Iniciada a intervenção em área que abrigará fábrica local da Zoomlion

235
Publicidade





A Secretaria Municipal de Infraestrutura, Meio Ambiente e Agricultura confirmou nesta semana a realização de intervenções no terreno que abrigará a futura unidade da multinacional chinesa Zoomlion. Desde o dia 15 mês, funcionários da Prefeitura estão “destocando árvores”, conforme informado pela assessoria do Executivo.

Em nota, o setor de comunicação informou que as obras não são de terraplanagem, conforme dito pelo vereador Marcio Antonio de Camargo (PSDB), na sessão ordinária da Câmara Municipal, terça-feira, 24.

O parlamentar questionou o uso de equipamentos da Prefeitura, afirmando ter ido ao local para filmar a “poda de árvores frutíferas” (pé de laranja).

Ele também comentou que postou um vídeo em rede social sobre o assunto e questionou uma publicação atribuída ao prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu, também em rede social.

Publicidade

Conforme o vereador, o prefeito teria publicado, no dia 20 deste mês, nota afirmando que os funcionários municipais iniciaram limpeza do terreno da empresa.

Segundo Camargo, o texto indicava que a empresa “vai gerar mil empregos diretos e que as obras representavam uma ação para agilizar a instalação da multinacional chinesa”.

Ele disse, por fim, que a nota indicava que parte das laranjas dos pés arrancados seria destinada ao Banco de Alimentos. No entanto, de acordo com o parlamentar, esse repasse não teria existido.

A Prefeitura contestou as informações do vereador, informando que uma máquina e um operador foram destinados ao trabalho na área que fica à margem da rodovia Antônio Romano Schincariol (SP-127), próxima ao fórum. O terreno adquirido pela multinacional chinesa tem oito alqueires.

Ainda segundo a Prefeitura, o trabalho será finalizado no prazo de 15 dias. “Toda ação está prevista pelo Pró-Tatuí, dentro dos benefícios e facilidades de atração de novas empresas”. O início de construção da fábrica é previsto para 2015.

Destaca, ainda, que “não houve qualquer dano ao meio ambiente e que toda a operação teve autorização e acompanhamento dos órgãos de fiscalização”.

A Prefeitura informou, também, que as laranjas que puderam ser aproveitadas para consumo foram, sim, entregues ao Banco de Alimentos. Segundo o Executivo, elas foram encaminhadas para entidades assistenciais, sendo três delas contempladas: Casa do Irmão de Rua, Força para Viver e Cooperativa de Reciclagem.

Até a tarde de sexta-feira, 24, a Prefeitura contabilizou uma tonelada de laranjas.

As negociações entre a Prefeitura e a Zoomlion Heavy Industry Science & Technology Company avançaram em 2012. Até o ano passado, o nome da companhia não era confirmado oficialmente pelo Executivo, por conta de uma cláusula de confidencialidade prevista no termo de compromisso assinado pelo Executivo e por representantes da multinacional, em dezembro daquele ano.

O documento foi assinado pelo ex-prefeito Luiz Gonzaga Vieira de Camargo (PSDB) e pelo atual, na época eleito, Manu (PMDB). Ainda em 2012, Manu havia informado que assinou o protocolo para “dar segurança aos investidores”.

Em maio de 2012, representantes da companhia estiveram em Tatuí. Os executivos reuniram-se com Gonzaga e os secretários municipais à época, Luiz Paulo Ribeiro da Silva (Fazenda e Finanças) e Aniz Eduardo Boneder Amadei (Governo e Negócios Jurídicos).

O encontro aconteceu no paço municipal e teve objetivo de discutir a possibilidade de Tatuí sediar o novo investimento. O município estava entre um dos cogitados (entre três Estados) para receber uma unidade fabril da Zoomlion.

A empresa é listada como uma das 500 marcas mais valiosas da China, tendo sido fundada em 1992. Atualmente, tem quase 20 mil funcionários nas bases de produção e operação localizadas em Hunan, Shangai, Shaanxi, Cantão, na China, e Milão, na Itália. Ela é focada na fabricação de máquinas de construção.

Ainda em março, a Zoomlion projetava investir R$ 500 milhões no Brasil, para competir no mercado nacional. O montante, no entanto, duplicou. Somente em Tatuí, a companhia deverá aplicar R$ 1 bilhão para a construção da planta.

Para colocar o projeto em prática, a companhia deve contar com incentivos do Programa de Incentivo ao Desenvolvimento Econômico e Social do Município de Tatuí – o Pró-Tatuí. Os benefícios estão listados no protocolo de intenções.

A Prefeitura deverá conceder aos investidores chineses isenções de tributos, como: IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano); alíquota do ISS (Imposto Sobre Serviços); taxa de licença para execução de obras particulares e demais tributos; taxa de licença para abertura, localização e funcionamento; além de ITBI (Imposto Sobre Transmissão “Inter Vivos” de Bens Imóveis).

O Pró-Tatuí também prevê incentivos financeiros “em razão do incremento da empresa ao valor adicionado do município”. Além disso, o Executivo poderá auxiliar a multinacional com ações de assistência e apoio, tais como: obras de infraestrutura e malha viária no entorno do imóvel; suporte para instalação de serviços públicos (água, esgoto e energia elétrica); e coleta de lixo.

Outra possibilidade oferecida pelo programa é a realização de serviços de terraplanagem e limpeza do terreno onde haverá a construção da unidade fabril.


Publicidade