MEC autoriza Faesb a abrir turmas para curso de medicina veterinária

514
Entidade inicia formação de veterinários a partir de 2021 em curso com duração de cinco anos (Foto: Divulgação)
Publicidade
Da reportagem

O MEC (Ministério da Educação) publicou no DOU (Diário Oficial da União) a portaria 307/2020, que autoriza o funcionamento do curso de medicina veterinária na Faesb (Faculdade de Ensino Superior Santa Bárbara), de Tatuí.

A unidade informa que serão disponibilizadas cem vagas anuais com o novo curso, para o período noturno, na modalidade presencial. As inscrições ao vestibular abriram na segunda-feira, 26 de outubro, e seguem até o preenchimento das vagas.

A primeira turma de veterinária – sétimo curso de graduação aberto pela entidade no município – começará a frequentar aulas em fevereiro de 2021. Essa é a previsão divulgada pelo diretor-geral da Faesb, Antonio David Julian.

A O Progresso, Julian divulgou o vestibular, falou sobre o processo de implantação do curso e antecipou que a faculdade tem planos de começar o processo de implantação de novos cursos na modalidade EAD.

Até este ano, a instituição recebeu alunos de administração, ciências contábeis, direito, enfermagem, psicologia e engenharia agronômica. A partir de fevereiro, a entidade também inicia a formação de médicos veterinários, a partir de curso com duração de cinco anos.

Publicidade

O processo de implantação de medicina veterinária teve início em 2018, por conta de “demanda da microrregião”. Conforme Julian, o desenvolvimento do município e das cidades próximas fez aumentar o interesse pela carreira.

“A medicina veterinária tem muita procura, principalmente porque já oferecemos o curso de agronomia. São áreas afins e uma completa o outra. Como o profissional já está no campo e a atividade que exerce envolve os dois cursos, a formação fica mais completa”, argumentou o diretor.

O MEC autorizou oficialmente a instituição tatuiana a abrir o curso por meio da portaria publicada no DOU, dia 16 de outubro. O curso será ofertado, inicialmente, apenas no período noturno e para cem alunos.

“Aguardamos dois anos por esta autorização e, agora, estamos criando toda a estrutura física necessária para oferecer um curso de qualidade aos nossos alunos”, informou o diretor, acrescentando estar construindo novos laboratórios e adaptando salas conforme as exigências da grade curricular.

O diretor disse haver diversas áreas de atuação para o formado em medicina veterinária, apontando a necessidade desse tipo de profissional em setores fortes da região, como a avicultura (poedeira e de corte), suinocultura e bovinocultura leiteira.

“Isso sem falar da possibilidade de trabalho em clínicas e outras áreas com grandes animais. Esta formação vem fortalecer não só a nossa cidade. Temos alunos em um raio de cem quilômetros, então, este curso vai interferir na qualidade dos profissionais que vão atuar em toda a microrregião”, completou o diretor.

Segundo Julian, a entidade está montando uma matriz curricular completa e “preocupada em formar alunos com excelência e valorizar alguns aspectos importantes da medicina veterinária”.

“A preservação da saúde pública e animal, a questão da defesa sanitária, a inspeção, a tecnologia dos produtos de origem animal, entre outros aspectos, são importantes e fazem parte das disciplinas abordadas no curso, para que o aluno tenha uma capacidade profissional de excelência”, enfatizou o diretor.

Ele destacou a possibilidade de cursar a medicina veterinária dentro da microrregião como uma oportunidade aos alunos interessados na formação. Antes da aprovação pelo MEC, o curso era encontrado somente em cidades “mais distantes”, como Sorocaba, Itapeva, Avaré e Salto.

“O profissional formado tem um leque enorme de oportunidades, e quem é da nossa região e sonha em trabalhar nesta área agora tem um curso de qualidade mais próximo de casa. O curso vai das 19h às 23h, com toda a estrutura necessária para o aluno se formar com qualidade”, completou Julian.

Conforme o diretor, a faculdade planeja formar parcerias com setores públicos e privados, “colaborando com a economia do município, corte de gastos no setor de zoonoses e oferecendo serviços à comunidade”.

“O setor de zoonoses é responsável pelo descarte dos animais mortos, e o município precisa pagar para fazer isso da forma adequada, de acordo com a legislação. Com o curso, nós podemos aproveitar muitos desses animais em nossos laboratórios e o município vai acabar economizando com este descarte”, exemplificou.

Julian ainda apontou que a unidade poderá oferecer serviços ajudando na recuperação dos animais carentes vítimas de acidentes.

“Em caso de atropelamento de um animal, por exemplo, poderemos ajudar na recuperação e, depois, inseri-lo novamente no meio onde ele vive. Tudo isso é um trabalho que pretendemos fazer no decorrer do curso”, concluiu.

Os interessados podem preencher ficha no site da instituição (www.faesb.edu.br). Mais informações a respeito do curso e vestibular são fornecidas pelo telefone 3259-3838 ou pelo WhatsApp (15) 99804-6889. A Faesb fica na rua 11 de Agosto, 2.900, no Jardim Lucila.

Publicidade