Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe atinge 6.486 pessoas

213
Publicidade





Amanda Mageste

Vacinas contra a gripe são disponibilizadas nos postos de saúde do município

 

A Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe começou dia 22 e, até sábado, 26, segundo Marilu Rodrigues da Costa, coordenadora da Vigilância Epidemiológica, atingiu 6.486 pessoas, o que representa 17,4% do total da população definida pelo governo. Segundo a coordenadora, o município está na média do Estado.

De acordo com Marilu, a campanha está programada para seguir até dia 9 de maio, sexta-feira. Porém, devido aos feriados no mês de abril e o que terá em maio, pode ser que a vacinação tenha a data de finalização prorrogada se não atingir 80% da população-alvo, ou seja, 37.233 pessoas.

Publicidade

No sábado, 26, ocorreu o “Dia D” em todo o Estado. Aqui em Tatuí, de acordo com a coordenadora, foi um “sucesso”, pois 3.441 foram vacinadas.

“Toda vez que a gente faz uma campanha do “Dia D”, é superdevagar e, neste ano, muitas pessoas foram se vacinar”, ressaltou.

As vacinas estão disponibilizadas gratuitamente aos idosos com mais de 60 anos, gestantes, puerperais (mulheres que deram à luz recentemente) com até 45 dias após o parto, crianças com idade entre seis meses e cinco anos, indígenas, pacientes diagnosticados com doenças crônicas e profissionais de saúde.

“É importante reforçar, aos pais e responsáveis, que a faixa etária para a vacinação contra a gripe entre as crianças foi ampliada neste ano. Todas as crianças entre seis meses e quatro anos de idade podem tomar a vacina gratuitamente em qualquer posto de vacinação”, ressaltou a diretora de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Helena Sato.

De acordo com Marilu, a população de doentes crônicos aumentou bastante do ano passado para este, de 4.500 para 12 mil pessoas.

“Há aquelas pessoas que não possuem doenças crônicas, mas pegam “cartinhas” dos médicos. Nós não vamos recusar, vamos fazer a vacina, por isso aumentou o número de doentes. Eu sei que não é essa população (12 mil), mas vou fazer todas as vacinas”, explicou Marilu.

As “cartinhas” são recomendações por escrito ou receitas emitidas por médicos, informando qual patologia a pessoa possui.

Marilu explica que doentes crônicos que fazem algum programa na atenção básica de saúde não precisam de cartas médicas, pois há cadastro de todos eles.

Conforme a coordenadora, qualquer pessoa pode tomar vacina. Porém, o governo trabalha com um grupo prioritário, pois “não tem condições de dar para a população inteira”.

De acordo com Marilu, o grupo de prioridades é para pessoas que possuem mais chances de terem complicações decorrentes de gripe.

“Há estudos que mostram que as crianças têm mais chances de pegar gripe e desenvolver pneumonia; idoso e gestante, a mesma coisa”, ressaltou a coordenadora.

Marilu disse que, se a meta de 80% for atingida até o final da campanha, há a possibilidade de vacinar a população no geral, com a sobra de 20% de doses emitidas pelo governo. De acordo com Marilu, todos os postos de saúde da cidade, inclusive da zona rural, possuem doses.

A coordenadora afirmou que as vacinas são bem toleradas e incapazes de desenvolver a gripe. Porém, se a pessoa já estiver com resfriado, pode não dar tempo de a dose fazer efeito.

“Vale esclarecer que a vacina não provoca, de maneira nenhuma, gripe em quem tomar a dose, pois é feita de pequenos fragmentos de vírus, que são incapazes de causar qualquer infecção”, afirmou Helena.

A contraindicação, segundo Marilu, é para pessoas que possuem reação anafilática a ovos de galinha ou derivados.

“Mas, são casos de choque anafilático, se a pessoa come ovo e entra em choque”, explicou Marilu, que acrescentou que há pessoas que passam mal ao ingerir ovos, mas não necessariamente possuem reação anafilática.

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, a vacina imuniza contra a gripe H1N1, influenza A H3N2 e B.

Marilu disse que as pessoas que estiverem “acamadas”, sem condições de sair de casa, podem telefonar ao 3259-6358, que uma equipe se desloca até o local para aplicar a vacina.

De acordo com dados emitidos pela Secretaria da Saúde de São Paulo, no Estado, somente no “Dia D”, 1,5 milhão de pessoas foram vacinadas entre 8h e 16h de sábado, 26.

“Do total vacinado em todo o Estado, 805.758 foram idosos com 60 anos ou mais, 396.303 crianças entre seis meses e menos de cinco anos de idade, 74.759 gestantes e puerperais, 90.551 trabalhadores da saúde, 1.391 indígenas e 190.611 pacientes diagnosticados com doença crônica”, informou a Secretaria de Saúde de São Paulo.


Publicidade