Cidade teve registro no ano passado de dois casos de raiva animal

298
Publicidade





Dois casos de raiva animal tiveram registro em Tatuí em 2012. O número apresentado pelo coordenador da Vigilância em Saúde, Máximo Machado Lourenço, refere-se a diagnósticos em um bovino e um equino. Conforme ele, não houve contaminação de cães e gatos (animais domésticos).

Lourenço destacou que a doença tem sido mantida sob controle no município e no Estado de São Paulo e que a Prefeitura programa, para dois finais de semana, ações de vacinação contra a doença.

As imunizações de cães e gatos da zona urbana estão previstas para os dias 23 e 30, totalizando 20 pontos, dez em cada dia.

Os da zona rural já começaram a ser vacinados desde o mês de setembro, quando a secretaria recebeu os primeiros lotes das doses. Entre os bairros percorridos, estão: Tijuco Preto, Guardinha e dos Fragas.

Publicidade

“São locais bem distantes da cidade, percorridos de ‘porteira em porteira’”, disse o coordenador. Além das vacinas, funcionários do Setor de Zoonoses, da Vigilância Epidemiológica, estão promovendo o censo de animais domésticos.

De acordo com a Prefeitura, a meta é verificar o número de animais existentes no município e as condições “de sobrevivência e o tratamento que eles recebem”. Entre as questões abordadas junto aos proprietários, estão as de acomodações, higiene, alimentação e esterilização.

Neste mês, tanto a campanha como o censo chegam à zona urbana. As vacinações serão realizadas em 20 pontos, criados para “otimizar os serviços”. A lista com os locais de vacinação no centro (dez no dia 23 e dez no dia 30) deverá ser definida – e divulgada – nos próximos dias.

Segundo Lourenço, os animais que vivem em bairros periféricos serão imunizados nas próprias residências. A secretaria realizará, a partir da segunda-feira da próxima semana, 18, aplicações de doses “de casa em casa”.

Os proprietários que estiverem ausentes no momento em que as equipes passarem pelos imóveis deverão procurar a secretaria para garantir a vacinação. “Pedimos que as pessoas liguem na Zoonoses para que possamos agendar uma data específica, ou fornecer a vacina”, disse Lourenço.

A imunização na zona urbana, neste ano, acontece um pouco mais tarde. Nos anos anteriores, teve início entre agosto e setembro. O coordenador explicou que isso ocorreu por conta de atraso no repasse das vacinas por parte da Secretaria Estadual de Saúde.

De acordo com Lourenço, a pasta estadual repassa, por meio do Instituto Pasteur, as doses para os municípios. “Nós dependemos da disponibilização de insumos, principalmente da vacina. Este ano, eles (a Saúde) atrasaram. Por isso que atrasou bem a nossa estratégia de campanha e logística”.

O coordenador destacou, ainda, que as vacinas que já estão sendo distribuídas em Tatuí são “de excelente qualidade”, tendo sido testadas por órgãos competentes.

Lourenço afirmou que as doses que começaram a ser aplicadas na zona rural são as mesmas oferecidas aos animais no ano passado.

“Nós não tivemos nenhum problema de reação adversa. Aliás, as vacinas conferem maior imunidade para os cães e gatos que são vacinados”, complementou.

Em Tatuí, a secretaria estima vacinar 21 mil cães e 3.500 gatos. A expectativa é de que a campanha deste ano atinja cobertura vacinal de 80% da população canina. A Prefeitura recebeu perto de 27 mil doses.

São Paulo não registra casos de raiva humana desde 2000. Lourenço afirmou que a raiva canina e felina ainda está “circulante” no Estado, mas, principalmente, em função da presença de morcegos.

Segundo o coordenador, Tatuí não teve registro de raivas em animais domésticos. Os dois casos do ano passado acometeram animais que viviam na área rural e que seguem calendário de imunização próprio, determinado pelo Ministério da Agricultura.

“Apesar disso, eles não representam riscos para a população da cidade”, concluiu.


Publicidade