tudo o que o hospital recebeu. Queremos mostrar transparência, para que as pessoas vejam em que ajudaram”, citou.

De acordo com a conselheira do Fussat (Fundo Social de Solidariedade de Tatuí), Alessandra Vieira de Camargo Teles, o propósito da ação é despertar na população a conscientização para a importância de contribuir com a Santa Casa. Concomitantemente, com a campanha de transparência, a central demonstrará a empresários e potenciais colaboradores a demanda da instituição.

“Nunca houve uma organização. Daí, todo mundo saía pedindo em nome da Santa Casa. O que a prefeita quer é que tudo isso seja centralizado para aumentar a credibilidade da instituição e, com isso, as ajudas e doações”, argumentou.

Publicidade
Siltec

Uma vez concluída a etapa dos registros, a conselheira explicou que a instituição terá condições de se programar, financeiramente, para atender outras demandas internas. Entre elas, a compra de insumos e de equipamentos.

A “desoneração” com a compra de alimentos, por exemplo, permitirá à equipe de intervenção “estancar a sangria”. Isso porque, o hospital tem, em dívidas contraídas, aproximadamente R$ 32 milhões. O dado foi divulgado recentemente pelo secretário municipal de Governo, Luiz Gonzaga Vieira de Camargo.

Conforme Alessandra, a Santa Casa voltou a receber ajuda apenas recentemente e após a intervenção e por conta dos primeiros resultados do projeto “Adote um Quarto”, um braço do “Adote a Santa Casa”, iniciado pelo Fundo Social. A instituição é presidida pela professora Sônia Maria Ribeiro da Silva.

“As doações tinham parado. Agora é que as pessoas estão retornando a contribuição. É porque elas estão vendo essa movimentação positiva”, acrescentou.

Outro aspecto da central, conforme a conselheira e responsável pela implantação do setor, é que ela garantirá melhor direcionamento às doações. Em outras palavras, os funcionários dos diversos setores do hospital poderão ter maior controle com relação aos itens que são consumidos, como os de alimentação.

Dessa maneira, eles poderão solicitar à equipe da Central do Voluntariado os insumos, equipamentos ou medicamentos que estão em falta. A ideia é evitar desperdícios e concentrar a atenção do grupo de trabalho em pontos essenciais.

“As pessoas sentem que devem ajudar, mas o que nós vamos fazer é canalizar isso tudo. Tivemos, recentemente, doação de 500 quilos de açúcar feita por um grupo de escoteiros. Agora, já me passaram que está havendo uma campanha para arrecadação de papel higiênico. E assim por diante”, contou Alessandra.

Ela reafirmou que os trabalhos desenvolvidos pela instituição no sentido de angariar recursos serão concentrados na central. Para isso, a equipe já orientou os funcionários – que desenvolviam campanhas com ajuda de amigos em nome da instituição – para que digam aos colaboradores que procurarem o setor.

Além dos folders, a equipe pretende manter uma ação contínua de atualização dos doadores. Passarinho explicou que as voluntárias terão acesso a uma conta de e-mail, pela qual irão “disparar” correspondências virtuais. As mensagens serão encaminhadas para quem contribuiu ou para quem pode contribuir, esporádica ou mensalmente, para atender à demanda do hospital.

A Santa Casa enviará, para os destinatários, uma espécie de “balancete virtual”. O grupo ainda não sabe qual será a periodicidade das informações, mas diz que pode encaminhar os dados de doações mensalmente, trimestralmente ou semestralmente. Junto com as informações, a equipe fará agradecimentos.

“Mesmo que a pessoa não doou naquele período do balancete, nós acreditamos que ao tomar conhecimento, ela possa ser incentivada”, disse Passarinho.

Publicidade
Siltec