Alergias – parte II

425
Publicidade
Dr. Jorge Sidnei Rodrigues da Costa – Cremesp 34.708 *

Picadas de insetos

Algumas crianças apresentam hipersensibilidade alérgica à saliva de insetos que causam uma lesão típica na pele ao serem picadas – uma pápula avermelhada com coceira intensa, às vezes. É também chamada de prurigo estrófulo.

Deve-se tomar cuidado com picadas de Hymenopteras (abelhas e vespas) que são muito venenosas e potencialmente alergênicas e que podem provocar reação de hipersensibilidade imediata, em situações graves comprometer as vias aéreas e levar à morte por choque anafilático, por edema de glote (“fechamento da garganta e dificuldade intensa para respirar”).

Alimentar

Leite de vaca (as suas três proteínas: caseína, lacto albumina e lacto globulina), ovos (clara e gema), peixes, trigo, soja, tomate e algumas frutas cítricas são os alimentos mais comuns que podem provocar alergia nas crianças.

Publicidade

Os sintomas mais comuns são: vômitos, dores de estômago, diarreia e urticária, e também problemas respiratórios, como chiado no peito, crises de espirros, nariz trancado.

Urticária e angioedema

Causa uma reação na pele que é vista pelo aparecimento de “placas” proeminentes. Intensa coceira na maioria das vezes, com períodos de exacerbação ou desaparecimento em poucas horas ou dias.

É comum a urticária ser acompanhada de angioedema, que é uma inflamação no tecido celular subcutâneo e provocar edema (inchaço) nos olhos, lábios, língua, orelha e que, em casos mais graves, pode “fechar” a glote (edema de glote), na garganta e provocar uma falta de ar intensa, que precisa de socorro imediato, senão pode levar à morte por asfixia.

Principais alérgenos

O pó de casa, o ácaro e o mofo são considerados os principais alérgenos causadores de doenças respiratórias alérgicas. O mofo e o bolor, que contêm alérgenos conhecidos como esporos de fungos, geralmente estão presentes em casas com grande teor de umidade.

Os ácaros como Dermatofagoides pteronissynus, Dermatofagoides farinae e Blomia tropicalis (este último mais comum em nosso meio) são a causa principal de alergenos causadores das alergias como asma e rinite.

Pelos de animais

O convívio com animais domésticos, como cachorros, gatos, cavalos, coelhos, pássaros, etc., também pode determinar uma reação alérgica e o agravamento do quadro asmático. Os pelos dos animais contêm alérgenos altamente agressivos.  Colchões de crina, travesseiros de penas, assim como cobertores de lã animal, também podem provocar a crise de alergia.

Perfumes, inseticidas, odores

Os fortes odores de substâncias químicas como inseticidas, ceras, desodorantes de ambientes, colas e até aquele perfume forte que você gosta de usar também podem afetar o asmático. Use o seu bom senso na utilização desses produtos e de outros que você possa acrescentar a esta lista, não os utilizando, quando o asmático estiver dentro de casa.

Elementos de poluição do ar

Não é novidade nenhuma, mas vale a pena lembrar que uma casa com o cheiro de fumaça de fumo (cigarro de qualquer tipo), vapores de cozinha, resíduos de queimadas, defumadores de ambientes e outros elementos que reduzam a pureza do ar, inclusive garagem com gases de descarga de automóveis, torna-se um ambiente prejudicial não só para o paciente alérgico como também para as pessoas normais.

Alérgenos alimentares

Em crianças, alguns alimentos são alérgenos em potencial. Chocolate, tomate, morango, frutos do mar e leite de vaca são alguns exemplos. A observação dos pais, para determinar que alimento pode ser o causador da reação alérgica, é fundamental.

O médico deve ser imediatamente informado a respeito de qualquer suspeita da mãe. Por exemplo, crianças com inflamações frequentes dos ouvidos (otite serosa) podem ser alérgicas ao leite de vaca.

Outros fatores

Além dos alérgenos citados, vale lembrar que outros fatores podem afetar o paciente alérgico. São alguns fatores chamados de desencadeantes da crise, tais como: mudanças bruscas de temperatura, bebidas geladas, esforço físico excessivo ou repentino, tensão nervosa ou emocional. A atitude a ser tomada é evitar ou prevenir tais situações.

Lembre-se

A melhor ajuda que a família pode dar ao paciente alérgico é não o considerar uma criança anormal, auxiliando-o a conviver com as situações determinadas pela doença alérgica e seus fatores desencadeantes.

A melhor maneira de tratar a alergia é procurar um médico alergista, para fazer o diagnóstico, encontrar os alérgenos responsáveis e fazer um tratamento específico. Na próxima edição, vamos falar dos tratamentos existentes atualmente para as alergias.

Fonte: arquivos próprios.

* Médico pediatra com título de especialista em pediatria desde 1981.
Publicidade