Empréstimos geram atrito na Santa Casa

260
Publicidade





Cristiano Mota

Centro cirúrgico da santa Casa passa por reforma para transformação de hospital em ‘estruturante’

 

Pronunciamentos do vereador Antonio Marcos de Abreu, o Marquinho da Santa Casa (PP), em sessão da Câmara Municipal no início do mês, geraram atrito entre membros da diretoria da Santa Casa. O parlamentar, que é vice-provedor do hospital, se diz “voto vencido” sobre o que chamou de “ação temerária”: a contratação de empréstimos pela diretoria.

Ao fazer uso da palavra, Abreu apresentou uma série de questionamentos em requerimentos endereçados à provedora da Santa Casa, Nanete Walti de Lima.

Publicidade

No pronunciamento, ele chegou a falar que temia o fechamento do hospital, por conta de comprometimento das finanças em função de empréstimos.

Os argumentos apresentados por Abreu foram rechaçados pela provedora e pelo tesoureiro, João Prior, nesta semana. Os dois solicitaram espaço em O Progresso para apresentarem contrapontos que negam o pronunciamento do vereador.

Apesar de divulgar que o hospital trabalha com um déficit anual de mais de R$ 1 milhão, Prior afirmou que os empréstimos são “perfeitamente administráveis”. Ele relatou que a Santa Casa precisa deles para dar continuidade aos serviços e que cumprirá com todos os pagamentos.

Também afirmou que a situação financeira do hospital não está em risco e que a diretoria está adotando uma série de medidas que provam que a Santa Casa não fechará as portas, como aventou o vereador.

Entre as ações divulgadas pelo tesoureiro e pela provedora, está a reforma do centro cirúrgico. O espaço pode ser usado como referência por meio de programa a ser implantado em convênio com o governo do Estado de São Paulo.

Na Câmara, Abreu apresentou três requerimentos com perguntas sobre medidas adotadas pela diretoria da Santa Casa. O vereador está no quadro de diretores, mas não administra o hospital desde o ano passado, quando houve reformulação.

Durante a discussão dos requerimentos, ele ocupou a tribuna para dizer que a “preocupação era grande”. Abreu questionou a Prefeitura e o Conselho Municipal de Saúde.

Do Executivo, solicitou dados sobre os integrantes do conselho e os servidores que auditam prestações de contas feitas pelo hospital. Do órgão, quer saber se houve aprovação das operações financeiras feitas pelo hospital.

Conforme Abreu, entre o ano passado e este, a Santa Casa já contraiu três empréstimos. Dois, somados, dão mais de R$ 70 mil, e se está viabilizando um quarto, no valor de mais de R$ 3 milhões, na modalidade consignado.

“A Santa Casa já fez um empréstimo de mais de R$ 2 milhões. Tem mais da metade para ser pago e já está falando que vai fazer outro?”, questionou o vereador.

Abreu justificou que está preocupado com a situação financeira do hospital porque a diretoria estaria usando recursos do SUS (Sistema Único de Saúde) de “modo antecipado”.

Conforme ele, o dinheiro a ser empenhado para pagamento das prestações será, ainda, encaminhado pelo SUS como custeio de atendimentos futuros a serem feitos com pacientes atendidos pelo sistema.

Também conforme o parlamentar, o hospital deverá registrar queda de receita. A razão seria a saída do PA (pronto atendimento) do convênio médico Unimed, por conta da inauguração de hospital próprio. Com isso, a Santa Casa deve ter menos R$ 350 mil (em média) mensais no caixa como fonte de receita.

O vereador contestou a decisão da diretoria e disse que, dessa forma, entende que o hospital terá dificuldades. Abreu afirmou que discorda do posicionamento da provedoria e citou que, no final do ano, o hospital terá déficit superior a R$ 2,3 milhões.

“Aonde vamos chegar? Eu estou aqui para abrir os olhos, porque não é possível uma coisa dessas”, declarou durante a sessão.

A maior crítica do vereador é com relação ao comprometimento da receita por parte do hospital, já que as parcelas serão descontadas do dinheiro que o SUS repassará ao Fundo Municipal de Saúde. “Estão antecipando para recursos para cobrir um empréstimo. Não é possível uma coisa dessas”, repetiu.

De acordo com documentos apresentados pelo parlamentar, a Santa Casa contraiu três empréstimos entre 2013 e 2014. Dois deles, feitos via Bradesco, não estariam sendo quitados.

O vereador afirmou que a Santa Casa retirou R$ R$ 36.618,75 para pagar em 36 meses, tendo quitado somente 11 parcelas; e mais R$ 38.296,86 no mesmo prazo, com somente oito parcelas pagas.

Além dos débitos, o vereador questionou a contratação de Prior. Conforme ele, trata-se de um funcionário cedido pelo Executivo para atuar no hospital e não membro levado pela diretoria.

Antes de deixar a tribuna, o parlamentar reforçou que temia o fechamento da Santa Casa por causa dos empréstimos. No entendimento de Abreu, o hospital pode falir. “A tendência é fechar, porque não vai ter receita”, declarou.

O pronunciamento do vereador repercutiu nos meios de comunicação ainda na semana passada. Também provocou “desconforto” na diretoria do hospital, que contatou a reportagem de O Progresso para contradizer o parlamentar.

Em entrevista, a provedora refutou a possibilidade de fechamento do hospital. “Nós não vamos fechar a Santa Casa, em hipótese alguma”, iniciou.

Ela também afirmou que o pronunciamento do vereador trouxe “dor de cabeça” para a diretoria, uma vez que gerou preocupação por parte de fornecedores.

De modo a contrapor as alegações de Abreu, Nanete divulgou projetos que estão sendo iniciados e melhorias. Conforme ela, a Santa Casa vem recebendo inúmeros recursos, como verbas de deputados para obras que permitirão expansão.

O hospital está cadastrado em todos os programas dos governos estadual e federal. Entre eles, o Santas Casas SUStentáveis, do governo estadual, que consiste em verba de auxílio financeiro às instituições filantrópicas para atender pacientes do SUS.

O programa já contemplou entidades na região, como o HFC (Hospital dos Fornecedores de Cana), da cidade de Piracicaba.

A provedora disse que os empréstimos não vão comprometer a receita do hospital, uma vez que a diretoria passará a ter “complementos importantes em 2015”.

Por meio do Santas Casas SUStentáveis, por exemplo, a entidade receberá, mensalmente, verba de R$ 159 mil. “É um valor ótimo”, considerou.

Em outra frente, a diretoria diz estar melhorando as condições de funcionamento da Santa Casa, sem necessidade de uso do valor obtido por meio do empréstimo.

É o caso de verbas destinadas por deputados estaduais e federais que estão sendo aplicadas, já neste ano, para compra de autoclave (utilizada para lavagem e esterilização de roupas da equipe médica, de enfermagem e de pacientes) da Santa Casa, pronto-socorro e maternidade.

Nos próximos meses, o hospital deve receber uma nova autoclave e mais um aparelho de raio-X. A autoclave será destinada exclusivamente para a maternidade. Atualmente, a Santa Casa possui duas máquinas, sendo uma mais antiga.

Com as projeções de investimentos, a diretoria está planejando implantação de ala de psiquiatria, para atender a Raps (Rede de Atenção Psicossocial).

Para isso, no entanto, é necessário que Tatuí tenha implantado o Caps (Centro de Atenção Psicossocial), anteriormente. O centro representa a porta de entrada para o Caps AD (Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas).

Outra fonte de receita programada pela diretoria é a transformação da Santa Casa em “hospital estruturante”. Conforme Nanete, o governo do Estado está criando uma rede sustentável de hospitais para realização de cirurgias eletivas.

Trata-se de operações realizadas quando “não há pressa”, sendo opcionais, como uma vasectomia, por exemplo. Para dar conta da demanda, Nanete afirmou que o governo do Estado propôs a criação de uma rede pela qual as operações serão realizadas.

Sorocaba e Itapetininga, que possuem hospitais regionais, são consideradas estratégicas. Tatuí entra na rede como estruturante, para dar estrutura às unidades dos dois municípios. A implantação da rede vai melhorar o atendimento à população, aumentando o número de ofertas das cirurgias eletivas.

Como contrapartida, o governo realiza reforma do centro cirúrgico da Santa Casa. O Estado também pagará 40% do faturamento SUS que o hospital já tem. Com isso, a SC terá aumento no recurso via Sistema Único de Saúde.

O valor contratual recebido pela Santa Casa, por meio do SUS, corresponde a praticamente R$ 650 mil por mês. Esse montante é dividido para atendimento da cota de 460 pacientes, via AIH (autorização de internação hospitalar).

O repasse ao hospital é feito pela Prefeitura. “A nossa cota do SUS nos dá ‘X’ em reais por mês. Com a condição de hospital estruturante, vamos ter aumento de 40% dessa verba, que vamos usar para investimento”, disse o tesoureiro.

Ainda que a previsão de faturamento aumente, Nanete relatou que o hospital tem de recorrer aos empréstimos por conta do déficit mensal. A Santa Casa opera com prejuízos, que giram em média em R$ 135 mil por mês.

“Além deste prejuízo, ela carrega um ônus mensal em torno de R$ 290 mil para rolar dívidas anteriores”, alegou Prior, em relatório entregue à reportagem.

O déficit é atribuído pela diretoria, principalmente, por conta da defasagem da tabela SUS (valor repassado pelo governo por paciente atendido com emissão da AIH). Conforme Nanete, o SUS não atualiza a tabela há 12 anos.

Por paciente do SUS, a Santa Casa recebe R$ 1.359,50. Entretanto, eles custam para o hospital, em média, R$ 1.721,17, deixando “um prejuízo de R$ 361,67”. Com um número de 465 pacientes por mês, o hospital registra déficit de R$ 168.539,04, segundo calculou o diretor tesoureiro.

Ainda conforme Prior, o “rombo” torna-se maior porque o hospital atende mais que 460 pessoas por mês, que é o número da contratualização junto ao SUS.

“Nós não podemos deixar de atender as pessoas. Não dá para fechar e dizer: ‘paramos de receber pacientes’. Então, temos prejuízos”, disse a provedora.

Dentro do cálculo apresentado pelo hospital, a soma também apresenta resultados negativos porque o custo da maioria dos pacientes extrapola o valor recebido. Nesse caso, o motivo consiste nos dias que os pacientes passam em internação.

De acordo com o tesoureiro, o valor recebido por AIH preconiza internação de um ou dois dias – caso de cirurgias como vesícula e hérnia.

A média de tempo que um paciente do SUS fica no hospital, no entanto, é de 3,7 dias, maior que a de pessoas atendidas por meio de convênio particular (1,9 dia).

Conforme Prior, isso ocorre porque muitos pacientes do SUS são internados mais de uma vez. Na segunda “entrada”, uma nova AIH é emitida, mas não gera repasse caso o paciente seja o 461 atendido, e assim por diante.

Dentro desse panorama, o tesoureiro disse que os empréstimos são necessários para manter o hospital funcionando. Os recursos obtidos pela diretoria junto aos bancos são aplicados, também, no pagamento de dívidas anteriores.

A provedora alegou que esse tipo de operação financeira “não é novidade” para a diretoria. Nanete ressaltou que a atual administração – da qual o vereador faz parte, mas afirmou que não responde pelas decisões – já realizou empréstimos. “Principalmente, para pagar o 13º dos funcionários”, adicionou.

Conforme a provedora, o SUS faz o repasse mensal utilizado no pagamento dos funcionários e demais custos. Entretanto, não há um recurso adicional para pagar os encargos trabalhistas no final do ano. Daí, o hospital recorrer aos empréstimos, também, para poder cumprir com as obrigações.

Além de ter entrada menor que a saída, Prior argumentou que a Santa Casa “carrega um passivo financeiro muito grande”. Conforme ele, como a conta no final do ano fecha em negativo, o saldo é adicionado ao valor devedor do hospital. “Ano após ano, ele vai girando. Estamos em torno de R$ 15 milhões”, comentou.

Até agosto deste ano, o relatório apresentado pelo tesoureiro apontou que o compromisso financeiro até dezembro deste ano (por conta das dívidas que estão sendo renegociadas ou que estão em aberto) totalizou R$ 14.689.815,53.

O valor, no entanto, deve ser bem maior, uma vez que a diretoria precisará somar o déficit anual (pelo acumulado dos 12 meses). Até agosto, esse saldo negativo estava em R$ 1.065.076,93, elevando o compromisso em R$ 15 milhões.

“Para renegociarmos esse passivo, precisamos do empréstimo”, reforçou Prior. O tesoureiro disse, ainda, que o hospital não corre o risco de “se endividar demais” com os empréstimos por conta do limite de comprometimento dos recursos a receber e que serão repassados por meio do SUS.

De acordo com ele, a parcela a ser utilizada no empréstimo não pode ultrapassar 30% desse recurso. Os R$ 3 milhões que devem cair na conta do hospital nos próximos dias serão quitados em parcelas de R$ 74 mil por mês.

Prior afirmou que o valor corresponde a 15% do limite, deixando uma folga ao hospital. Isso significa que a Santa Casa poderia, ainda, contrair um novo empréstimo no mesmo montante, prazo de pagamento e parcela que estaria dentro da margem de segurança.

O vereador contestou a alegação, afirmando que mais empréstimos devem comprometer ainda mais o caixa da Santa Casa. Abreu afirmou que “recebeu informações de que o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) dos funcionários não estaria sendo depositado”, e afirmou que o hospital tem ainda outros débitos que não estão sendo pagos pela atual administração.

A intenção da Santa Casa, porém, é quitar os dois empréstimos feitos junto ao Bradesco em 36 meses. Dos R$ 3 milhões, a metade deve ser aplicada para a quitação e a outra metade, para quitar parcelamentos de “dívidas”, segundo Prior.

Em entrevista a O Progresso, Abreu disse que não só a ideia é ruim, como “temerosa”. Afirmou, também, que a solução poderia ser a inclusão de novos convênios.

Segundo o vereador, duas empresas tentaram negociar com o hospital, sem sucesso. Em julho do ano passado, a Amil chegou a anunciar projeção de captação de 15 mil clientes em três anos e a implantação de um centro médico 24 horas, em parceria com a Santa Casa. Os projetos, no entanto, não vingaram.

Também conforme Abreu, outra empresa procurou o hospital para fazer credenciamento. O vereador afirmou que a MediSanistas não concluiu o projeto por conta de uma exigência que teria sido feita pela diretoria: o pagamento de uma complementação de R$ 757 diretamente aos médicos (por médico).

A informação consta em troca de e-mail entre o vereador e o diretor comercial da empresa que fazia a intermediação da MediSanitas com a Santa Casa. Abreu cedeu uma cópia do documento impresso para a reportagem.

Sobre os convênios, a provedora afirmou que o hospital está, sim, buscando novos investimentos. Também afirmou que a diretoria vem renegociando com as empresas valores a serem pagos de forma a melhorar a receita e reduzir o déficit.

Tudo isso deve ocasionar em um “respaldo” a ser sentido a partir de 2015. “Importante ressaltar que esse déficit também se deve a alguns acertos trabalhistas, de contas antigas, que estouraram agora, nessa gestão”, disse o tesoureiro.

Como exemplo, citou processo movido por uma empresa que fornecia médicos para o serviço de retaguarda do pronto-socorro.

Segundo Prior, houve rompimento de contrato “antes da hora”, o que fez a empresa entrar na Justiça para receber R$ 1,4 milhão. Além disso, o hospital também deve, aproximadamente, R$ 1,1 milhão em conta de água.

“Tudo isso forma nosso passivo financeiro. Mas, o nosso sonho, o que nós precisamos, é que a Prefeitura suplemente em 100% a deficiência do SUS”, falou ele.

Caso isso aconteça, a Santa Casa poderia utilizar os recursos obtidos junto a convênios para equilibrar as contas, quitando parcelamentos ou dívidas vencidas.

Independentemente disso, o hospital vem recebendo outros repasses. Neste ano, a diretoria captou R$ 1 milhão, sendo R$ 500 mil de antecipação de devolução viabilizada pela Câmara Municipal, por meio da Prefeitura; e R$ 500 mil em emenda parlamentar, a pedido do prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu.

Prior afirmou, ainda, que a Santa Casa de Tatuí, como todas as demais do Brasil, enfrenta um “problema congênito”. O tesoureiro destacou que elas, originalmente, eram tidas como um patrimônio das comunidades e tinham as necessidades supridas quase que na totalidade com filantropias (doações).

“Ocorre que, com a interferência cada vez maior do governo na saúde pública e mais notadamente partir da lei 8.080, de 1990, da criação do SUS, as Santas Casas passaram a ser prestadores de serviços suplementar de saúde, com contratos realizados através das prefeituras”, argumentou o tesoureiro.

Com isto, Prior afirmou que “vêm ocorrendo problemas que instabilizam financeiramente as instituições”. O principal é que a população deixou de apoiar financeiramente as Santas Casas, por entender que o serviço oferecido por elas passou “definitivamente a ser um compromisso do governo”.

“A Santa Casa de Tatuí não está imune a este mal. É uma entidade antiga, fundada em 1895. Nunca teve problemas de continuidade operacional, ou seja, nunca parou. Mas, luta com dificuldades para manter-se”, encerrou o tesoureiro.


Publicidade