Diniz Polo deixa a organização da ‘São Silvestre’ de Tatuí neste ano

346





Arquivo o Progresso

Largada no ano passada atraiu centenas de participantes; prova deste ano ainda está sendo discutida

 

“Não tenho mais condições de fazer. Aí, em conversas, decidi passar a tarefa para frente”. As dificuldades em obter patrocínio, divulgar o evento, realizar inscrições e preparar a logística fizeram com que Diniz Polo revisse a realização de uma de suas maiores – senão a maior – criação: a “Corrida Rural dos Mirandas”.

Neste ano, ele deixa a organização da “São Silvestre” tatuiana, como passou a ser conhecida a corrida de rua realizada no dia 31 de dezembro (como a Corrida Internacional de São Silvestre). Sai com o “sentimento de dever cumprido” e como um “pai que deixa o filho mais novo tomar o próprio rumo”.

Com o evento, Polo deu oportunidade a velocistas e projeção ao bairro. Além da “Festa do Divino”, o Mirandas conta com a corrida rural. O bairro oferece percurso que intercala subidas e descidas consideradas leves ao longo de cinco quilômetros, sendo necessárias duas voltas para os dez quilômetros.

Por telefone, Polo informou que se despediu da competição com tristeza. Ele passou a missão para a Secretaria Municipal de Esporte, Lazer e Juventude. Segundo o idealizador, neste ano, o evento ficará a cargo da Prefeitura.

“O responsável será o Natalino Pedreschi Júnior, o Magoo”, informou o ex-organizador. Polo disse que não tem condições físicas de realizar a corrida. No ano passado, ele havia contado com a ajuda de familiares para realizar a competição. Polo recebeu apoio especial da filha Viviane Polo Botelho.

“Não dá mais para a gente fazer. É muito trabalho e responsabilidade. Vai chegando a idade e isso pesa. Eu, agora, estou sozinho, e fica impossível”, argumentou.

Com apoio de amigos e parentes, ele realizou a “São Silvestre” tatuiana por dez anos. A ideia da família era encerrar o ciclo da competição na décima edição. “Eu queria parar antes, mas minhas filhas me ajudaram e me disseram que era para a gente completar, pelo menos, dez anos”.

Em uma década, Polo afirmou que conquistou muitas alegrias. “Sinto muito ter largado. Para mim, é uma coisa triste e boa, ao mesmo tempo. Tenho recebido muitos elogios, e fico contente em ter iniciado o evento”.

Apesar da despedida, o idealizador disse que continuará a apoiar o evento. Polo informou que se prontificou a apoiar a secretaria na realização da prova. “Ela (a corrida) representa um filho para mim. Uma coisa que nasceu aqui e que eu vou carregar para o resto da vida”, comentou.

Vindo de Santo André, no Grande ABC (Santo André, São Bernardo e São Caetano), Polo trouxe o gosto do esporte aos tatuianos. “Participava, desde criança, de atividades em clubes. Nunca fui profissional, mas gosto de esporte”, relatou.

O hábito de praticar atividades físicas veio com ele e virou uma modalidade esportiva até então não tão difundida no município: a corrida. A competição ganhou “corpo” com o cenário, que, com o passar dos anos, foi se alterando.

Durante os dez anos de prova, o Mirandas ganhou pavimentação asfáltica, base da GCM (Guarda Civil Municipal) e novas linhas de ônibus. O desenvolvimento ajudou a atrair mais moradores e o bairro passou a crescer.

“Eu ainda vou ver crescer mais. Faço de tudo e não quero que esse movimento se acabe. Espero que ele continue. Por isso, me prontifiquei a ajudar a Prefeitura no que estiver ao meu alcance”, sustentou.

“Estou com 76 anos. A cabeça e o corpo não ajudam. Chega uma hora que somos obrigados a parar. Mas eu espero que a prova continue por muitos anos”.

A Prefeitura informou que está finalizando o cronograma para a realização da prova nos próximos dias. De acordo com o secretário municipal do Esporte, a equipe que ficará responsável pela competição está realizando reuniões para definir regulamento, percurso, premiação e prazo de inscrição.