Mortes naturais têm queda de 31,8% em Tatuí no mês de outubro de 2021

Registro Civil indica redução em comparação ao mesmo mês de 2020 e 2019

10
Registro Civil indica redução em comparação ao mesmo mês de 2020 e 2019
Publicidade
Da reportagem

O número de mortes por causas naturais apresentou nova redução em Tatuí, desta vez no mês de outubro. Os dados são apontados em levantamento do Portal da Transparência do Registro Civil, administrado pela Arpen-Brasil (Associação Nacional dos registrados de Pessoas Naturais).

O órgão aponta um total de 58 óbitos declarados em outubro de 2021, 31,76% a menos que os 85 registrados no décimo mês de 2020. Em comparação a outubro de 2019 (63), o número de mortes representa queda de 7,93%.

O Portal da Transparência é atualizado diariamente por todos os cartórios do país. As estatísticas se baseiam nas declarações (documentos preenchidos pelos médicos que constatam os falecimentos) que dão origem às certidões de óbitos, registradas nos cartórios para a liberação dos sepultamentos.

Desde o início da pandemia, a plataforma do Registro Civil passou a informar dados de óbitos por Covid-19 (suspeita ou confirmada), e, ao longo dos meses, novos módulos sobre óbitos por doenças respiratórias e cardíacas foram adicionados ao portal, com filtros por estado e município.

As mortes por causas naturais são resultado de doença ou mau funcionamento interno dos órgãos, e, nesta classificação, estão inclusos os óbitos por Covid-19, SRAG (síndrome respiratória aguda grave), pneumonia, insuficiência respiratória e septicemia, que é o choque séptico.

Publicidade

Até às 14h de segunda-feira, 1º, o registro apontava que, no mês de outubro deste ano, cinco pessoas haviam perdido a vida por pneumonia, uma por insuficiência respiratória e quatro por septicemia. Não houve morte por causa indeterminada (ligada a doença respiratória, mas não conclusiva) e por SRAG.

Além disso, o levantamento mostra um total de quatro mortes por Covid-19 em outubro. Contudo, a assessoria de comunicação do portal explica que, quando na declaração de óbito há menção de Covid-19, coronavírus ou novo coronavírus, considera-se como causa a Covid-19 (suspeita ou confirmada).

Entre as causas cardiovasculares, o levantamento aponta cinco mortes por AVC, cinco por infarto e quatro por questões vasculares inespecíficas. Outros 30 óbitos estão relacionados a outros tipos de doenças.

No décimo mês de 2020, dez pessoas perderam a vida por pneumonia, seis por insuficiência respiratória e 12 por septicemia. Não houve morte por SRAG ou causa respiratória indeterminada em outubro do ano passado.

Além disso, o levantamento mostra um total de 15 mortes por Covid-19 em outubro de 2020. Entre as causas cardiovasculares, o levantamento aponta seis por AVC, dez por infarto e cinco por causas vasculares inespecíficas. Outros 21 óbitos estão relacionados a outros tipos de doenças.

A base de dados é abastecida em tempo real pelos atos de nascimentos, casamentos e óbitos (naturais e violentos) registrados nos Cartórios de Registro Civil do país. Os números ainda podem ser alterados, uma vez que o portal tem prazo legal de até 14 dias para lançar os óbitos.

A família tem até 24 horas após o falecimento para registrar o óbito em cartório, o qual, por sua vez, tem até cinco dias para formalizar o falecimento e, depois, até oito para enviar o ato à Central Nacional de Informações do Registro Civil, que atualiza a plataforma.

Dez meses

Mesmo com a queda no número de mortes em outubro, 2021 continua como o ano mais mortal. Os números levantados pelo portal mostram que os casos de mortes por causas naturais nos meses de janeiro a outubro tiveram aumento de 39,64% em comparação ao mesmo período do ano passado e de 57,35% em relação aos primeiros dez meses de 2019.

Conforme o relatório, de janeiro a outubro de 2021, 1.166 mortes por diversas causas ocorreram na cidade. Já no ano passado, foram 835 declarações de óbitos nos dez meses e, em 2019, 741 – antes da pandemia.

O registro dos primeiros dez meses deste ano aponta duas mortes por SRAG, 95 por pneumonia, 48 por insuficiência respiratória, 64 por septicemia, duas por causa indeterminada e 388 por Covid-19.

Entre as causas cardiovasculares, o levantamento apresenta 67 mortes por AVC, 68 por infarto, 94 por causas vasculares inespecíficas e outros 338 óbitos relacionados a outros tipos de doenças.

Nos mesmos dez meses de 2020, houve 3 registros de morte por síndrome respiratória aguda grave, 117 por pneumonia, 45 por insuficiência respiratória, 81 por septicemia e 2 por causas respiratórias indeterminadas.

Além disso, no mesmo período do ano passado, 96 pessoas faleceram por Covid-19, 73 por AVC e 69 por infarto e por causas vasculares inespecíficas – outros 297 óbitos estão relacionados a outros tipos de doenças.

Publicidade