Centenários de 2013

401





Oscar Niemeyer, ao completar cem anos, definiu: “Centenário é o cacete!”. Cem anos estando vivo deve ser mesmo difícil para quem viveu ativamente.

Mas aqui vou falar de algumas personalidades que completariam seus centenários neste ano de 2013. Essas datas costumam ser comemoradas em eventos por todo o país, celebrando os cem anos de seus nascimentos.

– Cuidado, companheiro! A vida é pra valer. E não se engane, não, tem uma só!

Quando Vinicius de Moraes disse essa frase não imaginava que nem conseguiria completar seus esperados 69 anos de idade para fazer uma festa regada ao uísque Vat 69, o mais famoso nos anos 60 e 70. Dava destaque a isso porque a palavra “vate”, em português, mesmo fora de moda em meados do século 20, era sinônimo de poeta e Vinicius, o poetinha, a usava como brincadeira.

Diplomata, dramaturgo, jornalista, poeta e compositor brasileiro, foi conhecido como um boêmio inveterado, fumante e apreciador do uísque, além de também ter sido conhecido por ser um grande conquistador. O poetinha casou-se por nove vezes ao longo de sua vida. Completaria cem anos em 2013.

A lista de personalidades famosas é extensa. É centenário de nascimento do cronista, poeta e jornalista Rubem Braga, de dona Zica (pseudônimo de Euzébia Silva do Nascimento), que foi sambista da velha guarda da Estação Primeira de Mangueira e foi a última mulher do sambista Cartola, além de ter sido um grande símbolo do Carnaval carioca.

Dois dos grandes cantores da época de ouro do rádio brasileiro, Nuno Roland e Carlos Galhardo também fariam cem anos em 2013. Igualmente Jamelão, cantor e tradicional intérprete dos sambas-enredos da escola de samba Mangueiras completaria agora seu centenário.

No futebol, Leônidas da Silva, o Diamante Negro, que foi um dos mais importantes jogadores brasileiros da primeira metade do século 20, tendo sido tetracampeão carioca pelo Botafogo e pentacampeão paulista pelo São Paulo, inventor do famoso gol de bicicleta, estaria agora centenário.

É fácil lembrar-se das inúmeras personalidades porque há muitos registros e a mídia busca em suas efemérides assuntos para seus artigos e matérias, dando destaque a estes e outros assuntos.

Há, no entanto, muitos outros centenários, bicentenários, tricentenários e aniversários mil acontecendo a todo o momento e em todos os anos, sem que sejam lembrados.

Muitas coisas acontecem ao nosso redor e praticamente passam despercebidas, porque cada um está preocupado com coisas do cotidiano e nem percebe a própria vida. John Lennon acertou ao dizer que “vida é o que acontece enquanto você está preocupado com outras coisas”.

Digo isso porque, durante algumas décadas, as pessoas frequentavam a Praça da Matriz, o Cine São Martinho e os bares do local, buscando diversão, conversar ou até mesmo encontrar um amor. Preocupados com seus próprios pensamentos, caminhavam aqui e ali sem prestar atenção à paisagem local, tanto que estavam acostumados.

Praça, ruas, cinema, bares, milhares de pessoas todos os dias, principalmente aos finais de semana. Cada um com suas preocupações, sem perceber a vida acontecendo ao redor.

Pois ali mesmo, na esquina da praça, nem todos percebiam o pipoqueiro Justo, com seu carrinho de pipocas e sua simpatia. Esse homem foi um herói que, noite após noite, não se importando com a chuva, frio ou calor, cumpria seu trabalho e sustentou dignamente sua família com esse microcomércio.

Este ano de 2013, no dia 17 de setembro, é também o dia do centenário do nascimento de José Rosa da Cruz, o pipoqueiro Justo. Não há festejos públicos, não há comemorações pela cidade. Há sim muita lembrança e saudade nos corações de seus filhos. E só. Justo, como muitos anônimos, viveu sua vida sem atrapalhar ninguém, deixando lição de honestidade e trabalho. Só isso.

Para encerrar, mais uma frase de Oscar Niemeyer: “Meu trabalho não tem importância, nem a arquitetura tem importância pra mim. Para mim, o importante é a vida, a gente se abraçar, conhecer as pessoas, haver solidariedade, pensar num mundo melhor, o resto é conversa fiada”.

Let it be!