‘Vou trabalhar pela saúde em prol da população’, diz Cíntia Yamamoto

188
Cíntia Yamamoto é a mulher mais votada das eleições 2020 (foto: divulgação)
Publicidade
Da reportagem

A vereadora eleita Cíntia Yamamoto Soares, do PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira), assumirá o primeiro mandato na Casa de Leis, em 1º de janeiro de 2021, como a mulher mais votada a ocupar uma cadeira no Legislativo.

Cíntia nasceu no dia 15 de abril de 1992, filha de Antonio Luís Soares e Maria Odete Hissae Yamamoto – empresários e proprietários de escritório de contabilidade. É noiva de Daniel da Mota, irmã de Rogério Yamamoto Soares e Amanda Yamamoto Soares.

Trabalhou desde os 16 anos no escritório de contabilidade da família. Cursou ciências contábeis e, em 2012, entrou para o grupo da juventude do PSDB, iniciando carreira na política municipal.

Nestas eleições municipais, a candidata recebeu 1.634 votos e, na lista geral dos eleitos,acabou figurando em segundo lugar.

Esta é a segunda vez que Cíntia participa do pleito como candidata a vereadora. Nas eleições de 2016, não conseguiu cadeira na Câmara, mas já obteve 400 votos.

Publicidade

“Na verdade, até 2016, eu não tinha pretensão de ser candidata. Como fazia parte da juventude do PSDB, trabalhei em diversas ações sociais e acabei sendo convidada. Resolvi aceitar, mas,naquele ano, tive uma votação inexpressiva”, comentou a eleita.

Para aumentar os votos e eleger-se, neste ano, Cíntia afirmou ter feito uma campanha “simples, mas com muito trabalho”. Além disso, atribui os votos conquistados aos serviços prestados por ela nos projetos “Abrace Tatuí” e “Abrace a Santa Casa” –, mantidos pelo Fusstat (Fundo Social de Solidariedade).

“Nestes últimos anos, tive a honra de fazer parte desses dois projetos de muita credibilidade lançados pela prefeita Maria José (Vieira de Camargo), e essa foi a chave para mostrar o meu trabalho. Com isso, acredito que recebi uma votação um pouco maior”, avalia.

Cíntia lembrou que o projeto “Abrace Tatuí” nasceu em janeiro de 2017, com iniciativas como mutirões de limpeza, ações de conscientização e mobilização de voluntários para a revitalização de espaços públicos.

“A cidade estava muito abandonada, e a iniciativa ajudou na conscientização da população e na revitalização de espaço. Participei ativamente do projeto, ajudando em diversas ações. Dois meses depois, a prefeita interveio na Santa Casa, que estava totalmente desfalcada, sem leitos, sem estrutura física, sem medicamento, e também participei do projeto”, contou a vereadora eleita.

De acordo com Cíntia, o trabalho realizado no “Abrace a Santa Casa” ainda a ajudou a formular as propostas e projetos que ela pretende apresentar na Câmara Municipal. “Vou trabalhar pela saúde e em prol à população”, acentuou.

“Eu já tinha este sonho de trabalhar pela saúde e, dentro da Santa Casa, vi o que realmente é preciso fazer. Sempre achei que a área da saúde deveria ser prioridade em uma gestão, e essa pandemia que surgiu neste ano mostrou o quanto é importante a área da saúde”, completou Cíntia.

Para a vereadora eleita, a Secretaria Municipal de Saúde fez “um excelente trabalho durante o surto da Covid-19 e continua trabalhando e lutando para manter um atendimento de qualidade”.

Contudo, ela pondera que, assim como em todo o país, “ainda há muito a ser feito pela saúde”. Cíntia afirmou que a primeira proposta a ser apresentada no Legislativo é a criação de um centro de fisioterapia pós-UTI (unidade de terapia intensiva).

“A intenção é criar um tratamento mais intensivo, principalmente agora, na pandemia, para os pacientes que saem da UTI. Vejo que muitos pacientes que ficaram internados saem debilitados e precisam deste atendimento. Então,seria algo voltado só para este fim”, antecipou.

Ela ainda declarou ter a intenção de trabalhar em parceria com as secretarias municipais e o Executivo, visando apresentar projetos “mais elaborados e de acordo com as necessidades do município”.

“Acho que, nesta vida, a gente nunca faz nada sozinho. O trabalho do ‘Abrace a Santa Casa’ é um exemplo disso: foi feito a muitas mãos e deu certo. Então, quero ouvir a população e estar em sintonia com os setores municipais para ajudar em outras áreas também”, ressaltou.

Comentando sobre a nova legislatura, que atuará entre 2021 e 2024, Cíntia classificou como positiva a renovação de 76,47% das cadeiras da Casa de Leis (quatro candidatos conseguiram a reeleição e 13 chegam pela primeira vez ao Legislativo).

“Acho que este movimento pela renovação faz parte de uma nova forma de enxergar a política. O resultado das urnas mostrou que o povo quer renovar, mas quer pessoas que trabalhem. Acho que quem está ali mostrou que trabalha, e o povo reconheceu isso”, observou.

Cíntia ainda falou sobre o feito inédito do pleito deste ano com a eleição de quatro mulheres para a Casa de Leis na mesma legislatura – da nova composição da Câmara, 23,52% estarão representados pelo sexo feminino.

“Acho que já estava na hora de termos mais mulheres no Legislativo. Já temos uma mulher que nos representa muito bem no Executivo, que é a prefeita Maria José, mas faltava no Legislativo”, enfatizou.

Até então, apenas quatro mulheres haviam sido eleitas no município. Maria José Paschoal ocupou a cadeira até dezembro de 1959.

Depois de 16 anos, Tatuí elegeu a segunda mulher. Vera Lúcia de Sá assumiu o cargo em fevereiro de 1977 e permaneceu na Casa de Leis até o ano de 1992. É a única mulher reeleita na história política tatuiana. Foram três mandatos consecutivos, da oitava à décima legislatura.

Na sequência, em 2001, ocorreu a eleição de Lúcia Maciel Aguiar Paes, representando o sexo feminino na 13ª legislatura até o ano de 2004. E encerrava-se com Rosana Nochele Pontes, última mulher eleita até então. Rosana atuou na 16º legislatura, de janeiro de 2013 a dezembro de 2016.

Já no Executivo, apenas duas mulheres ocuparam o cargo máximo. Francisca Pereira Rodrigues, a Chiquinha Rodrigues, de 1945 a 1947, que administrou por indicação, e a atual prefeita – primeira eleita e reeleita –, cujo primeiro mandato teve início em 2017, seguindo até 2020, e o segundo começa em 2021, terminando em 2024.

“Acho que a prefeita Maria José mostrou que a mulher tem força no poder, e com um toque feminino, um olhar mais sensível e dedicado. Acho que é isso que a população queria, e agora que deram mais voz às mulheres tenho certeza de que vamos fazer diferença”, salientou a vereadora eleita.

Cíntia agradeceu aos eleitores pelos votos e concluiu: “Tenho muitos projetos, mas esses são os que quero focar, para fazer dar certo. Minha prioridade será exercer as funções enquanto vereadora e estar ali para ajudar, servir, lutar, caminhar com o Executivo em busca do desenvolvimento de Tatuí”.

Publicidade