Conselhos municipais passam por processo eleitoral para biênio

675
Conselheiros de políticas culturais definiram nova diretoria no Centro Cultural (foto: Eduardo Domingues)
Publicidade

Conselhos municipais estão passando por processos eleitorais para nova disposição de diretorias para o biênio 2019-2020. Neste mês, houve definições de diretorias do Comdema (Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente) e do Conselho Municipal de Políticas Culturais, além de “encaminhamento” no Conseg (Conselho Comunitário de Segurança).

Na terça-feira, 19, na sede da Polícia Militar Ambiental, foi realizada a eleição do Comdema. A nova diretoria foi escolhida por voto dos membros do conselho e irá administrar o órgão durante o biênio 2019-2020.

Compõem a nova diretoria: a presidente Maria do Carmo Vara Lopes Orsi, o vice-presidente Luís Fernando de Oliveira, o tesoureiro José Zaudas Garcia, o primeiro-secretário José Vicente Alamino de Moura e a segunda-secretária Eugênia Maria Camargo Campos.

A eleição do Conselho Municipal de Políticas Culturais aconteceu no Centro Cultural, no início da noite de terça-feira, 26. A diretoria foi mantida, exceto o cargo de primeira-secretária, que teve a saída de Aline Rodrigues, substituída por Marisa Estela Silva.

O presidente Luís Antônio Galhego Fernandes e o vice-presidente Davison Cardoso Pinheiro foram reeleitos para o terceiro biênio consecutivo. Priscila Simões segue como segunda-secretária.

Publicidade

Já o Conseg realizou a reunião ordinária na noite de segunda-feira, 25, no anfiteatro da Escola Estadual “Barão de Suruí”. Os conselheiros foram avisados de que a eleição da nova diretoria será realizada em abril.

A capitão Bruna Carolina dos Santos Martins, comandante da 2ª Companhia da Polícia Militar de Tatuí, estava com as fichas de inscrição para entregar às chapas com interesse de concorrer na eleição, mas a militar não foi procurada.

Desta forma, a atual diretoria, formada pelo presidente José Maria de Moura, vice-presidente Maria Aparecida Brandão e secretário Fernando Foster, provavelmente, deve ser reeleita por aclamação.

“As fichas de inscrição estão comigo e, na próxima reunião, já será feita a eleição. Até o momento, ninguém me procurou. Provavelmente, não deve haver nenhuma outra chapa interessada”, apontou a capitão Bruna.

No quinto ano seguido como presidente do Conselho Municipal de Políticas Culturais, Fernandes afirma acreditar muito em “ferramentas democráticas como os conselhos municipais”.

Ele ressalta que a população deve comparecer, cada um na área que atua, para debater mais sobre importantes questões de interesse da cidade. Segundo ele, “os conselhos são muito importantes e podem trazer muitos frutos”.

Fernandes reforça a necessidade de ser feito um “trabalho de formiguinha”, visando à conscientização e o alcance de novos interessados.

Conforme o presidente, “a participação ainda está, infelizmente, ligada a interesses pessoais. As pessoas querem saber o que irão ganhar ao participar de um conselho, e não enxergam o quanto os órgãos são importantes”.

De acordo com ele, há variantes, como o período político ou econômico, que impedem que a evolução seja visível à população, impossibilitando que as pessoas notem os impactos causados pelos conselhos municipais.

O presidente do conselho sustenta ser muito importante estar sempre buscando novos recursos, porém, afirma que todas as ações que realiza seguem a linha de os projetos culturais se tornarem autossustentáveis.

“Não podemos ficar dependendo de verba do governo A, B ou C. O artista deve saber se vender e aprender a lucrar. Ele não precisa ficar rico, mas deve poder viver bem através da cultura”, reforçou.

“Nós temos coisas muito boas em Tatuí, que devem ser melhor exploradas. Certamente, se nos unirmos, seremos mais fortes, pois o coletivo sempre tem uma solução melhor do que uma individual”, finalizou Fernandes.

Publicidade