A locomotiva que não cospe fogo

620
Publicidade

A partir do governo do estado de São Paulo, Tatuí teve oportunidade, neste dia 15, de receber notícias realmente positivas, além de marcar a inauguração do Complexo Educacional “Acassil José de Oliveira Camargo”, com a presença do governador João Doria.

O novo espaço municipal, localizado no bairro Nova Tatuí, passa a também abrigar a sede ampliada do projeto “Ayrton Senna da Silva”. Por isto mesmo, além das autoridades tatuianas e integrantes da família Oliveira Camargo, a cerimônia teve a presença do empresário Leonardo Senna (irmão do piloto Ayrton Senna).

A área do complexo soma 6.873 metros quadrados, com 1.646 metros quadrados construídos. A proposta é atender 800 crianças do ensino fundamental I (1º ao 5º ano) no contraturno escolar e, ainda, oferecer atividades e oficinas abertas à comunidade, no período da noite, podendo totalizar mais de 1.200 atendimentos diários.

No imóvel, foram investidos mais de R$ 4 milhões, com recursos do município. O espaço soma ginásio de esportes, campo de futebol, área de lazer com piscina e 11 salas internas. Serão 14 oficinas, entre elas, de letramento, leitura, informática, robótica, lógica e experiências matemáticas, natação e outros esportes, educação artística, recreação, meio ambiente e música.

A intenção da Secretaria Municipal de Educação é oferecer, ainda, oficinas abertas à comunidade, com aulas voltadas aos alunos que não podem comparecer ao local nos períodos do contraturno.

Publicidade

Durante a inauguração, Doria anunciou a destinação de quase R$ 50 milhões em recursos para a cidade. Desse valor, devem seguir R$ 10 milhões para a Educação, R$ 4 milhões para recapeamento asfáltico e mais de R$ 35 milhões para a construção de um novo trevo de acesso na SP-127.

Junto ao presidente da CCR SPVias, José Salim Kallab Fraiha, Doria informou que o novo acesso a Tatuí será efetivado a partir do quilômetro 110 da SP-127, no entroncamento da SP-129.

Ainda durante o evento, o governador anunciou a construção de uma escola de ensino médio no Jardim Santa Rita de Cássia. Atualmente, a região não conta com o serviço, levando os alunos a serem encaminhados a escolas do centro da cidade.

“A educação vem acima de tudo, essa é uma grande conquista. Asfalto é bom, trevo é bom, mas a educação é ótima. É isso que muda a história de um povo e de uma nação”, declarou Doria.

“Sem educação de qualidade, nós não vamos transformar o Brasil em uma grande nação. Emprego e educação são o binômio do progresso, e essas são as prioridades do governo do estado de São Paulo”, acrescentou.

O governador ainda oficializou convênio firmado em dezembro com a prefeitura para a transferência de recursos do estado destinados à execução de mais de 119 mil metros quadrados de recapeamento asfáltico, que somam R$ 5,2 milhões em investimentos.

Do total do convênio, R$ 4 milhões são de responsabilidade do estado e o restante, da prefeitura. O prazo para a execução do convênio é de 720 dias, contados a partir da data de assinatura, em 26 de dezembro de 2019.

Entre as boas novidades, sem dúvida, é preciso destacar a ênfase na Educação (com “E” maiúsculo). Muito distante de por em suspeição o trabalho dos profissionais da área – e o próprio “saber” adquirido de maneira didática e científica -, o que se nota, pela postura do estado, é o contrário: incentivo e crença no conhecimento.

Pode vir daí, na maior parte, justamente a diferença de crescimento entre o estado de São Paulo e o país no ano de 2019. Nesta semana, o governo paulista divulgou dados comparativos, evidenciando a disparidade.

Na prática, a economia de São Paulo teve crescimento de 2,8% no Produto Interno Bruto (PIB), em 2019, segundo dados do Banco Central, divulgados na segunda-feira, 17. Com esse desempenho, o estado apresentou expansão maior que o triplo da média nacional, que somou 0,9%.

O crescimento da economia paulista destacou-se em todos os setores. Na indústria, enquanto o Brasil recuou 1,1%, São Paulo cresceu 0,2%. Já o comércio estadual expandiu-se 2,4%, acima do 1,8% da média nacional. Para o setor de serviços, a diferença foi ainda maior: 3,3% em São Paulo e 1% no país.

“São Paulo foi o principal motor do crescimento brasileiro em 2019, graças a uma melhora em todos os nossos setores, que tiveram desempenho bem acima do que o restante do país”, declarou, em nota à imprensa, o secretário da Fazenda e Planejamento do estado, Henrique Meirelles.

Em 2019, São Paulo gerou quase 185 mil novos empregos – cerca de um terço do total de 644 mil gerados em todo o país, a melhor performance entre todas as unidades da federação.

A taxa de desemprego paulista, que estava acima da nacional desde o fim de 2014, praticamente retornou à média nacional. Em relação a dezembro de 2018, a taxa recuou 0,9% (de 12,4% para 11,5%), enquanto a nacional recuou 0,6% (de 11,6% para 11,0%).

Segundo a assessoria do governo paulista, “diversas ações vêm contribuindo para esses resultados expressivos, com foco no fortalecimento da indústria, na realização de concessões e de privatizações e na melhoria do ambiente de negócios”.

Novos modelos de incentivos ao setor produtivo, como os concedidos aos setores hortifrutigranjeiro e automobilístico, também teriam contribuído para o resultado.

“Esses benefícios têm estimulado a economia, mas sem fragilizar a situação fiscal de São Paulo. No ano passado, o estado teve um superávit de R$ 18,3 bilhões – o melhor resultado primário desde 2010 -, graças às medidas de cortes de gastos e de aprimoramento e à expansão das receitas. Sem elevar alíquotas e nem criar novos tributos, o estado aumentou a arrecadação em 3,4% no ano”, conclui a nota do governo.

Frente aos números (imunes às fake news, porque “não mentem”), fica a questão: será que, além do maior apreço à Educação e das medidas na área econômica, São Paulo se deu melhor que o país em 2019 também por outro motivo?

Talvez, menos tempo perdido com ofensas generalizadas, acusações sem fundamento, perseguições à imprensa, entreveros injustificáveis e a nível internacional, paranoias, desprezo à democracia e manifestações de toda sorte (ou azar) de extremismos e preconceitos tenha contribuído com o desempenho do governo paulista…

Seguramente, no entanto, pode-se concluir que São Paulo segue como a “locomotiva do Brasil”. E melhor ainda porque em um caminho com menos turbulências, mais seguro, tranquilo e, principalmente, sem cuspir fogo para todos os lados.

Publicidade