Escolas públicas e particulares suspendem aulas a partir de segunda

311
Emef "Eugênio Santos", uma das escolas com as aulas suspensas (foto: Altair V. Camargo)
Publicidade
Da redação

Escolas públicas e particulares da cidade anunciaram, nesta semana, a suspensão das aulas por causa do novo coronavírus. As medidas seguem orientação do governo de São Paulo. A paralisação ocorre a partir de segunda-feira, 23.

Além das escolas estaduais, as redes municipais e particulares também vão adotar a suspensão das aulas nos mesmos moldes do governo estadual, assim como faculdades e escolas técnicas.

Na sexta-feira da semana passada, 13, o governador emitiu decreto orientando a suspensão gradual das atividades a partir de segunda-feira, 16. Durante a semana, as unidades deveriam orientar os alunos e pais que comparecessem à escola. No entanto, algumas instituições de ensino já pararam totalmente as aulas.

Na Faesb (Faculdade de Ensino Superior Santa Bárbara), as aulas foram suspensas já na quarta-feira, 17. A instituição informou em nota que, inicialmente, a medida vai até o dia 30 de março, contudo, pondera que a iniciativa adotada será reavaliada “de forma contínua e permanente, para que a retomada das aulas presenciais se dê assim que possível”.

Nesta segunda-feira, 16, as coordenações de cursos, direção acadêmica e geral estiveram reunidas para estruturar as ações pedagógicas a serem aplicadas no período em que as aulas presenciais estiverem suspensas.

Publicidade

Conforme a unidade, todas as informações serão enviadas nos e-mails institucionais da turma e também estarão disponíveis, a partir de 26 de março, no site oficial da faculdade, na área do aluno. Os setores administrativos, a princípio, devem manter as atividades.

O Centro Paula Souza (CPS) vai antecipar, a partir de segunda-feira, 23, o recesso escolar de todos dos professores das escolas técnicas (Etecs) e faculdades de tecnologia (Fatecs) por 30 dias.

Na Etec “Sales Gomes” e na Fatec “Professor Wilson Roberto Ribeiro de Camargo”, os recessos, inicialmente programados para determinados períodos entre os meses de abril, julho e outubro, serão concentrados entre os dias 23 de março e 21 de abril.

Durante esta semana, entre os dias 16 e 20, foram realizadas capacitações de supervisores e gestores pedagógicos regionais para a utilização de plataformas eletrônicas para trabalho e ensino a distância.

A partir do dia 23, serão disponibilizadas capacitações on-line para professores, coordenadores pedagógicos e de cursos com o intuito de retomar as atividades com os alunos utilizando ambiente virtual. Os servidores administrativos também iniciaram treinamento para executar funções on-line.

Para a rede estadual, a Secretaria Estadual da Educação homologou a deliberação aprovada pelo Conselho Estadual que permite que atividades realizadas por meio de EAD (ensino a distância) aos alunos do ensino fundamental e médio, durante o período de suspensão das aulas, possam ser computadas como dias letivos. O documento foi publicado no Diário Oficial na quinta-feira, 19.

A medida é uma forma de garantir as 800 horas de atividades escolares obrigatórias por lei para que se cumpra o ano letivo. As aulas na rede estadual de São Paulo também começaram a ser suspensas desde segunda-feira.

A secretaria estadual estuda uma forma de implantar uma plataforma em EAD para este período de distanciamento social. A ideia é que a plataforma reúna atividades pedagógicas, agregue tarefas e conteúdos que ajudem os professores a avaliar e compor notas aos estudantes. Também há expectativa de que, por meio deste canal, haja videoaulas com os docentes da rede.

O órgão também afirma que está estruturando como deverá ser feita a comprovação das atividades realizadas à distância para que de fato sejam contabilizadas como dias letivos.

De acordo com o secretário Rossieli Soares, a pasta ainda trabalha com a hipótese de encaminhar material pedagógico impresso, via correio, aos alunos do ensino fundamental.

Para Soares, é importante que as crianças, principalmente as dos anos iniciais mantenham o ritmo de estudo para que não comprometa o processo de alfabetização. “Estudos mostram que longos períodos de recesso podem trazer prejuízo à aprendizagem”, disse, em nota.

O secretário reforçou que o ensino a distância não pode ser configurado apenas por meio da tecnologia. A própria deliberação aprovada pelo Conselho Estadual descreve que, para minimizar as perdas dos alunos com a suspensão das aulas, serão válidos todos os recursos disponíveis, desde orientações impressas com textos, estudo dirigido e avaliações enviadas aos alunos/família, bem como outros meios remotos diversos.

A partir do dia 23, 100% das aulas ficam suspensas por tempo indeterminado. Haverá, entretanto, a presença de funcionários nas secretarias para fazer o atendimento ao público e garantir a rotina de trabalho administrativa das escolas.

Nas escolas municipais, a presença dos alunos do ensino fundamental (incluindo EJA e Projeto “Ayrton Senna”) foi facultativa nesta semana e as aulas serão suspensas, por tempo indeterminado, a partir de segunda-feira, 23.

Na educação infantil (creches e pré-escolas), a presença dos alunos será facultativa por tempo indeterminado. A situação será avaliada semanalmente, segundo informado pela prefeitura, por meio de nota à imprensa.

Embora as aulas estejam suspensas, a prefeitura disponibilizará a merenda escolar para todos que necessitarem. Cada aluno interessado deve entrar em contato com a escola em que estuda para receber mais detalhes sobre a distribuição da alimentação, ou no https://www2.tatui.sp.gov.br/arquivos/coronavirus/UnidadesPolo.pdf

Publicidade