Cidade ganha Ambulatório de Curativos

566
Publicidade





Cristiano Mota

Acompanhado de prefeito, Jorge Sidnei e de representantes da Saúde, José Luiz Barusso descerra placa inaugural

 

A última ação do médico José Luiz Barusso à frente da Secretaria Municipal da Saúde aconteceu na manhã de segunda-feira, 11. Ela correspondeu à inauguração do “Ambulatório de Curativos”, serviço que tem quatro salas e é referência no atendimento especializado para todo o município.

O ambulatório funciona anexo à UBS (unidade básica de saúde) “Antonio Rodrigues – Toninho Enfermeiro”, da vila Esperança. Ele atende pacientes que precisam de curativos por conta de diversas situações. Entre elas, feridas decorrentes de cirurgias e de problemas crônicos, como úlceras e diabetes.

Publicidade

Em entrevista, Barusso afirmou que o ambulatório atende a uma “necessidade antiga do município”. De acordo com ele, o espaço de cuidado de feridos é um dos poucos existentes na região. Além de Tatuí, só existem ambulatórios do tipo nas cidades de Itapetininga e Sorocaba.

Barusso explicou que o ambulatório conta com equipe independente da UBS. Em função disso, tem agendamento e consultas realizadas em paralelo ao posto de saúde e ao pronto atendimento, que funcionam no mesmo conjunto de prédios. O “complexo” fica na rua Coronel Lúcio Seabra, 21.

O expediente do ambulatório acompanha o da unidade básica de saúde (de segunda a sexta). Já o pronto atendimento mantém-se abrindo aos sábados e domingos.

Além de equipe especializada, Barusso citou que o espaço possui materiais específicos para a realização de curativos. “Muitos pacientes têm feridas crônicas e precisam de cuidados especiais. Da mesma forma, quem tem feridas cirúrgicas decorrentes de pós-operatório ou escaras”.

Segundo ele, o atendimento diferenciado possibilitará melhores condições de tratamento aos pacientes e deve gerar outro efeito. A meta é, ao mesmo tempo, permitir boa recuperação e desafogar as UBSs e o pronto-socorro municipal.

“Esses curativos que eram realizados lá, por causa da demanda, da necessidade, agora, passaram a ser feitos aqui”, disse o ex-secretário.

Barusso ressaltou que, em muitos casos, os postos de saúde não contavam com salas específicas para a realização dos curativos. Também tinham os funcionários comprometidos com esse tipo de atendimento, o que causava demora.

No ambulatório, os pacientes não precisam esperar por várias horas. Todos os atendidos são encaminhados pelas unidades básicas de saúde. Deste modo, a Saúde conseguiria reduzir o tempo de espera pelo atendimento e garantir que os tratamentos tenham “mais sucesso”.

Barusso disse que, na maioria das vezes, os tratamentos costumam ser demorados. “Temos pacientes que ficam seis, oito meses em tratamento, até que tenham condições de fazer um enxerto (transferência de tecido de um local do corpo para outro), ou outro procedimento, para melhorar a ferida”.

O ambulatório é composto por equipe multidisciplinar e permitirá acesso do paciente à farmácia da UBS quando houver recomendação para uso de medicamento.

Também será possível fazer, ao paciente, consultar-se com clínico-geral para encaminhamento a especialista (em caso de diabetes, ou outros problemas).

Barusso explicou que os pacientes são encaminhados pelos médicos dos postos de saúde. Os profissionais receberam orientação para diagnóstico prévio e, a partir disso, a solicitarem o atendimento especializado.

As triagens são submetidas a análise do médico Fábio Fucci, idealizador do ambulatório de curativo. Ele é responsável pelo “enquadramento” do paciente ao espaço e dos materiais e medicamentos necessários. Fucci também estabelece a periodicidade que o curativo precisa ser feito.

Outra meta dos profissionais é realizar uma espécie de “capacitação” dos familiares dos pacientes que residem longe da vila Esperança. A equipe quer, com isso, permitir que os parentes possam providenciar os curativos em pessoas que necessitem de muitas trocas por dia, ou até mesmo por semana.

“Isso ajuda muito a evitar grandes deslocamentos, porque existem muitas pessoas que não têm condições de vir para cá. E, se demorarmos muito para dar atendimento, muitas vezes, o quadro pode piorar. Nossa ideia é dar um atendimento de qualidade e, ao mesmo tempo, desafogar o pronto-socorro”, disse Barusso.

O trabalho de orientação aos familiares poderá ser feito, desta vez num segundo momento, por profissionais que atuam no PSF (Programa Saúde da Família).

De acordo com o ex-secretário, as equipes farão as orientações na medida em que visitarem as residências nos bairros cobertos pelo programa. Também poderão direcionar os pacientes para serem atendidos no ambulatório.

Inaugurado oficialmente no dia 11, o espaço já estava funcionando havia um mês. Ele marcou a despedida de Barusso à frente da pasta municipal – o médico respondeu como titular da Saúde pelo período de pouco mais de dez meses.

“A partir de hoje, estarei passando o cargo para o doutor Fábio Villa Nova”, disse ele. O ex-secretário afirmou que deixou a função “por opção” e que o ambulatório é fruto de projeto que estava sendo gestado havia dois anos.

“Finalmente, neste ano, nós conseguimos comprar materiais, e o prefeito Manu (José Manoel Correa Coelho) me brindou com a inauguração desse espaço”, disse.

Barusso afirmou que a secretaria deve entregar à população, até o final do ano, outras obras, como as reformas das UBSs no Rosa Garcia e da vila Dr. Laurindo.

Durante a solenidade, o ex-secretário leu discurso e lembrou ações realizadas pela administração pública no período em que esteve à frente da pasta municipal.

O médico iniciou discurso agradecendo ao prefeito pela oportunidade de ter comandado a Saúde. Cumprimentou autoridades e falou que a inauguração do ambulatório de curativos representava “um momento muito especial”.

Disse, também, que permaneceu no cargo a pedido do prefeito. Conforme Barusso, Manu fez questão que ele pudesse inaugurar e entregar o novo espaço à população.

O ex-secretário estendeu os agradecimentos aos vereadores e secretários municipais. Disse que tem muita admiração e respeito pelo prefeito e que conviveu por dez meses muito “harmoniosamente” com os secretários.

Destacou, ainda, o apoio que recebeu do “time do primeiro escalão do governo municipal”, dos companheiros de trabalho e dos funcionários da Prefeitura e da pasta da Saúde. Afirmou que a inauguração do ambulatório representou fruto de trabalho “não só de uma pessoa, mas de um grupo de profissionais”.

Barusso apontou que o novo serviço oferece tratamento digno e adequado aos pacientes do município e atenderá não só lesões superficiais, mas as ocasionadas por acidentes, cirurgias, queimaduras e úlceras varicosas.

Visivelmente emocionado, o ex-secretário disse que exerceu o cargo durante dez meses “com muita honra e diplomacia” e que a Saúde é a pasta “mais complexa e onerosa” da administração pública de qualquer município brasileiro.

Também afirmou que as dificuldades administrativas da pasta ocorrem porque a Saúde tem demandas urgentes, não podem aguardar liberação de recursos ou de emendas e que precisam ser “resolvidas no momento”.

Citou, como exemplo, pedidos atendidos pela pasta e apresentados por vereadores. Agradeceu, em especial, três deles: Jorge Sidnei Rodrigues da Costa (PMDB), Wladmir Faustino Saporito (Pros) e Carlos Rubens Avallone Júnior (PMDB).

Também se referiu aos coordenadores da Saúde e secretários municipais, além de mencionar o trabalho de Jorge Rizek, diretor do Departamento Municipal de Cultura e Desenvolvimento Turístico, na realização de eventos da Saúde.

“Todos devem estar lembrados dos primeiros dias da nossa administração”, disse. Entre dificuldades citadas, lembrou as chuvas que provocaram alagamentos em diversos setores.

Barusso citou que a Prefeitura registrou prejuízos no Pronto-Socorro Municipal “Erasmo Peixoto”. Afirmou que a secretaria iniciou reforma no ambulatório – obra que não teria sido concluída por falta de recurso financeiro e por conta dos trâmites burocráticos.

“Com certeza, até o final deste ano, ele será concretizado pela administração”, ressaltou.

Fazendo uma espécie de balanço das ações da secretaria, Barusso apontou 27 ações realizadas pela Prefeitura na área da Saúde durante o comando dele.

Entre elas, o término das reformas e adequações de unidades básicas de saúde nas zonas rural e urbana; e a transferência das instalações do CEP-CAR (Centro de Estimulação Precoce e Centro de Adaptação e Reabilitação).

O ex-secretário também comentou sobre a mudança de sede da assistência farmacêutica; a retomada das obras do Cemem (Centro Municipal de Especialidades Médicas); da UPA (Unidade de Pronto Atendimento); conclusões de reformas de postos na zona urbana e melhoria física no laboratório regional.

Barusso falou, ainda, sobre exames instituídos no município, como a obrigatoriedade do “teste do pezinho” na Maternidade “Maria Odete Azevedo”, da Santa Casa; e da implantação do teste rápido para detecção de HIV.

O secretário incluiu, na listagem, estudo de construção de nova UBS no Jardim Tóquio e a implantação de seis horas de trabalho para os servidores da Saúde.

Divulgou a aquisição de novas ambulâncias para o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e de ações como a “Semana da Enfermagem” e o “Dia da Mulher”.

Também divulgou a compra de novos equipamentos para manutenção de vacinas (freezers) e antecipou o funcionamento do serviço de diálise na UTI (unidade de terapia intensiva) da Santa Casa (reportagem nesta edição).

Barusso teve atuação destacada pelo vereador Jorge Sidnei. O líder do prefeito na Câmara disse que entendia o desgaste vivido pelo ex-secretário.

“Também já fui secretário da Saúde. Brinquei com ele que é uma cadeira que queima o bumbum. Realmente, queima, porque é muito cansativo”, afirmou.

Jorge Sidnei afirmou que o desgaste ocorre porque quem comanda a pasta administra um “subinvestimento”. “Infelizmente, no nosso país, não é de hoje, é histórico isso. Temos déficit muito grande de dinheiro. Enquanto que a Secretaria da Educação é rica, como disse o Barusso, a Saúde administra misérias”, argumentou.

Representando a Câmara, o vereador citou que os 27 itens focados pelo ex-secretário representam ações de “extrema importância” para a Saúde.

Jorge Sidnei comentou que o município tem grande aporte da Santa Casa e que o hospital auxilia no atendimento das “patologias secundárias e terciárias”.

Afirmou, ainda, que vários serviços de Saúde tiveram aprimoramento no município e reclamou do posicionamento de “alguns vereadores”.

Sem citar nomes, afirmou que alguns colegas de Câmara têm apresentado queixas controversas. “Esses dias mesmo, um reclamou que estavam sendo entregues equipamentos na unidade do Rosa Garcia e que não tinha lugar para por. Meu Deus do céu, quando não tem equipamento, reclama, quando tem, reclama também. Vai fazer o que com esse povo?”, indagou.

Por sua vez, o prefeito afirmou que Barusso integrou “grande família” ao lado dos funcionários públicos municipais e destacou o lado “humano” dele como secretário.

Disse que o médico é dedicado e responsável e que agiu com determinação para que “as coisas acontecessem durante o período em que comandou a pasta”.

“Por mais pressão que teve, da Câmara, da imprensa e do prefeito, ele sempre teve discernimento e soube conduzir todas as mudanças. Nós mostramos quem realmente somos quando testados na pressão”, afirmou Manu.

O prefeito também direcionou palavras ao novo secretário da pasta. Disse a Villa Nova – presente ao evento de inauguração – que ele terá “um trabalho árduo”, mas que acredita no preparo do dentista.

Disse, por fim, que quer continuar contando com apoio de Barusso no trabalho da secretaria. O ex-secretário permanece atuando no departamento de auditoria.


Publicidade