‘Cenografia do Conservatório’ segue exposta no MHPS até próximo mês

Jaime Pinheiro apresenta a importância da utilização dos recursos cênicos

299
Exposição apresenta obras produzidas por Jaime Pinheiro ao longo dos últimos 40 anos (fotos: AI Prefeitura)
Publicidade
Da redação

A exposição “Cenografia do Conservatório de Tatuí” permanece disponível à visitação no MHPS (Museu Histórico “Paulo Setúbal”). A mostra tem curadoria do artista plástico e cenógrafo Jaime Pinheiro e é promovida pelo equipamento cultural da prefeitura, em parceria com o Conservatório e a Abaçaí Cultura e Arte.

O objetivo da exposição é apresentar a importância da utilização dos recursos cênicos. A visitação é gratuita e pode ser feita até o dia 16 de fevereiro, de terça-feira a domingo, das 9h às 17h.

A exposição apresenta inúmeras obras produzidas pelo artista ao longo dos últimos 40 anos, como elementos cenográficos e adereços que fizeram parte de produções artísticas e espetáculos.

Além disso, estão expostas obras produzidas em trabalhos de pesquisa particulares do artista plástico – que está à frente do curso de cenografia e em diversas produções pedagógicas e artísticas realizadas pelo Conservatório.

Pinheiro ressalta que a exposição é uma oportunidade de o público em geral conhecer como é executado o material de cena e os processos que envolvem a produção cenográfica, desde a criação até os recursos necessários para cada espetáculo.

Publicidade

Os elementos cênicos criados por Pinheiro têm como característica a utilização de materiais reciclados (objetos e móveis que seriam jogados no lixo) e produtos de baixo custo, como o TNT e papelão.

O museu está situado na praça Manoel Guedes, 98, no centro. Mais informações são obtidas no Setor de Agendamento, pelo telefone (15) 3251-4969. Quem preferir, pode solicitar outros dados pelo e-mail museupaulosetubal@tatui.sp.gov.br.

O cenógrafo

Jaime Pinheiro é graduado em educação artística, com habilitação em artes plásticas e especialização em design. Trabalhou como professor de cenografia e teatro de animação na Universidade de Sorocaba de 2008 a 2010 e 2012.

É cenógrafo no Conservatório de Tatuí desde a década de 90, responsável por projetar e executar cenários para concertos, shows, festivais e teatro. Na mesma instituição, mantém curso de cenografia e adereços.

Pinheiro também foi professor de desenho, técnicas de materiais expressivos, fundamentos da expressão artística, desenho de observação e cenografia na Associação de Ensino Tatuiense, de 1996 a 2010.

Além disso, o cenógrafo participou de diversos projetos para teatro, shows musicais, espetáculos de dança, teatro de animação e vários outros eventos para diversos grupos artísticos, como o Esparrama, Cia. Mútua, Coletivo Cê, TV Cultura, Encantoria, Baleteatro Mônica Minelli, Fred Astaire e Pindorama, entre outros.

Também fez direção, cenografia e bonecos dos espetáculos “Pedro e o Lobo” e “Cruzada de Crianças”, assim como bonecos, cenografia, figurinos e adereços para Ingrid Koudela, em espetáculos nos anos de 2008, 2009, 2010 e 2012.

Ainda trabalhou nas óperas “Dido e Enéias”, de Henry Purcell (2009), “Orfeu no Inferno”, de Jacques Offenbach (2011), e “A Peste e o Intrigante”, de Mário Ficarelli (1985).

Pinheiro atua e desenvolve pesquisas na área de teatro de animação, com trabalhos apresentados em São Paulo, Santa Catarina e Portugal.

Tem trabalho autônomo como ilustrador e em artes gráficas, além de projetos especiais na área de design, como troféus, móveis, ambientes e arquitetura, como o saguão do Conservatório, entre outros.

Realizou as instalações cenográficas do Museu Histórico de Tatuí e foi coordenador do Festival Estadual de Cururu, do Conservatório.

Publicidade