Vereadores pedem emprego de mais médicos ao Cemem

Pedido por profissionais proctologistas foi aprovado na 2ª

2
Abreu (à esquerda) reuniu-se com presidente da CCIBI em São Paulo (foto: divulgação)
Publicidade
Da reportagem

Na última sessão ordinária do mês passado, na Casa de Leis, segunda-feira, 30 de agosto, os vereadores acataram uma solicitação à prefeitura objetivando a contratação de novos médicos proctologistas para atuarem no Cemem (Centro Municipal de Especialidades Médica) “Dr. Jamil Sallum”.

O requerimento 2.442/21 foi protocolado, em conjunto, por sete edis: Cíntia Soares Yamamoto e Maurício Couto, ambos do PSDB; Gabriela Xavier Mendes Coito e Valdir de Proença, do Podemos; João Éder Alves Miguel e Renan Cortez, do MDB; e João Francisco de Lima Filho, do Cidadania.

O documento destaca que a Proctologia – também conhecida como coloproctologia – é a especialidade médica que estuda, diagnostica e trata as patologias do intestino grosso e delgado, do reto e do ânus.

Conforme a justificativa, a especialidade engloba tanto as doenças benignas (hemorroidas) como o câncer de cólon, que tem desenvolvimento lento e, além disso, pode ser descoberto precocemente, através de colonoscopias periódicas.

“Em estágios iniciais, o câncer de cólon apresenta 90% de chance de cura, motivo pela qual se faz de extrema importância e urgência a contratação de profissionais da especialidade, que atenderão e pouparão viagens para outros municípios para acompanhamento de nossos munícipes”, frisam os autores.

Publicidade

Os vereadores voltaram a pedir ao Executivo a substituição da iluminação pública por lâmpadas de LED, através do requerimento 2.489/21, apresentado por dez parlamentares.

Eles apontam que as lâmpadas LED permitem economia de energia de 45% a 55%, além de outros benefícios, como emissão de menos poluentes, maior segurança pública, melhor visualização no trânsito e maior tempo de vida útil.

Micheli Cristina Tosta Gibin Vaz (PP), pelo requerimento 2.433/21, cobra a prefeitura sobre o cumprimento do determinado pela lei municipal 4.818, de 25 de novembro de 2013, que dispõe sobre a obrigatoriedade de divulgação da listagem de pacientes que aguardam consultas de especialidade, procedimentos de diagnósticos e cirurgias na rede pública de saúde.

“O munícipe não consegue saber o andamento de seu pedido, pois tem que se deslocar para vários locais e, finalmente, fica sem obter a informação necessária”, sustentou a vereadora.

Mais empregos

O requerimento 2.493/21, assinado por Micheli, Fábio Antônio Villa Nova (PP) e Paulo Sérgio de Almeida Martins (PRTB), questionando a prefeitura sobre quais medidas têm sido adotadas para estimular a geração de emprego e renda no município, também foi aprovado no plenário.

No dia seguinte à reunião parlamentar, o presidente da Câmara Municipal, Antonio Marcos de Abreu (PSDB), anunciou que Tatuí poderá receber um novo empreendimento, com projeção de geração de até 1.200 novos empregos diretos.

De acordo com o vereador, o empresário iraquiano, naturalizado brasileiro, Nawfal Assa Mossa Alssabak manifestou interesse em investir no município. A possibilidade foi tratada em audiência em de São Paulo, em agosto, entre o investidor e Abreu.

Alssabak preside a CCIBI (Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Iraque), fundada em 2003 por um grupo de executivos dos dois países. A entidade internacional tem como objetivo “o desenvolvimento econômico do Brasil e do Iraque”.

Abreu afirma que a expectativa é de que, com o anúncio do investimento, Tatuí seja incluída no círculo de interesse dos empresários que fazem parte da CCIBI.

“Nossa meta é estimular o crescimento da economia, olhando para o futuro. É preciso pensar desde já no pós-pandemia, na retomada das atividades, e se antecipar às disputas por investimentos”, declarou.

Nos próximos dias, o presidente informou que deve agendar reunião com o prefeito Miguel Lopes Cardoso Júnior para verificar a possibilidade de o novo empreendimento receber subsídios previstos na lei do Pró-Tatuí. “Vamos propor uma parceria com o município para a implantação do projeto”, concluiu Abreu.

Publicidade