GCM realiza operação para impedir uso de cortantes em linha de pipa

688
Em operação no Jardim Rosa Garcia II agentes apreenderam pipas, carretilhas e carretéis (foto: AI Prefeitura)
Da reportagem

A Guarda Civil Municipal informou, nesta terça-feira, 16, que está intensificando a “Operação Cerol” em todos os bairros da cidade. Ação visa impedir o uso de cortantes em linhas de pipas e pode render multa aos usuários do material cortante.

De acordo com o comandante da GCM, Antonino José Rodrigues da Costa, a GCM já realizava a operação com frequência, contudo, com um acidente ocorrido na semana passada, as equipes intensificaram patrulhamento na cidade.

Um motociclista de 52 anos sofreu ferimentos no pescoço ao ser atingido por linha de pipa com cerol, na sexta-feira, 12. O acidente aconteceu nas imediações da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), no Jardim Wanderley.

O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionado por populares e o paciente (identificado pelas iniciais J.S.L.) foi levado ao Pronto-Socorro “Erasmo Peixoto”. O paciente precisou de pontos para saturar o corte e se recupera em casa.

“A gente já estava fazendo as operações de forma quinzenal, mas, com o acidente, vamos intensificar as fiscalizações nos bairros, além de incentivar e continuar atendendo aos casos de denúncias, que também podem ser feitas pelos telefones 199 e 153”, assegurou o comandante.

Em operação no Jardim Rosa Garcia II, no final de maio, agentes apreenderam seis pipas com cerol, 6 carretilhas, 30 carretéis grandes de linha “chilena” e 4 carretéis pequenos do mesmo material.

Ele acentua que a operação busca conscientizar crianças e adolescentes sobre os riscos da utilização do material, além de prevenir acidentes com linhas cortantes, que podem causar acidentes graves, lesões, mutilações e até a morte de pedestres, motociclistas e ciclistas, além de curtos circuitos e danos em redes e fiações elétricas.

“Mesmo com as regras de isolamento social, ainda existem muitas pessoas saindo de casa e para brincar de pipa. Isso é comum entre crianças e adultos, mas o problema maior é que muitos usam o cerol, e, aí, a brincadeira vira assunto sério”, observou o comandante.

Costa ressaltou que, conforme a lei estadual 12.192, de 6 de janeiro de 2006, é proibido o uso de cerol ou qualquer produto semelhante que possa ser aplicado em linhas de papagaios ou pipas.

Aquele que não cumpre a lei pode ser multado em cinco Ufesps (Unidade Fiscal do Estado de São Paulo), sem prejuízo da responsabilidade penal.

Ainda segundo a lei, quando o infrator é menor, os pais são os responsáveis, e as despesas correm “por conta das dotações orçamentárias próprias”.

“Nós vamos aos lugares onde está ocorrendo a brincadeira e, se identificarmos o uso do cortante, as viaturas recolhem todo o material. Tudo é apreendido e encaminhado para a delegacia, como orientado pela lei. Além disso, rende uma multa pesada para quem descumprir”, completou o comandante.