CDMCC entrega cestas básicas a alunos em condição vulnerável

664
Maior parte dos estudantes beneficiados encontram-se em alojamento (Foto: AI/Conservatório)
Publicidade
Da redação

O Conservatório de Tatuí realizou na manhã desta sexta-feira, 17, a distribuição de cestas básicas a alunos que enfrentam situação vulnerável neste momento de quarentena. A iniciativa atendeu 19 estudantes, todos vindos de fora e impossibilitados de voltar para suas cidades de origem.

De acordo com a assistente social da instituição, Lucilene Pereira, os alunos regularmente matriculados no Conservatório são acompanhados regularmente pelo setor.

Aqueles que comprovam maior vulnerabilidade recebem auxílios, que incluem moradia gratuita no alojamento da escola, bolsas de estudo e cadastro junto ao Banco de Alimentos do município.

Com a quarentena, muitos ficaram impossibilitados de trabalhar e se sustentar, o que motivou a direção da escola a promover uma campanha interna junto a assessores e coordenadores. O valor arrecadado foi revertido em alimentos. As cestas contêm arroz, feijão, macarrão, molho de tomate, farinha de milho, óleo de soja, café, açúcar e biscoitos.

Dos 19 estudantes atendidos, dez residem atualmente no alojamento e nove vivem em repúblicas de estudantes. São alunos vindos de diferentes regiões do país: Sorocaba (SP), Votorantim (SP), Lençóis Paulista (SP), Marília (SP), Santo Antônio da Platina (SP), São Paulo (SP), São Sebastião do Paraíso (MG), Ponta Porã (MS), Salvador (BA), Utinga (BA), Piranhas (AL), Imaru (SC), Belém (PA). Há, ainda, cinco alunos estrangeiros, três de Arequipa (Peru), um de Cusco (Peru) e um de Córdoba (Argentina).

Publicidade

“Nossa, a cesta chegou em muito boa hora. Nosso sustento vem da família e dos cachês que fazemos aos finais de semana em casamentos, barzinhos e outros eventos. Com a quarentena, não podemos trabalhar e não temos o cachê. Ao mesmo tempo, os pais de quase todos trabalham com comércio, e o comércio está fechado. Então, está bem difícil”, comentou uma das estudantes atendidas, vinda de Marília (SP). “E é muito difícil voltar para casa, porque viemos de muito longe”, completou um dos estudantes peruanos.

Para o diretor executivo do Conservatório, Ary Araújo Júnior, o momento exige união e solidariedade. “Nós acompanhamos de perto os sacrifícios que estes alunos fazem para estudar e garantir uma formação profissional de qualidade”, observou Araújo Júnior.

“A quarentena pegou todos de surpresa e mudou as nossas rotinas. Temos certeza de que é uma fase e que vai passar. Mas é nosso dever olhar uns para os outros e colaborar no que pudermos para que todos passem por isso da melhor forma possível”, acrescentou.

O Conservatório mantém suspensas todas as atividades por tempo indeterminado, seguindo as orientações do Centro de Contingência ao Covid-19 e determinações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, do governo do estado de São Paulo.

Publicidade