Coluna de Jorge Rizek passa a fazer parte também da edição de quarta

Mudança busca dinamizar conteúdo na versão on-line e agilizar o impresso

1811
Jorge Rizek, na capa da revista que homenageou seus então 30 anos de colunismo social (foto: Du Arantes)
Publicidade

A partir desta quarta-feira, 6, a coluna de Jorge Rizek, que circula há mais de 34 anos em todos os domingos no jornal O Progresso de Tatuí, é desdobrada e passa a ser publicada também nas edições de quarta-feira.

Com a mudança, o bissemanário busca dinamizar o conteúdo on-line e agilizar o impresso, levando as informações de forma mais atualizada aos leitores.

“Esperamos, assim, contemplar nossos leitores com duas colunas por semana, recheadas de informações”, comentou o colunista.

O tatuiano Jorge Roberto Rizek atua de forma efetiva em várias áreas., entre elas, as de turismólogo por formação, produtor de eventos por aptidão e ativista social por paixão, o que justifica o sucesso dos textos e fotos publicados a cada semana.

A coluna social é publicada desde 1984, trazendo as principais notícias sobre sociedade, moda, noite e “life style”. A primeira edição circulou no dia 16 de setembro daquele ano.

Publicidade

São 34 anos de colunismo, a serem completados em setembro de 2018, registrando as transformações sociais, de comportamentos e tendências da Capital da Música.

Durante esse tempo, com alguns intervalos ocasionais, muitas mudanças ocorreram, desde a logomarca, que no ano de 1987 foi alterada três vezes e, a partir de então, ganha um novo visual a cada ano, até o conteúdo dos textos e imagens, sempre revistos.

O colunista Jorge Rizek, que acompanha Tatuí e seu progresso há quase 35 anos

No ano de 1986, por exemplo, o jornal mudou de formato e começou a publicar mais fotos. No ano seguinte, passou a ser bissemanário, sendo que a coluna social permaneceu por um ano apenas às quartas-feiras. Depois, a coluna era constante nas edições de fim de semana.

Segundo o colunista explicou, no começo, o projeto era escrever o que os semanários da cidade não contavam. “Queria mostrar o outro lado da notícia, ou certos acontecimentos que não estavam nos editoriais jornalísticos”, diz ele, em um especial publicado por O Progresso em 2014.

A primeira coluna social foi publicada a convite de Ivan Gonçalves, que havia acabado de assumir o jornal da família Ortiz de Camargo, justamente na época em que Rizek voltou a morar em Tatuí, após uma longa temporada de residência em São Paulo.

O colunista lembra que, no início, a coluna era publicada em um canto de página, somente com notinhas, sem fotos. “A coluna era datilografada na velha ‘Remington’, nos intervalos das festas, das intermináveis noites do Tro-lo-ló”, comenta.

Aos poucos, o espaço foi crescendo, ganhou uma página inteira e, depois, duas páginas, até que chegou a ser bissemanal e foi a primeira a ganhar cor nas páginas do jornal.

Assim como o próprio Rizek cita na apresentação do editorial do especial, desde a primeira publicação, a coluna social percorreu a linha do tempo da antiga impressão em linotipo até a digitação total. Depois, da chegada da internet à ascensão das redes sociais.

As mudanças são compreendidas como necessárias para acompanhar a evolução da tecnologia e o cotidiano dos cidadãos. “Isso vai ao encontro de deixarmos mais dinâmica as informações nesses tempos digitais”, observou Rizek.

O colunista ainda afirma ser sempre prazeroso vasculhar a cidade em busca de notícias, novidades, pesquisar letras de música, abrir o baú para procurar fotos. “Falar do tatuiano que faz sucesso aqui ou lá fora, mostrar o outro lado da cidade e valorizar quem faz Tatuí acontecer”, ressalta.

Publicidade