Iniciado processo de transferência do 1º e 2º DP ao ‘complexo da PC’

252
Publicidade





Escrivães do 1º e do 2º distritos já ocupam parte das celas da extinta Cadeia Pública de Tatuí. Eles começaram a trabalhar no “complexo da Polícia Civil” desde a semana passada e estão em “fase de acomodação”.

A previsão é de que delegados e investigadores das duas unidades passem a despachar também em novo endereço nos próximos dias.

Os distritos policiais foram unificados por determinação do governo do Estado em julho de 2011, ano em que passaram a ocupar um mesmo edifício, na rua 15 de Novembro.

As transferências marcam a segunda etapa da fase de unificação da PC e dão início à ocupação definitiva do imóvel da antiga Cadeia Pública. Desativada em 2006, ela teve reforma viabilizada por convênio entre o governo e Prefeitura.

Publicidade

De acordo com o delegado titular do município, José Alexandre Garcia Andreucci, as equipes dos distritos estão mudando na medida em que novos móveis chegam ao complexo. Mobiliários e equipamentos de informática estão sendo adquiridos por licitação via Seccional de Itapetininga.

O processo de compra começou no início do mês, após a conclusão da reforma e ampliação do complexo. As obras ficaram a cargo da Camargo Engenharia Construções, tendo sido encerradas no dia 4 deste mês. A finalização aconteceu no prazo de um ano – seis meses antes do previsto.

Em maio do ano passado, o empresário e proprietário da empreiteira que vencera a licitação, Dirceu Vieira de Camargo, informou que o contrato previa o término de todas as obras (construção e reformas) em 540 dias (um ano e meio).

O complexo inclui novo prédio para o plantão policial (no primeiro piso) e para os escrivães e investigadores da Delegacia de Polícia Central (no térreo), além de reforma das salas do cartório central, de atendimento, dos delegados titular (Andreucci) e assistente (Emanuel dos Santos Françani) e do prédio da antiga cadeia.

Em acordo com os delegados e funcionários, Andreucci destinou o novo prédio para uso do SIG (Setor de Investigações Gerais) e para o plantão policial – que abriga a Central de Flagrantes.

O projeto original previa que o imóvel fosse ocupado pelo plantão e pela DDM (Delegacia de Defesa da Mulher). Esta última, no entanto, deverá ser transferida para o prédio do antigo Jecrim (Juizado Especial Criminal), na praça da Bandeira, 53, no centro.

O delegado conseguiu, por meio de doações junto à iniciativa privada, a implantação de projeto de paisagismo, de iluminação e uma fonte de água para a extinta Cadeia Pública. As melhorias não estavam previstas no convênio.

Nomeado gestor da obra, Andreucci aumentou o espaço do Cartório Central e realocou os investigadores, conforme a empreiteira dava andamento nas obras.

Também mudou a sala de recepção e determinou a construção de um novo estacionamento, com acesso pela rua Pastor Júlio Sanguinetti.

O complexo da PC ainda segue sem data definida para inauguração. Uma cerimônia deverá ser marcada para a entrega oficial das obras. O evento depende da agenda de duas autoridades para acontecer: o prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu, e o governador do Estado, Geraldo Alckmin.

Também são aguardadas presenças dos delegados Marcelo Murat (seccional de Itapetininga) e Luiz Mauricio Souza Blazeck (delegado-geral de Polícia).


Publicidade