Voto Consciente!

10
RAUL VALLERINE

Eleitor, vote consciente. Não é a política que faz o candidato virar ladrão. É o seu voto que faz o ladrão virar político.

Aristófanes Quirino dos Santos

Numa democracia, como ocorre no Brasil, as eleições são de fundamental importância, além de representar um ato de cidadania.

Possibilitam a escolha de representantes e governantes que fazem e executam leis que interferem diretamente em nossas vidas.

Escolher um péssimo governante pode representar uma queda na qualidade de vida. Sem contar que são os políticos os gerenciadores dos impostos que nós pagamos.

Desta forma, precisamos dar mais valor à política e acompanharmos com atenção e critério tudo que ocorre em nossa cidade, estado e país.

O voto deve ser valorizado e ocorrer de forma consciente. Devemos votar em políticos com um passado limpo e com propostas voltadas para a melhoria de vida da coletividade.

Em 2022, as eleições serão para presidente da República, governadores dos estados, deputados estaduais, deputados federais e senadores.

Em primeiro lugar temos que aceitar a ideia de que os políticos não são todos iguais. Existem políticos corruptos e incompetentes, porém muitos são dedicados e procuram fazer um bom trabalho no cargo que exercem. Mas como identificar um bom político?

É importante acompanhar os noticiários, com atenção e critério, para saber o que nosso representante anda fazendo. Pode-se ligar ou enviar e-mails perguntando ou sugerindo ideias para o seu representante.

Caso verifiquemos que aquele político ou governante fez um bom trabalho e não se envolveu em coisas erradas, vale a pena repetir o voto. A cobrança também é um direito que o eleitor tem dentro de um sistema democrático.

Nós precisamos, quando falta um ano para as próximas eleições, ter em mente em fazer uma avaliação de como foram os quase três anos dos futuros candidatos, como agiram, se ele irá corresponder aos votos que os votos que ele recebeu?

Para melhorar é preciso de governantes honestos, capazes e verdadeiros patriotas. E isso se faz pelo voto. O voto é sagrado; é a arma da democracia.

Muitas pessoas não sabem votar, não conhecem os candidatos; muitos pegam um papel de propaganda no chão para votar, no dia da eleição. Outros, pior ainda, vendem o voto; isto é, se vendem, vendem a própria honra.

Não se pode trocar o voto por um benefício, por um emprego, por alguns reais. Não se pode votar em alguém só porque é um jogador ou cantor famoso; ou mesmo um excêntrico que faz brincadeiras na televisão.

Não se pode votar por sentimentalismo, só porque a pessoa é ligada à minha família, ou porque é bonito e simpático. Não é de pessoas assim que a política e o país precisam. Precisamos de gente honesta, competente e abnegada.

O voto só será consciente se o eleitor conhecer o candidato, se informar, conhecer seus valores e o que pretende. Sobretudo se é um político ou um “politiqueiro”, que visa se enriquecer com o cargo que irá ocupar.

Para dar um voto consciente não podemos apenas nos basear no que dizem os candidatos no horário de propaganda eleitoral gratuita na TV. É preciso mais, ler jornal, revista e não ficar apenas nos noticiários da televisão.

Quem vota de maneira consciente nunca anula seu voto. É um grande engano e um verdadeiro perigo para a nação, pois facilita a eleição dos maus políticos.

É verdade que faltam, às vezes, bons candidatos para a eleição em algumas funções, e que façam da política um verdadeiro sacerdócio em favor do povo, mas jogar fora o voto é a pior opção e uma verdadeira traição a si mesmo e à nação. É um pecado, pois o voto é sagrado. Quem anula seu voto se anula, anula a sua dignidade.

Enfim, votar bem é algo essencial para a nação melhorar; é um dom que Deus nos dá. É direito e dever de cada cidadão votar bem e ajudar os outros a votarem bem.