‘Cemem será marco na cidade’, diz secretária

609
Publicidade





Cristiano Mota

Centro Municipal de Especialidades Médicas passa a tender em novo endereço já na segunda-feira, 29

 

O atendimento de especialidades médicas em Tatuí acontecerá em novo endereço a partir desta segunda-feira, 29. A data marca o início dos atendimentos no prédio que a Prefeitura vai inaugurar na manhã deste sábado, 27, para abrigar o Cemem (Centro Municipal de Especialidades Médicas).

A solenidade está agendada para as 10h, com participação do prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu, da secretária municipal da Saúde, Cecília Oliveira França, funcionários municipais e demais autoridades. Ela acontece na rua São Bento, 15, no centro, onde o Executivo construiu o novo prédio.

Publicidade

“Está um centro maravilhoso, lindo, com acomodações muito boas. Vai ser um marco na cidade”, declarou a titular da Saúde a O Progresso.

Conforme ela, o término da construção aconteceu no final da segunda semana de setembro. O centro passou a receber novos equipamentos a partir da segunda quinzena do mês e começará a receber a população em estrutura ampliada.

O prédio possui acessibilidade para deficientes, com rampas, e fica num terreno de 2.970 metros quadrados, com 1.408 metros quadrados de área construída.

Edificado pela Camargo Engenharia Construções, o centro teve investimento total de R$ 2.236.821,08. Ele conta com 47 salas, incluindo três de espera para atendimento, triagem, espera de procedimentos e exames.

A ala médica é composta por dez consultórios de clínica geral, dois de ginecologia, um de oftalmologia, um de fonoaudiologia, um de otorrinolaringologia, um para ultrassonografia, um de dermatologia, um vascular, dois de curativos, um de ortopedia, uma sala de raio-X, uma de ortopedia, uma de gesso, duas de utilidades e uma de esterilização.

O atendimento inicial será composto de salas de acolhimento, coleta, protocolo, assistência social, observação de curta duração e sanitários masculinos e femininos.

O prédio abriga, ainda, uma ala cirúrgica, composta por salas de escovação, procedimentos, pré-operatório e pós-operatório. Conta com salas para reuniões, para os setores administrativo e financeiro, para armazenagem de materiais, resíduos comuns, hospitalares e de gases, copa e vestiários masculino e feminino.

A expectativa é de que o volume de atendimentos aumente. “Como vamos ter um centro cirúrgico para pequenas cirurgias, equipamento de radiografia, os serviços de ultrassonografia e gesso, vai aumentar o serviço”, comentou a secretária.

Outra novidade a ser anunciada pelo Executivo – e antecipada pela titular da pasta da Saúde a O Progresso – é a inclusão de uma neuropediatra no Cemem.

A profissional já atua no prédio antigo, que operou até o dia 26 na praça Adelaide Guedes, sem número, e permanecerá atendendo nas novas instalações.

“É algo muito importante para os pais”, frisou a coordenadora de planejamento da Secretaria da Saúde, enfermeira Tirsa Luisa de Melo Meira Martins. “As mães estão muito satisfeitas, porque é difícil encontrar uma especialidade de neurologia pediátrica a qual estamos oferecendo”, completou.

A maioria dos equipamentos do novo Cemem foi adquirida recentemente pela Prefeitura. Apenas uma parte precisou ser transferida do antigo prédio, com realocação feita concomitantemente aos atendimentos. “Nós não interrompemos o funcionamento, até porque, aproveitamos pouquíssimas coisas”, disse Cecília.

Os equipamentos do prédio antigo serão realocados em outras UBSs (unidade básicas de saúde) da cidade ou instalações. “Estamos trabalhando em novos projetos. Portanto, eles terão grande utilidade”, adicionou a secretária.

Demanda reprimida

Para Cecília, a ampliação da estrutura física do Cemem contribuirá, em muito, para a redução da demanda reprimida por consultas com especialistas.

De acordo com ela, o tempo de espera – que varia segundo as especialidades – será reduzido não somente por conta do número de salas do novo prédio, mas pela reformulação no processo de agendamento das consultas.

A titular da Saúde explicou, ainda, que o tempo de espera depende de dois fatores. O primeiro, se a especialidade é oferecida no município ou em “cidades de referência”; o segundo, se os pacientes agendados não faltarão às consultas.

No caso de encaminhamento para os municípios de referência, o agendamento só acontece quando há liberação de vagas. “Nesse caso, infelizmente, dependemos das vagas que são fornecidas para a secretaria”, disse Cecília.

Em se tratando das faltas, a pasta municipal resolveu reformular o modo com que as consultas são agendadas, para tentar reduzir o tempo de espera.

Segundo a secretária, “as faltas dos pacientes são as principais causas da demora no agendamento”. A razão seria que, quando o paciente não comparece, ele não permite que outro seja atendido e, em geral, solicita uma nova data para a consulta.

Dessa maneira, a agenda de consultas tende a ficar comprometida com pacientes que já deveriam ter sido atendidos. “Aí, surgem aquelas filas de espera”, sustentou.

A reformulação é anunciada como nova tentativa de desafogar os agendamentos de consultas. Na experiência anterior, a secretaria havia implantado sistema de confirmação por telefone, pelo qual uma equipe da pasta retornava ao paciente para avisá-lo de que a data da consulta estava se aproximando.

A mudança funciona em partes, sendo prejudicada ou pelo sistema de telefonia (que apresenta problemas especialmente com relação a celulares), ou pela equipe não conseguir contato com o paciente. Em muitos casos, Cecília informou que a secretaria não consegue contatar o paciente para a confirmação.

“Por isso, estamos tentando minimizar essas faltas, com a mudança do agendamento”, explicou. A partir de setembro, a pasta municipal alterou a forma com que as consultas são marcadas. A regra vale, contudo, somente para retornos.

No primeiro atendimento, o paciente passa por um clínico-geral em um posto de saúde. Quando há o encaminhamento a especialista, ele já sai com a data da consulta no Cemem agendada, por meio do sistema DataHealth.

Se, durante a consulta, o especialista solicitar um retorno – por conta de exame –, o paciente não aguarda mais o contato telefônico da secretaria com a data. Ele é encaminhado para ir até o Centro de Especialidades Médicas, em data informada pela equipe do local, para fazer o agendamento do retorno.

“Nós não queremos mais ver a população com sofrimento, em grandes filas”, declarou a secretária. De acordo com ela, a mudança deve reduzir o tempo de espera, o qual, na lógica da secretaria, aumenta em função das desistências.

“É isso que estamos tentando sanar (as desistências), porque, às vezes, temos 30 pacientes num dia e, desses, 12 faltam e não avisaram”, argumentou.

De modo a permitir que os pacientes possam realizar os exames antes dos retornos, Cecília afirmou que a secretaria pede a eles que comuniquem se houver discrepância entre as datas. Em Tatuí, a secretaria registra espera para realização de exames considerados “menos básicos e represados”, conforme o Executivo.

“Quando isso acontece, nós tentamos realizar o exame, mas, caso não seja possível, o paciente deve ligar no Cemem e pedir que haja reagendamento”, explicou.

Outra medida também deve colaborar para os planos da Prefeitura de reduzir o tempo de espera por atendimento especializado. Trata-se de “reforço” na equipe que prestará os atendimentos no novo Cemem.

A secretaria solicitou a contratação de mais 20 funcionários. Eles integrarão equipe composta por 44 médicos e 31 servidores, sendo oito cedidos pelo governo do Estado.

O corpo de funcionários trabalhará em horário diferenciado, das 7h às 19h, uma hora a mais do que o expediente feito até então no centro.


Publicidade