Coop faz doação ao projeto Arte Pela Vida

257
Publicidade
Siltec





Divulgação

Entrega aconteceu na sede da entidade, que conta atualmente com 60 alunos

 

Na manhã do dia 22, quinta-feira, o APV (Centro de Desenvolvimento Social Arte Pela Vida) recebeu doação de R$ 30 mil da Coop (Cooperativa de Consumo), para construção de mais uma sala na sede do projeto, localizada na estrada municipal Moisés Martins.

 

Publicidade
Siltec

A entrega do cheque foi feita pelo gerente da unidade local da Coop, Rodrigo Santos Corrêa, que recebeu o certificado e selo do APV denominado “Eu Invisto em Vidas”, dado a todas as empresas que contribuem com a entidade.

 

“É algo novo do APV, mostrando a gratidão pelo que estão fazendo, por estarem investindo nos alunos”, expressou o responsável financeiro da entidade, Carlos Alberto Ferreira da Silva, sobre o certificado.

 

A sala a ser construída – de aproximadamente 30 m² – é mais uma parte da sede, que tem, atualmente, três salas administrativas e uma sala para as oficinas de violão.

 

A obra deve iniciar no mês de setembro. Com o novo espaço, o projeto ampliará o número de alunos que atende atualmente, que é de 60, com idade entre 7 e 18 anos.

 

“Existe uma demanda do público querendo ser atendido pelo projeto, e a gente acaba não tendo vaga para todo mundo. Essa sala maior será para isso. Hoje, nós atendemos 60; com a sala, a intenção é atender 90”, adiantou Silva.

 

Os novos alunos deverão ser incluídos na programação do APV a partir do primeiro semestre de 2014.

 

O projeto inicial enviado pelo APV ao Coop solicitava um refeitório. Há dois meses, quando comunicados pela Coop de que o projeto havia sido pré-selecionado, os representantes do APV readequaram a proposta, de acordo com o que seria mais aproveitado no momento.

 

“A partir dessa pré-seleção, refizemos o projeto com algumas alterações, de maneira que atendesse melhor ao público, viabilizasse as construções e de acordo com o que a Coop poderia arcar. Nós enviamos, e eles aprovaram”, disse Silva.

 

A mudança foi aproveitar as áreas livres do primeiro projeto, para concentrar os espaços de atividades no segundo.
Na planta da sede, estão projetados – além da sala a ser construída e área já em utilização – um palco, um refeitório, um pátio, uma sala de dança e mais salas para as oficinas musicais.

 

Para a construção dos demais espaços, o APV tem pleiteado emendas parlamentares e envia o projeto a editais semelhantes ao da Coop, que beneficiam entidades sociais. “Estamos fazendo parte por parte, conforme a gente consegue recurso”.

 

A sede atual foi inaugurada em 2011 e levantada por meio de emenda parlamentar, apresentada pelo deputado estadual Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) no ano de 2010.

 

No prédio, o APV oferece oficinas de violão, percussão, atividades musicais em conjunto (como a Orquestra Arte Pela Vida e a Camerata de Violões) e aulas de iniciação e teoria musical.

 

Neste semestre, cinco novos voluntários – todos alunos do Conservatório – entraram na equipe, que conta com quatro bolsistas (os quais auxiliam nas aulas), professor de violão, duas voluntárias na área de musicalização e teoria, além de quatro atuantes na área administrativa e uma assistente social.

 

A parte administrativa e aula de violão são dadas por pessoas vinculadas à Comunidade Recado, de segmento católico.

 

O projeto também conta com voluntariado na área de dança, tendo aulas ministradas no Teatro de Dança Rosinha Orsi.

 

“Dos voluntários novos, dois são percussionistas, cujas oficinas têm o objetivo de colocar em prática os ritmos, tudo o que é aprendido na teoria. E é melhor porque eles sabem as técnicas. Antes, eram os professores de violão que ministravam a percussão”, enfatizou Silva.

 

Na equipe, a única atuação que recebe salário é a da assistência social, mantida com recurso do Estado. Dentre as funções exercidas está, a avaliação socioeconômica dos inscritos.

 

“Ela vai selecionar com base em um questionário sobre a estrutura econômica e com a visita à casa dos inscritos, em que faz mais perguntas, para perceber a estrutura familiar”, explicou Silva.

 

Os alunos são levados diariamente até o APV e de volta para as casas deles, graças a parceria com a Prefeitura, que fornece o transporte.

 

A entidade não está em período de inscrições, os alunos inseridos no início do próximo ano, já com o novo espaço, serão os que estão na lista de espera.

 

Para suprir os gastos com a instituição, o APV recebe recurso municipal, estadual e do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente, além de doações.

 

Campanhas feitas pelo “telemarketing” da Comunidade Recado em prol do APV também arrecadam recursos.
Neste mês, foi encerrada a campanha para a aquisição de violões infantis. “Nossa meta eram dez violões, mas conseguimos comprar 12. Todos novos”, contou Silva.

 

Com o valor arrecadado – cerca de R$ 1.500 –, além dos violões, capas para preservar os instrumentos foram adquiridas.

 

A campanha atual objetiva festa de Dia das Crianças para os alunos do APV, dia 12 de outubro, em que se programam brinquedos, presentes e alimentação.

 

Para entrar em contato com a entidade, o telefone é o 3259-5123, além do site www.artepelavida.com.


Publicidade
Siltec